Por que o projeto luminotécnico é tão importante?
3 minutos de leitura
30 de agosto de 2018

Por que o projeto luminotécnico é tão importante?

IPOG, Projeto luminotécnico

Em um passado não muito distante, acreditava-se que o projeto luminotécnico era o último a ser contemplado nas etapas de idealização de um projeto arquitetônico. Primeiro se concebia o layout da obra por completo, para só depois se pensar na aplicação da luz.

No entanto, com a rapidez que se observam as evoluções e soluções tecnológicas, a luz ganhou um protagonismo desde os primeiros esboços. Pensar no seu melhor aproveitamento e nas formas de se beneficiar dela estimulou, inclusive, a formação de um novo profissional: o Lighting Designer.

Quais as vantagens de se investir em um projeto luminotécnico?

  • Criar diferentes cenários para um mesmo ambiente;
  • Melhorar o aproveitamento da luz ou oferecer a solução ideal na sua ausência;
  • Utilizar soluções eficientes e menos onerosas ou poluentes;
  • Personalizar ambientes e imprimir a sua marca.

A arquitetura e o projeto luminotécnico

Quando o arquiteto inicia um projeto, uma das primeiras etapas é a de análise da incidência solar. Partindo da forma como tal projeto vai ser beneficiado pelo sol é possível já se vislumbrar quais ambientes vão, necessariamente, depender de um projeto luminotécnico mais cuidadoso.

Ambientes que recebem a incidência solar também vão precisar de atenção, obviamente. Até porque a noite chega para todos os cômodos! No entanto, aqueles que precisam de um reforço, inclusive durante o dia, vão obrigatoriamente exigir soluções mais econômicas e de melhor resultado.

Um escritório, por exemplo, que não conta com o reforço da luz do sol, vai precisar adotar soluções de iluminação mais eficientes para garantir a produtividade dos seus trabalhadores. Portanto, pensar no projeto luminotécnico é parte crucial da idealização do projeto arquitetônico como um todo.

É neste contexto que se insere o profissional especializado em utilizar a luz de forma estratégica, o já mencionado Lighting Designer. Ele é responsável pela conjunção da arquitetura com os benefícios da luz, tornando o espaço mais rico e primoroso.

Seu olho clínico é crucial para imaginar como a luz pode modificar o ambiente, e como ela pode oferecer uma estética ainda melhor ao espaço.

Os diferentes aproveitamentos da luz nos projetos luminotécnicos

No entanto, para cada tipo de arquitetura se raciocina a luz de uma forma. Ou seja, uma arquitetura esportiva, necessita de uma luz mais direta, que é totalmente diferente de uma luz residencial, que prima pelo conforto visual, na maioria dos ambientes. Por isso se justifica a importância de um profissional capaz de identificar as necessidades de cada ambiente.

Pensar em um projeto luminotécnico não se restringe apenas a escolher o melhor uso para a lâmpada, mas pensar no uso da luz de forma intencional, para tornar o ambiente mais bonito, seguro, agradável e eficiente”, afirma o arquiteto e coordenador do MBA Design de Interiores e do Master em Arquitetura e Lighting do IPOG, Lorí Crízel.

Assim, pode-se compreender que o objetivo de qualquer projeto luminotécnico é andar em conjunto com a arquitetura e corresponder às vontades dos clientes.

Pois cada ambiente tem sua alma e parte da sua alma é a luz”, ressalta Lorí.

Tipos de iluminação para se inspirar e fazer um projeto luminotécnico

Sempre que for pensar em um projeto luminotécnico, lembre-se que é aquele desenvolvido para complementar a iluminação natural presente no ambiente. Levar isso em conta poupa gastos excessivos com colocação de lâmpadas em ambientes abundantes de luz natural. O valor do projeto luminotécnico não está na quantidade de lâmpadas previstas, mas na sua eficiência e no atendimento ao proposto para aquele ambiente.

Iluminação difusa

Esse é o modelo mais comum de iluminação. Caracteriza-se pela lâmpada posicionada ao centro do ambiente, iluminando-o de forma uniforme e sem contrastes. Muito indicada para ambientes que se busca imprimir mais conforto visual como sala e quartos.

A iluminação difusa pode ser contemplada no projeto luminotécnico em conjunto com outras formas de iluminação, como a pontual, ou a cênica.

Iluminação direta

Esse tipo de iluminação concentra o foco de luz sobre um objeto, um ponto de visão ou uma superfície. Pode ser conquistada com uso de spots, de abajures ou luminárias. Esse recurso é muito utilizado quando pretende se dar um destaque especial para algum elemento, como uma obra de arte, por exemplo.

Iluminação indireta

A iluminação indireta é aquela que oferece uma ambientação mais confortável ao ambiente, quase um tom de meia luz. Geralmente é aplicada tendo alguma superfície como gesso para rebater o fluxo luminoso. Com isso, o que se vê é o reflexo da luz espalhando-se pelo ambiente, deixando-o mais intimista.

Agora que você já conhece os principais tipos de iluminação, que tal saber quais são os impactos de uma boa apresentação nos projetos de arquitetura? Conheça também os desafios da humanização dos espaços.


Artigos relacionados

Como fazer orçamentos com BIM? Muito tem se falado sobre a importância do método BIM. A partir dele é possível compatibilizar projetos, projetar um modelo virtual e ter diversas informações atreladas a ele. Essa possibilidade também contribui para um maior controle sobre o orçamento da obra...
Dia da Engenharia: Dicas de leitura para os profissionais da área Os profissionais de engenharia são geradores de ideias, sempre aplicando métodos e técnicas economicamente viáveis, com auxílio da matemática e das ciências. Buscam aliar as melhores condições de segurança ao menor custo, sendo requisitados em todas as áreas, ...
Alunas IPOG projetam ambiente na Morar Mais em Goiânia Quem for à Mostra Morar Mais por Menos deste ano em Goiânia, vai encontrar 27 ambientes distribuídos por 1300 m². Os espaços foram desenvolvidos por 47 profissionais (arquitetos, designers de interiores e paisagistas). Entre esses ambientes está o Lounge Ca...

Sobre Lorí Crízel

Arquiteto e Urbanista; Membro do Comitê Especial Europeu de Pós-Graduação tendo atuado em: Inglaterra, Escócia, País de Gales e França, entre outros; Coordenador de Cursos e do Programa de Viagens de Estudos Internacionais do IPOG; e Coordenador dos cursos de pós-graduação em Master em Arquitetura & Lighting e Design de Interiores - Ambientação e Produção do Espaço do IPOG.

Comentários