Você conhece as novas regras para a utilização das técnicas de reprodução assistida?
4 minutos de leitura
31 de Janeiro de 2018

Você conhece as novas regras para a utilização das técnicas de reprodução assistida?

A infertilidade humana é um problema de saúde, e de acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge cerca de 20% dos casais, ou seja, 1 em cada 5 casais, têm ou terão dificuldades na procriação. Porém, a medicina consegue resolver esse problema com a aplicação das técnicas de reprodução assistida.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) publicou no fim do ano passado (novembro/2017) a Resolução CFM nº 2.168/2017 com as novas regras para a utilização das técnicas de reprodução assistida no Brasil. Você já sabe quais são essas novas regras? Então, se atualize nesse post. Boa leitura!

Reprodução Assistida

A Resolução CFM nº 2.168/2017 regulamenta e institui normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida. Esse método é realizado por uma equipe médica e tem o objetivo de ajudar o casal, seja homoafetivo ou não, ou uma mulher solteira a engravidar por meio da inseminação artificial, infertilização in vitro ou qualquer outra técnica mais adequada para a paciente.

Dados do 10º Relatório do Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio) mostram que o Brasil possui 160 serviços de reprodução assistida, que realizam a coleta de óvulos, transferência do embrião para o útero e inseminação do espermatozoide no óvulo.

Confira as principais regras que mudaram nessa nova resolução:

Doação voluntária de óvulos

Na resolução antiga só era permitido participar da doação de óvulos dois casais que estivessem juntos em um processo de trabalho para realizar a doação compartilhada de óvulos. Por exemplo, um casal que fez fertilização in vitro era amparado por outro casal que recebeu uma parte de óvulos. Agora, com a nova regra, uma mulher pode doar voluntariamente o seu óvulo. Essa mudança permite a agilidade nesse tipo de tratamento, já que antes isso era muito limitado.

Gestação de substituição (barriga solidária)

A mudança na resolução ampliou a participação de pessoas da família no processo de gestação de substituição, conhecida popularmente como barriga solidária.  Na norma anterior somente a mãe, a avó, tias, irmãs poderiam ceder o útero temporariamente. Com a nova regra, a filha ou a sobrinha com até quarto grau de parentesco são permitidas a participar desse processo. A filha pode doar o seu o útero para a sua mãe ter outro filho.

Isso funciona da seguinte forma: devido a algum problema de saúde, a mulher não pode engravidar ou até mesmo necessitou retirar o útero. Porém, ainda tem ovários. Com isso, ela pode se submeter a uma coleta ovular e esses óvulos serão fertilizados pelo sémen do seu parceiro. Então, a partir disso, o embrião gerado pelo casal biológico vai ser implantado no útero de substituição com até quarto grau de parentesco.

Criopreservação de embriões (Preservação de embriões congelados)

Na regra anterior, o tempo mínimo para o embrião ficar congelado em uma clínica era de 5 anos, após esse tempo poderia ser descartado. Com a norma atual, esse tempo de permanência de congelamento foi reduzido para 3 anos, caso seja a vontade dos pacientes expressa em termo de consentimento informado. Essa regra também é válida para embriões que foram abandonados pelo casal devido ao descumprimento contratual de manutenção na clínica, podendo então ser descartados a partir do 3º ano de congelamento.

Gestação compartilhada

A nova resolução permite também o uso das técnicas de reprodução assistida para relacionamentos homoafetivos e pessoas solteiras. Agora existe a possibilidade de duas mulheres coletarem o óvulo de uma das parceiras e inseminar com um sémen de um doador, e então, esse embrião será transferido para o útero da mulher, de modo que seja uma gravidez compartilhada.

Preservação social e oncológica

Outra nova regra de extrema relevância é a possibilidade de planejamento reprodutivo posterior levando em consideração a preservação social e oncológica da mulher.

A preservação social diz respeito às mulheres que desejam ter uma maternidade tardia devido a motivos sociais, como estudo, trabalho ou outro fator, mas se preocupam com a idade do óvulo e a dificuldade de engravidar futuramente. Com isso, a mulher pode realizar a técnica de congelamento de óvulos para preservar a sua fertilidade.

Já a preservação oncológica permite que mulheres com câncer congele seu material genético antes de iniciar a quimioterapia para conseguir engravidar após a cura do câncer.

A resolução em vigor também permite que mulheres com mais de 50 anos também possam recorrer ao processo de reprodução assistida, desde que os médicos atestem essa condição sem causar riscos à saúde.

Vale ressaltar a obrigatoriedade da aplicação do termo de consentimento livre e esclarecido para as pacientes submetidas às técnicas de reprodução assistida. Também é importante destacar que essa prática é proibida e passível de penalidades caso haja algum envolvimento de caráter comercial e lucrativo.

As novas regras evidenciam a maior preocupação da medicina com fertilidade da mulher devido ao seu atual estilo de vida e a concessão do desejo de ser mãe mesmo após a cura do câncer. No site do CFM você pode conferir a Resolução CFM nº 2.168/2017 na íntegra.

De forma geral, são essas as principais mudanças que favoreceram as técnicas de reprodução assistida. Se você é profissional da saúde, do Direito Médico ou atua na área da saúde, é de extrema importância acompanhar todas as atualizações de normas do CFM.

Também é fundamental que conheça todos os direitos, deveres e proteção jurídica do exercício profissional na área de saúde. Sendo assim, para ser um profissional capacitado e bem informado, conheça de pós-graduação em Direito Médico & Proteção Jurídica Aplicada à Saúde e construa uma carreira de sucesso.


Artigos relacionados

Perícias médicas judiciais: quais normas o perito médico deve cumprir? O último Relatório Justiça em Números, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), divulgou que em 2015 tramitaram mais de 854.000 demandas judiciais da saúde no Brasil. O fenômeno da judicialização da saúde nos mostra um mercado bastante promissor para quem quer s...
15 dicas para gerenciar custos em uma unidade de saúde Gerenciar os custos de uma unidade de saúde não é uma das tarefas mais fáceis. A ordem do atual cenário econômico é economizar. Os gestores de instituições de saúde encaram diariamente o desafio de gerenciar custos dos hospitais para garantir a sustentabilidad...
Como escolher o teste ideal para uma avaliação psicológica? Atualmente, existe um grupo grande de ferramentas dentro do campo de trabalho da Avaliação Psicológica. Entre elas, há um grupo de testes utilizados para avaliar de forma mais objetiva alguns aspectos psicológicos. Dentro desse grupo, destaque é dado aos chama...

Sobre Caroline Regina dos Santos

Mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, Doutoranda em Biotecnologia pela UFG, Conselheira da OAB-GO, Presidente da Comissão de Direito Médico, Sanitário e Defesa da Saúde, Coordenadora do MBA em Direito Médico e Proteção Jurídica Aplicada à Saúde do IPOG.

Comentários