BIM e a compatibilização de projetos: você já sabe tudo sobre essa ferramenta?
3 minutos de leitura
18 de abril de 2018

BIM e a compatibilização de projetos: você já sabe tudo sobre essa ferramenta?

A relação entre BIM e a Compatibilização de projetos ainda é motivo de pesadelos e noites mal dormidas de muitos alunos e profissionais de arquitetura e engenharia. Entretanto, no texto de hoje vamos te mostrar que essa ferramenta não é nenhum fantasma ou bicho de sete cabeças e sim um grande aliado que vai facilitar, e muito, na execução das suas tarefas diárias.

Afinal, se a tecnologia já nos auxilia tanto encurtando distâncias e facilitando a comunicação. Por que não deixá-la melhorar o nosso trabalho, não é mesmo? Principalmente quando a questão envolve uma obra, onde está em jogo qualidade, custos e o bem-estar do cliente. Atualmente, o BIM já é utilizado também na aplicação a projetos de infraestrutura de transportes.

Na prática, qual é a importância do BIM para a compatibilização de projetos?

Como já mostramos aqui no Blog IPOG, o BIM é uma metodologia que veio para inovar os projetos de arquitetura e engenharia. A ferramenta é uma alternativa tecnológica mais avançada para a construção de edifícios virtualmente. Com o BIM é possível que o profissional construa toda a obra em 3D na tela do computador, projeto que é capaz de oferecer todas as informações possíveis, desde a espessura da parede ao tipo de material a ser utilizado.

Já compatibilizar um projeto com a ferramenta nada mais é que verificar se por exemplo portas, paredes, pilares, vigas, lajes, eletrodutos de energia, tubulações de água e esgoto estão passando no local correto. Em um projeto realizado de modo tradicional, é comum que o profissional deixe de ver alguns objetos que estão passando dentro de outros, por exemplo um tubo dentro de um pilar. Com isso, esse problema acaba sendo resolvido dentro da obra e quanto maior o empreendimento, mais chances disso acontecer.

Entretanto, a “falta de planejamento” pode afetar em muitas questões dentro da obra, uma vez que o profissional deverá encomendar o material que foi esquecido, o que acarretará em custo extra, pode-se mudar a execução da estrutura para fazer ajustes e inclusive o trabalho no canteiro pode ser paralisado. Sendo assim, a entrega do empreendimento poderá ser adiada, além de sair um pouco mais caro que o orçado.

Método tradicional e BIM: quais as diferenças?

Com o BIM, a verificação e a questão da compatibilização deixa de ser feita de forma manual ou realizada, no vulgo, “olhômetro”. Mas essa não é a única diferença. Da forma manual, a análise dos projetos e a sobreposição dos mesmos acaba sendo bem mais complicada. Principalmente quando se têm muitos projetos já que a visualização de todas as disciplinas acaba sendo mais difícil.

Já com o BIM, a análise e verificação é feita automaticamente com o auxílio de um software que aponta quais são os problemas e interferências que estão acontecendo no projeto. Sendo assim, as soluções são encaminhadas até mesmo antes de começar a obra, já que é mais simples de resolver quando está no papel para depois levar para outros departamentos onde será discutido orçamento.

BIM e a compatibilização de projetos: vantagens em se verificar problemas antes da obra

Como já começamos a citar anteriormente, o engenheiro e arquiteto tem muito a ganhar quando os problemas são encontrados antes da execução. Em alguns casos, os profissionais demandam tempo procurando soluções no campo de obras. Além disso, a chave pra resolver o problema acaba sendo quebrar paredes ou objetos.

Com o BIM, o profissional leva o modelo para a obra já para colocar a mão na massa e construir. Sem perder dinheiro, materiais e o mais importante: tempo.

Atualmente, existem vários softwares usados na compatibilização de projetos tais como heat e arcade. Além disso, existem muitos programas de modelagem que também realizam a checagem de interferências. Para quem pretende adotar um software mais especializado na compatibilização, os mais indicados são: navisworks, vigo software e solibri.

Quer saber mais sobre essa metodologia? Conheça o curso Master BIM: Ferramentas de Gestão e Projeto do IPOG e se surpreenda!

 

Artigos relacionados

Dia da Engenharia: Dicas de leitura para os profissionais da área Os profissionais de engenharia são geradores de ideias, sempre aplicando métodos e técnicas economicamente viáveis, com auxílio da matemática e das ciências. Buscam aliar as melhores condições de segurança ao menor custo, sendo requisitados em todas as áreas, ...
Qual a relação entre Geociências, Arte e Ambiente? Workshop Internacional organizado por professor d... Geociências, Arte e Ambiente: é possível pensar uma interação entre estas áreas? Para o II Workshop Internacional Arte & Ciência – História e Resiliência da Paisagem, sim. Este é justamente o seu objetivo, promover um fórum de discussão que tenha como foco...
Por que existem tantos problemas em obras? Frequentemente vemos na imprensa notícias sobre obras com uma qualidade questionável. Em algumas, os problemas são tão graves que acabam culminando em tragédias. Mas por que será que isso acontece tanto, já que todas elas são, ou pelo menos deveriam ser, plane...

Sobre Alan Araújo

Arquiteto e Urbanista pela UFPB. Mestre em BIM e Realidade Virtual/Realidade Aumentada. Técnico em Edificações pelo ETFPB (2002). Membro do Comitê ABNT para criação da CIE-134 – BIM. Elaborador do template ABNT para Revit. BIM Manager e diretor/sócio no Grupo Bloco e na ProjetoAcg. Trabalha com Projetos em BIM, treinamentos e palestras por todo o Brasil. Certificado Autodesk – Profissional e proprietário da ProjetoAcg como Centro Autorizado Autodesk.

Comentários