Carreira Forense e a importância da imparcialidade para o perito judicial nas tomadas de decisões
3 minutos de leitura
02 de Maio de 2017

Carreira Forense e a importância da imparcialidade para o perito judicial nas tomadas de decisões

Você já se imaginou sendo um perito das séries norte-americanas como Dexter, CSI: Crime Scene Investigation, Bones, NCIS? Investigando todos os detalhes para desvendar quem foi o assassino ou quem cometeu a fraude?

Se a resposta for sim, esse artigo foi feito especialmente para você que deseja saber um pouco mais sobre o seu futuro.

Você sabe o que é Ciência Forense?

A Ciência Forense deve ser compreendida como o conjunto de todos os conhecimentos científicos e técnicas que são utilizados para desvendar crimes.

O papel da Ciência Forense, e por consequência das carreiras forenses, é muito importante para as tomadas de decisões no campo jurídico.  Isto porque o direito, e principalmente o processo penal, recentemente ingressou em uma nova era em que provas inconsistentes, baseadas apenas em relatos e depoimentos, sem conexão com os vestígios materiais produzidos por uma ação criminosa, não permitem condenar ou absolver pessoas.

Diversas áreas do conhecimento estão relacionadas às ciências forenses. O coordenador do curso de pós-graduação em Perícia Criminal e Ciências Forenses do IPOG, José Walber Pinheiro, cita três possibilidades de atuação para quem se especializa na área:

Perito Oficial

Esses profissionais são funcionários públicos contratados mediante concursos para o fim específico de realizarem exames periciais junto aos Estados ou a União.

Perito do Juízo ou Perito Judicial

Dá-se esse nome quando o profissional é nomeado diretamente para atender às dúvidas do magistrado titular do processo. O perito do juízo é nomeado pelo próprio magistrado que está analisando o processo, a sua livre escolha.

Assistente Técnico

Da mesma forma que o perito, esse profissional deve possuir formação superior, e é contratado pelas partes para realizar alguma perícia ou revisá-la.

Vale ressaltar que, independente das áreas de formação, outras habilidades necessárias para atuar nas ciências forenses incluem o raciocínio rápido, a capacidade de observar e interligar os fatos, concentração, curiosidade e a imparcialidade.

Sobre a imparcialidade

Na sociedade, devido à formação, hábitos e referências, é normal tomarmos partido aos eventos que acontecem a nossa volta, de uma forma ou de outra, influenciados por diferentes motivações. Entretanto, o Perito Judicial não pode ter opinião, e sim respostas baseadas nas provas levantadas.

Obviamente, o Perito carrega uma carga emocional forte em cada caso que ele é nomeado, pois o simples fato de se instaurar um processo já estabelece uma situação de conflito entre as partes, que pode eventualmente conduzi-lo a uma tomada de posição, a um juízo de valor. O Perito está sujeito a cair nessa armadilha.

Um problema que o perito judicial pode ter, é sentir-se responsabilizado por “decidir” o processo com base nas provas que ele levantou, ou seja, dependendo do resultado do seu esforço, o réu poderá ser absolvido ou condenado.

Contudo, o Perito Judicial deve-se abster de manifestar sobre a lide em questão, não fazendo conclusões que podem induzir em erro ao juiz, levantando todas as provas necessárias e indícios para responder aos quesitos de forma objetiva e que o seu laudo pericial seja o mais completo possível para evitar que seja desqualificado ou questionado o seu trabalho pericial.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho está em expansão, pois além de uma carência por peritos oficiais, apenas recentemente a legislação regulamentou a atuação dos assistentes técnicos, conforme disposto na lei 11.690/2008, que altera dispositivos do Código de Processo Penal, relativos à prova material.

Quais são os diferenciais do profissional?

Os diferenciais de quem se especializa nesta área são: uma ampla área de atuação, boas oportunidades salarias e desafios pessoais. Além do mais, esse profissional pode contribuir muito com a sociedade, tendo em vista que ele colabora com a promoção da justiça, seja para condenar culpados, defender um inocente, ou para corrigir injustiças.

Artigos relacionados

Conheça Anne: economista que encontrou no Direito a oportunidade de mudar de carreira aos 41 anos Você já se imaginou jogando tudo para o alto e recomeçando a sua trajetória profissional? Mudar de carreira aos 41 anos de idade? É, pode ser que, para muitos, essa reviravolta não seja tão atraente nesse faixa etária da vida, mas não há porquê tornar isto um ...
Empreendedorismo Jurídico: quais são as melhores áreas para empreender? Os escritórios de advocacia viram surgir uma série de novas demandas e profissões nas últimas décadas, o que fomentou um amplo espaço para investimento em empreendedorismo jurídico. Não é à toa que Richard Susskind, em seu renomado livro Tomorrow’s Lawyers...
Coordenadora de curso do IPOG ministra palestra na XXIII Conferência Nacional da Advocacia Brasileir... A Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, realizou, de 27 a 30 de novembro de 2017, em de São Paulo, o maior evento jurídico da América Latina, a XXIII Conferência Nacional da Advocacia Brasileira. O evento, realizado a cada três anos, reuniu mais de 20 mil part...

Sobre Assessoria de Comunicação

Equipe de produção de conteúdo.

Comentários