Impressão digital: Uma biometria realmente segura e utilizada!
4 minutos de leitura
16 de outubro de 2018

Impressão Digital: uma biometria realmente segura e com ampla utilização

Impressão digital

Você sabia que os sistemas biométricos de identificação vêm sendo usados em larga escala em nossa sociedade? A impressão digital, por exemplo, é comumente utilizada para verificação de identidade em academias de ginástica, em smartphones ou notebooks,  saques bancários ou até mesmo para entrar em um condomínio.

Até mesmo no processo eleitoral estamos nos acostumando com essa realidade. Em 2018, 73,7 milhões de eleitores, ou seja,  50% de toda a população brasileira apta a votar, realizaram a verificação de sua biometria por impressões digitais na chamada urna biométrica, a partir de um cadastro biométrico prévio realizado em conformidade com normas da Justiça Eleitoral (Dados do portal G1).

A evolução da tecnologia no campo das biometrias é impressionante, mas ainda levanta algumas dúvidas em parte da população. Sobre esse assunto, o professor do curso de Pós-graduação em Perícia Criminal & Ciências Forenses do IPOG e especialista em impressões digitais, papiloscopia e biometria, Brasílio Caldeira Brant, esclarece que, com o advento da informática e da tecnologia, percebeu-se que mecanismos antigos de proteção contra fraldes eram frágeis e insuficientes antes da utilização das impressões digitais.

O mecanismo de cartão bancário e senha, por exemplo, não é algo suficientemente seguro. O cartão você já possui, a senha é algo que você sabe, mas falta, no entanto, “o que você é” e a biometria é o recurso que possibilita essa identificação. Essa variável única e pessoal é o que daria um nível realmente maior de proteção nos processos”, explica o professor.

Hoje em dia, a imensa quantidade de senhas, usernames, PINs, tokens e números diversos de contas atribuídas e sob responsabilidade de um indivíduo, pode sufocar usuários e organizações. Os usuários pedem a liberdade dessas amarras e as organizações o fim de terem que administrar sistemas de segurança diante dessa complexa realidade.

Os riscos que a criminalidade pode trazer ao quebrar estas chaves de segurança são cada vez mais sérios. A Biometria, de forma geral, oferece a possibilidade de salvaguardar ativos de informação por meio de um identificador teoricamente irrefutável e sempre presente: aquilo que o usuário é! No caso da impressão digital, esse ativo é claro, objetivo, aceito e barato”, esclarece Brasílio.

Os sistemas biométricos são hoje uma tendência mundial e que se popularizam a passos largos. Tais bases de dados são utilizadas no meio policial, na identificação civil, em cadastros bancários e para os mais diversos fins.

Cabe à impressão digital protagonismo nesse campo, já que traz diversas vantagens para o trabalho, principalmente quando envolve grandes grupos. O fato de já se ter uma grande aceitabilidade social e ser bastante econômico e prático também ajuda na sua implantação.

O professor Brasílio Caldeira Brant explica, adicionalmente, que um sistema biométrico adequado e seguro é aquele que respeita um conjunto de requisitos como:

  • Base em característica biométrica singular
  • Permanência e Imutabilidade
  • Mensurabilidade
  • Universalidade
  • Precisão de identificação
  • Proteção contra fraudes
  • Aceitabilidade social

Dentro de um banco biométrico deve-se garantir que todos os dados armazenados sejam de pessoas únicas. Ou seja, não podem haver dados biométricos da mesma pessoa com nomes diferentes”, exemplifica o professor do curso de Pós-Graduação em Perícia Criminal & Ciências Forenses do IPOG.

Automatização do processo papiloscópico

Apoiada em tecnologia moderna, baseada em parâmetros de consistência, segurança e confiabilidade, tal ferramenta visa suprimir as deficiências dos sistemas manuais de classificação.

O Sistema Automatizado de Identificação de Impressões Digitais (Automated Fingerprint Identification System – AFIS) une a Papiloscopia à Informática, de forma a agilizar o processo de identificação, promover a sua ampla utilização e potencializar as vantagens inerentes à identificação papiloscópica.

Em 2004, a Polícia Federal instalou no Instituto Nacional de Identificação, em Brasília, um sistema AFIS comprado de uma empresa francesa que revolucionou a forma de trabalho com os bancos de impressões digitais.

Durante décadas, os arquivos datiloscópicos criminais e civis foram organizados manualmente e a partir de fórmulas datiloscópicas. Tal método funcionou muito bem, porém apresentando diversas limitações.

Entre elas a possibilidade de pesquisa somente no órgão central em Brasília e desde que houvesse suspeitos para a comparação, além da enorme quantidade de serviço que demandava aos papiloscopistas, dificultando a realização de diversas outras tarefas importantes.

Atualmente, o AFIS da PFjá possui cerca de duzentos e vinte milhões de impressões digitais para pesquisa e passa por um processo de expansão e modernização da plataforma para a inclusão de mais uma biometria (Evolução para ABIS).

Biometrics HITech Summit

Ficou interessado neste assunto? Que tal dar uma conferida em outros textos do nosso Blog IPOG: Biometria: quais os métodos mais seguros para a identificação em uma investigação criminal e Papiloscopia: o que é e quais os desafios para trabalhar nessa área.

Trazendo ainda mais contribuições para esse segmento tecnológico, no mês de agosto de 2018 o professor Brasílio Caldeira Brant também participou como assistente de palestras e compôs a mesa de abertura da 4ª edição do Biometrics HITech Summit, evento especializado em biometrias e tecnologias de identificação.

Na ocasião foram abordados temas como inovação, conhecimento e negócios. Foi um momento de intensa troca de experiência com um público altamente qualificado, composto por participantes dos setores público e privado, bem como empresas especializadas do setor. Confira tudo sobre a evolução biométrica brasileira aqui.


Sobre Brasílio Caldeira Brant

Diretor do Instituto Nacional de Identificação, Graduado em Gestão de Segurança Pública pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2012), atuando principalmente nos seguintes temas: impressões digitais, papiloscopia, retrato falado, A.F.I.S. e biometria. Palestrante e professor de Perícia Papiloscópica e Representação Facial Humana. Professor do curso de Pós graduação em Perícias Forenses, na matéria "Fundamentos da Pericia Papiloscópica e Representação Facial Humana".Diretor do Instituto Nacional de Identificação, Graduado em Gestão de Segurança Pública pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2012), atuando principalmente nos seguintes temas: impressões digitais, papiloscopia, retrato falado, A.F.I.S. e biometria. Palestrante e professor de Perícia Papiloscópica e Representação Facial Humana. Professor do curso de Pós graduação em Perícias Forenses, na matéria "Fundamentos da Pericia Papiloscópica e Representação Facial Humana".

Comentários