Impactos sobre inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculos do PIS e COFINS
3 minutos de leitura
29 de julho de 2017

Impactos sobre inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculos do PIS e COFINS

O ICMS, Imposto sobre Circulação de Mercadoria, não pode mais ser incorporado na base de cálculos do PIS e Cofins. A determinação é do Supremo Tribunal Federal (STF), que atestou a inconstitucionalidade deste cálculo. A decisão muito aguardada pelo contribuinte chegou com um delay de quase duas décadas e deve afetar consideravelmente para ambos os lados da moeda, tanto para o empresariado, como para o governo.

Especula-se que, com a mudança nesta forma de tributação, a União tenha impacto negativo de 20 bilhões de Reais no orçamento anual. Isso sem contar com os pedidos de restituição e compensação que devem partir dos contribuintes. Sempre que há relevante impacto econômico, decorrente da decisão judicial, existe a possibilidade de ‘modular efeitos’, o que significa, de maneira singela, alterar os efeitos da decisão, restringindo-os a apenas parte do período de vigência da inconstitucionalidade.

O recurso que levou à decisão do STF foi impetrado por uma empresa, com o objetivo de reformar acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que julgou válida a inclusão do ICMS na base de cálculos das contribuições. O tema requer bastante atenção dos profissionais das áreas de Contabilidade e Direito Tributário já que traz impactos na somatória dos cálculos das tributações do contribuinte.

Estima-se que a decisão afete cerca de 10 mil processos em instâncias inferiores que aguardavam por uma definição da matéria no âmbito do STF. A partir de março de 2017, todos estes processos serão julgados de acordo com a definição pela inconstitucionalidade reconhecida por maioria dos votos no STF.

O que fazer para evitar a incidência deste tributo

Todo contribuinte de PIS e Cofins, que também sofra incidência do tributo estadual, está apto para ingressar com a ação judicial. Como regra, não há prazo para peticionar o direito ao Poder Judiciário. A legislação ordinária não foi alterada, de forma que, mesmo com a decisão recente do STF, favorável aos contribuintes, é necessário ingressar com a ação judicial (em regra, Mandado de Segurança) para deixar de recolher o PIS e COFINS sobre a parcela do ICMS embutida no preço da mercadoria.

Em caso de uma eventual modulação de efeitos, existem duas situações em que o contribuinte deve se atentar. Quem ajuizou ação antes da decisão do STF poderá restituir o que pagou nos últimos cinco anos, além de deixar de pagar. Quanto àquele contribuinte que ainda não ajuizou ação, precisará ajuizá-la para não pagar sobre receitas futuras. Neste segundo caso, esse não poderá restituir o valor pago nos últimos cinco anos em virtude da modulação dos efeitos.

Entretanto, é importante deixar claro que o contribuinte não perde o direito de ingressar judicialmente a qualquer tempo. Na decisão do STF não foram discutidos os reflexos sobre o custo de aquisição de insumos ou de bens para revenda, a fim de avaliar eventuais reduções na possibilidade de crédito. É preciso ter em mente que o direito ao crédito vinculado à não cumulatividade do PIS e Cofins não nasce do valor pago pelo fornecedor. Isso porque, no caso destas duas tributações, o direito ao crédito nasce dentro do próprio adquirente, segundo o seu próprio regime de apuração, no caso, não cumulativo.

Feitas estas considerações, entendemos que a decisão recente representa um enorme ganho aos contribuintes. Apesar do grande reflexo econômico, a Suprema Corte decidiu sem deixar que o impacto econômico conduzisse o raciocínio jurídico do litígio. Possivelmente, e é o que se vislumbra, o Governo modificará o regime de apuração e de alíquotas do PIS e Cofins, para garantir que a arrecadação seja mantida e que a perda gerada pelo precedente favorável aos contribuintes seja ao menos compensada, fato que implicará, muito provavelmente, no aumento da carga tributária para as empresas nos próximos meses.

Um pouco mais:

O PIS, ou Programa de Integração Social, é um abono salarial criado pelo governo federal e previsto no artigo 239 da Constituição de 1988. Foi criado para contemplar trabalhadores da iniciativa privada com uma participação nos lucros das empresas. A contribuição para o PIS é determinada na base de 1% sobre a folha de salários do mês e a guia é de pagamento obrigatório das empresas. O benefício é administrado e pago ao trabalhador por meio da Caixa Econômica Federal.

A Cofins, ou Contribuição para Financiamento da Seguridade Social, foi instituída pela Lei Complementar nº 70/91 e atualmente é regida pela Lei 9.718/98. Os contribuintes são as pessoas jurídicas de direito privado, a exceção são as empresas optantes pelo Simples Nacional. A base de cálculos da contribuição é sobre a totalidade do faturamento bruto da empresa, independente da atividade por ela exercida.02


Artigos relacionados

Profissional de Contabilidade, como escolher um MBA que realmente faça diferença em sua carreira? Obter um diploma de um MBA para atuar na área contábil é um excelente investimento para construir uma carreira bem sucedida. Além de propiciar excelentes oportunidades no mercado de trabalho, a qualificação profissional é essencial para seu crescimento pessoal...
Sped Fiscal: o que é e como funciona? Sped Fiscal é o nome dado ao processo de escrituração digital da Receita Federal, chamado também de EFD (Escrituração Fiscal Digital). Com ele, a Receita Federal e os órgãos fazendários estaduais receberão dos contribuintes todas as informações que precisam so...
Auditoria Contábil: Descubra quais são as seis etapas do processo Quando o assunto é gestão financeira, sua empresa faz tudo certo? Os controles hoje praticados refletem a realidade dela? E os registros de receitas e despesas, estão sendo feitos adequadamente? Se ficou em dúvida quanto a essas questões, vale a pena conhecer ...

Sobre Ana Paula Bismara Gomes

Mestre em Direito Tributário e professora do MBA em Contabilidade e Direito Tributário do IPOG.

Comentários