Acompanhamento farmacoterapêutico contribui para melhorar a saúde do paciente
3 minutos de leitura
20 de fevereiro de 2018

Como o acompanhamento farmacoterapêutico contribui para melhorar a saúde do paciente usuário de medicamentos?

Mesmo após as orientações realizadas por médicos durante uma consulta e pelo farmacêutico no momento da dispensação do fármaco, ainda não são suficientes para garantir que o paciente faça o uso correto dos medicamentos em casa. Para evitar qualquer problema de saúde decorrente ao uso indevido de medicamentos, o acompanhamento farmacoterapêutico é um serviço que tem o objetivo de evitar o uso inadequado do fármaco e melhorar a saúde do paciente.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o uso incorreto de medicamentos é um problema de saúde que atinge 50% dos usuários de medicamentos em todo o mundo.  Dados da Associação Brasileira das Indústrias Farmacêuticas (Abifarma) apontam que cerca de 20 mil pessoas morrem no País devido à prática da automedicação.

Se você tem o interesse de conhecer o que é esse serviço e como ele deve ser feito, nesse post vamos esclarecer tudo o que você farmacêutico precisa saber para realizar o acompanhamento farmacoterapêutico. Boa leitura!

O que é o acompanhamento farmacoterapêutico?

A Resolução nº 585/13 do Conselho Federal de Farmácia regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico com o objetivo de promover, proteger e recuperar a saúde do paciente. O acompanhamento farmacoterapêutico se enquadra como um serviço clínico executado por um farmacêutico e visa ajudar o paciente a fazer o uso correto de medicamentos para garantir a sua saúde, bem-estar e qualidade de vida.

O acompanhamento farmacoterapêutico integra o conjunto de práticas da atenção farmacêutica e busca os melhores resultados da farmacoterapia a partir de uma assistência próxima sobre uso correto do uso dos medicamentos, monitoramento frequente do tratamento e foco nas necessidades clínicas individuais do paciente.

Os principais problemas que comprometem o sucesso do tratamento farmacológico são:

  • Falta de adesão ao tratamento correto;
  • Associação de medicamentos com a automedicação;
  • Administração de doses por conta própria;

E essas práticas podem causar:

  • Falta de reposta ao tratamento;
  • Reações adversas;
  • Efeitos inesperados;
  • Interações e intoxicações medicamentosas;
  • Problemas de saúde;

A prática da automedicação que traz muitos prejuízos à saúde. E isso se agrava muito mais quando um paciente idoso ou com alguma doença crônica faz o uso incorreto de medicamentos.

Como é realizado o acompanhamento farmacoterapêutico?

No acompanhamento farmacoterapêutico, o farmacêutico realiza consultas periódicas com o paciente, monitora resultados e identifica problemas relacionados ao uso de medicamentos.

O atendimento farmacoterapêutico exige uma estrutura adequada e organizada em uma sala específica ou um consultório farmacêutico. O serviço deve ser oferecido com privacidade para garantir o conforto do paciente.

Acompanhamento farmacoterapêutico em 4 etapas:

1ª etapa:

A primeira consulta tem o objetivo de coletar dados do paciente sobre o seu histórico de saúde e de uso de medicamento e conhecer a sua rotina e necessidades clínicas. É importante verificar se o paciente fez consulta ao médico anteriormente e avaliar minunciosamente os medicamentos prescritos.

2ª etapa:

A partir da avaliação dos dados coletados na consulta, o farmacêutico identifica problemas relacionados ao uso dos medicamentos para traçar um plano de cuidados. Todas as informações coletadas e geradas para o paciente precisam ser documentadas.

3ª etapa:

O farmacêutico estabelece um plano de cuidado para apresentar ao paciente. Esse plano deve ser executado com o monitoramento do profissional de saúde. Oriente o paciente sobre o uso correto o medicamento e todas possíveis reações adversas, interações medicamentosas que podem ocorrer a partir do uso incorreto do fármaco.

É fundamental que o farmacêutico coloque no papel todas as orientações feitas oralmente, é um recurso imprescindível para que o paciente não esqueça ou confunda as instruções.

Também é muito importante trabalhar de forma integrada com o médico do paciente e reportar a ele o plano de cuidado e as intervenções sugeridas.

4º etapa:

Programar consultas periódicas para acompanhamento e avaliação de resultados.

O grande desafio é fazer com que o paciente faça uma adesão plena do plano de cuidado. O paciente precisa incorporar na vida dele a importância de fazer o uso correto do medicamento em casa, dando continuidade no tratamento de acordo com a recomendação do farmacêutico.

Competências e habilidades para realizar o acompanhamento farmacoterapêutico

O acompanhamento farmacoterapêutico é um serviço complexo que exige que farmacêutico seja especialista em Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica e tenha conhecimentos em fisiopatologia, farmacoterapia, farmacologia, interações medicamentosas e metodologias para acompanhamento dos pacientes.

Além disso, o profissional da saúde precisa ter excelente comunicação, empatia para se colocar no lugar do paciente e compreendê-lo melhor, atenção e estabelecer uma relação de cuidado.

O farmacêutico deve se concentrar no propósito do acompanhamento farmacoterapêutico: garantir excelentes resultados da farmacoterapia e contribuir com a saúde, bem-estar e qualidade de vida das pessoas a partir de uma terapia medicamentosa eficiente. É importante ressaltar que esse é um dos caminhos para a valorização do farmacêutico como profissional de saúde. Avante!

Se você gostou desse artigo, cadastre seu e-mail para receber conteúdos exclusivos sobre Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica.

 

 

Artigos relacionados

Para que serve a Avaliação Neuropsicológica? A Neuropsicologia é uma área de interface entre a Psicologia e a Neurologia. De um lado há o estudo detalhado do sistema nervoso e do outro há a análise do comportamento humano e dos processos psicológicos. A Neuropsicologia visa entender de que forma o fun...
4 carreiras para especialistas em Saúde Pública Foi-se o tempo em que concluir uma graduação era sinônimo de sucesso profissional. Cada vez o mercado de trabalho fica mais exigente e, para acompanhar o ritmo e não ficar de fora, é necessário se manter atualizado e tornar-se especialista em determinado assun...
Gestão em sistemas de saúde no Brasil: tudo que você precisa saber para atuar nesta área Ao mesmo tempo em que a saúde no Brasil se desenvolve com os avanços da tecnologia e da ciência, com novas instituições e tratamentos de saúde mais resolutivos, também temos um cenário de retrocesso, visto que muitas unidades de saúde se encontram em péssimas ...

Sobre Vandré Mateus

Farmacêutico há 19 anos pela Universidade Camilo Castelo Branco - SP; Mestre em Ciências da Saúde com ênfase em Atenção Farmacêutica; Especialista em Farmácia Hospitalar e Farmácia Clínica pela Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar; Capitão Farmacêutico do Hospital da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar; Consultor de empresas no Ramo Farmacêutico. Professor e coordenador dos cursos de pós-graduação em Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica e Farmácia Hospitalar & Serviços de Saúde do IPOG.

Comentários