As 7 Oportunidades das Edificações Inteligentes e de Alto Desempenho
2 minutos de leitura
02 de junho de 2021

As 7 Oportunidades das Edificações Inteligentes e de Alto Desempenho

1) Elas consomem menos: Imagine você escolhendo, na compra de uma geladeira, aquele aparelho que tem nível de eficiência energética D, por exemplo. Hoje em dia isso é impensável, não é mesmo? Para edificações, essa mesma tendência se intensificou com o aumento do consumo nas residências e a necessidade de reduzir custos.

2) Elas fazem parte da sociedade: É fato que a infraestrutura urbana tende a se limitar na disponibilidade de qualidade de vida ao ser humano. Nossa edificação precisa dar sua contribuição, exigindo menos do meio urbano. Quando se fala em edificações, elas podem ter um papel de relevância, além de consumir recursos naturais de forma eficiente (água e energia, por exemplo), elas contribuem ativamente com a intenção de suprir as necessidades da infraestrutura urbana, como por exemplo a condição de gerar energia própria e dispô-la na rede e reter a água pluvial a fim de evitar a sobrecarga no sistema drenagem. 

3) A edificação não é mais passiva na interação com o usuário: Os avanços dos gadgets para o ser humano, ligados à internet e redes de wireless, estão permitindo que a edificação tenha condição de interagir com seus usuários e a um custo cada vez menor. Sensores e atuadores em casas e edifícios, frisa-se, incluindo em condomínios populares, são uma realidade que permite o funcionamento da edificação de forma econômica e trazendo mais conforto e segurança ao usuário.

4) Alto desempenho é economia e oportunidade de retorno financeiro: Pensar numa edificação sem esperar que, além de propiciar conforto, não seja atraente economicamente é coisa do passado. Se você ainda pensa dessa forma, está precisando se reciclar. A alta durabilidade da edificação traz economia direta para o bolso do proprietário, que irá dispor de menos recurso para mantê-la funcionando e prevenindo que as manutenções corretivas ocorram com frequência, e gerando grandes transtornos. Além disso, a sociedade já entende que edificação “bem construída e projetada” valoriza o imóvel, agregando valor ao mercado imobiliário.

5) A velha máxima: “Prevenir é melhor do que remediar”. As edificações são como o ser humano. Práticas preventivas, seja em um bom projeto ou durante a construção ou reforma, evitam maiores transtornos e custos para reparar. O advento da norma de desempenho NBR15.575 e regulamentações e leis, que exigem do mercado desempenho mínimo, induzem a um mercado mais honesto ao entregar uma obra pensando no futuro.

6) Conforto não é luxo e sim qualidade de vida: Ainda vemos edificações em condições absurdas, em que se estar dentro delas é mais desconfortável do que ficar exposto a um ambiente externo com situações de clima extremo. A parte boa disso tudo é que o usuário já percebeu isso e exige do mercado edificações que sejam pensadas para garantir qualidade de vida e dignidade ao ser humano. Além do usuário entender isso, é importante destacar que os custos para se garantir maior conforto não é elevado se bem pensado desde o projeto até a execução, de forma adequada.

7) Pensar no coletivo a partir do individual: O meio urbano é composto de todas as nossas interferências no meio natural (edificações, infraestrutura etc.). Logo, fazemos parte de algo maior e nossa casa tem um importante papel. Quando trazemos eficiência energética para a casa, garantimos a adequada durabilidade e conforto ao imóvel, e, assim, estamos assegurando benefícios para nós mesmos e também reduzindo os impactos para a sociedade. É a visão de integração com o meio ambiente que volta a ter seu papel essencial para o ser humano.

Artigos relacionados

Desdobramento da função qualidade: o que é e como funciona? Satisfazer e reter clientes, além de otimizar a produção e a prestação de serviços são metas importantes para qualquer empresa focada em manter sua sobrevivência no mercado. Para alcançar esses objetivos, há algumas ferramentas disponíveis, como o desdobramen...
Lean Manufacturing: o que é, técnicas e usabilidade Responsável pelo sucesso de grandes empresas como 3M, Embraer e DELL, o modelo de gestão Lean Manufacturing mudou o jeito como indústrias passaram a produzir e pensar seus processos.  Também chamado de Sistema Toyota de Produção e Manufatura Enxuta, esse sist...
Tecnologia no agronegócio: tendências que levam assertividade para o setor agrícola A tecnologia faz parte da rotina de processos produtivos de diversas áreas econômicas e no setor agrícola não é diferente. Ao longo dos anos, o campo passou a ser beneficiado com o uso da tecnologia no agronegócio. A realidade brasileira, na qual o agroneg...

Sobre Sérgio Botassi dos Santos

Doutor em Construção Civil pela UFRGS; Engenheiro Civil e Mestre em Estruturas pela UFES; Consultor em estruturas de concreto e Gestão de riscos pela empresa SBS Consultoria em Engenharia; Perito em obras civis; Engenharia de barragens por Furnas Centrais Elétricas; Experiência em Controle Tecnológico e acompanhamento de obras; Professor de Pós-Graduação desde 2008; Possui mais de 30 artigos nacionais e internacionais publicados na área de construção civil; Coautor de Capítulos de Livro sobre Tecnologia do Concreto pelo IBRACON; Autor do Livro "Fluência do Concreto - Análise nas Primeiras Idades e Efeitos de Adições e Aditivos" pela Editora NEA; Colaborador na segunda edição do Livro Internacional Concreto: Microestrutura, Propriedades e Materiais dos autores Paulo Monteiro e Kumar Mehta. Agraciado com o título de Melhor Tese de Doutorado do Ano de 2011 emitido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Comentários