O que é Educação?
2 minutos de leitura
28 de abril de 2017

O que é Educação?

Dia da Educação: momento para refletirmos sobre como podemos fazer conviver, na pós-modernidade, os recentes avanços tecnológicos e metodológicos com a urgente necessidade de humanizarmos a vida em sociedade. Basta evocar o nome científico de nossa espécie para percebermos como estamos distantes ainda de uma educação ideal: a tradução do termo latinoHomo Sapiens é Homem Sábio.

Penso que um bom ponto de reflexão para os educadores contemporâneos é aceitarmos humildemente, pela simples força dos fatos, que não nascemos humanos. Somos sim, na melhor das hipóteses, humanizáveis.

Pesquisadores respeitados, de Piaget a Howard Gardner, têm dito que:

  • Toda criança nasce egocêntrica.
  • O egocentrismo infantil é caracterizado pela incapacidade de aceitar pontos de vista diferentes do seu próprio como válidos (ops! não me parece que somente as crianças sofram dessa triste limitação).
  • Alcançar a maturidade psíquica significa libertar-se paulatinamente de uma percepção egocêntrica, abrindo o coração e a mente para abraçar as diferenças e, finalmente, a humanidade inteira.

Uma educação que não desperte a sensibilidade, que não desenvolva as forças de caráter, que não abra ao aluno os leques de suas próprias inteligências e talentos, que não o situe no mundo para cumprir um propósito nobre pelo uso de sua capacidade criativa, sem jamais perder o senso crítico e a autonomia de pensamento, não pode ser chamada de educação. É, no máximo, o que se convencionou chamar de ensino. Ensino temos muito, educação temos bem pouca.

Lembro-me que, com assombro, terminei de ler, aos dezesseis anos, a famosa obra de Aldous Huxley, “Admirável Mundo Novo”. Naquele distante 1981 me perguntava: “Será que chegaremos a isso? Seremos algum dia uma humanidade servil e pacata, um tanto idiotizada, em que todos alcançarão um certo grau de conforto e anestesia química, e, apesar de toda a tecnologia e até mesmo com a ajuda dela, ganharemos a feição comportamental dos rebanhos bovinos, e desperdiçaremos nossos melhores potenciais de amor e de liberdade a serviço de um sistema frio e destituído de sentido, seja ele Estatal ou Empresarial?

Trinta e quatro anos depois tenho a sensação de que esse fantasma ainda ronda as novas gerações (incluo aqui as sempre incômodas estatísticas de suicídio juvenil), e sofro com a consciência de que a maior responsabilidade por esse perigo é toda nossa, porque ainda não tivemos a coragem nem a competência para reconceituar o termo educação, e o pior: não fomos sequer capazes de realizar aquilo que anunciamos como nossos objetivos dentro de um conceito já ultrapassado. No Brasil, parece que a meta de universalizar o alfabetismo funcional ou a melhoria de alguns indicadores em concursos essencialmente cognitivos resume nossa ambição, quando ela deveria ser aquela do saudoso e querido Rubem Alves, um incansável poeta-provocador de todos nós, educadores: “educar é mostrar a vida a quem ainda não a viu”.


Artigos relacionados

Conheça Anne: economista que encontrou no Direito a oportunidade de mudar de carreira aos 41 anos Você já se imaginou jogando tudo para o alto e recomeçando a sua trajetória profissional? Mudar de carreira aos 41 anos de idade? É, pode ser que, para muitos, essa reviravolta não seja tão atraente nesse faixa etária da vida, mas não há porquê tornar isto um ...
Qual a relação entre empregabilidade e Metodologia Ativa? Em outro texto do nosso Blog explicamos a relação entre Metodologia Ativa e Nativos Digitais. Considerando esse universo de novas Metodologias de Aprendizagem, como elas podem te beneficiar em relação ao seu campo de trabalho? Pois então, o professor Gabrie...
Formei! E agora, por que devo fazer uma especialização? A experiência adquirida em uma graduação há um bom tempo deixou de ser o principal motivo para conseguir um bom cargo nas organizações e até mesmo para ingressar no mercado de trabalho. Hoje em dia, os recrutadores dão vantagens para aqueles que possuem algum ...

Sobre Luciano Alves Meira

Formado em Letras e Especialista em Liderança e Gestão Organizacional; já treinou líderes de diversas grandes empresas, a exemplo de: Volkswagen, Embraer, Kimberly Clark e Faber Castell; coordenador do curso de MBA Executivo em Liderança & Gestão Organizacional (FranklinCovey) e do Curso de Curta Duração de Liderança Integral do IPOG, onde também atua como Diretor de Metodologia; Sócio Fundador da Caminhos Vida Integral.

Comentários