Ipog na InterFORENSICS: desafios da análise de dispositivos móveis bloqueados e criptografados
2 minutos de leitura
25 de maio de 2017

Ipog na InterFORENSICS: desafios da análise de dispositivos móveis bloqueados e criptografados

O primeiro dia do maior evento integrado de Ciências Forenses da América Latina, a InterFORENSICS – Conferência Internacional de Ciências Forenses, contou com a palestra “Desafios da análise de dispositivos móveis bloqueados e criptografados”, apresentada pelo Engenheiro de Sistemas da Cellebrite, Marcelo Sala.

A Cellebrite é uma empresa global, presente em 120 países, especializada em desenvolver soluções avançadas para a análise forense em dispositivos móveis. As grandes forças de lei policiais e os órgãos mais importantes de inteligência no mundo, como o FBI, INTERPOOL e Polícia Federal brasileira, utilizam a tecnologia desenvolvida pela companhia. A Operação Lava Jato é um exemplo de investigação que utiliza uma ferramenta computacional da Cellebrite, a UFED Touch.

Os principais tópicos abordados na palestra apresentaram informações sobre o desbloqueio de telefones mais avançados por meio da modalidade de serviço CAIS (Cellebrite Advanced Investigative Services), a possibilidade de ter esse desbloqueio dos telefones em seu próprio laboratório e a correlação de múltiplos telefones, com diversas fontes de dados.

Em uma entrevista exclusiva para o IPOG, Marcelo Sala apresentou os principais desafios da análise de dispositivos móveis criptografados. Confira:

Quais são os principais desafios para a análise de dispositivos móveis criptografados?

A criptografia dos aparelhos mais novos é um grande desafio que vivenciamos.  A tecnologia evolui juntamente com os modelos de telefone, quanto mais novo o dispositivo, mais avançada é a criptografia.  Os maiores desafios são com os telefones Iphone 6 e7 e Galaxy 6, 7 e 8.

Quais são os principais softwares utilizados para descriptografar arquivos de dispositivos móveis bloqueados?

No caso da Cellebrite, é a própria extração do Cellebrite UFED Physical Analyzer que faz a descriptografia. Os perfis de extração do Physical Analyzer são um conjunto de scripts de descriptografia em uma linguagem de programação chamada de Python.

Quais as soluções que a perícia digital busca para uma investigação mais eficiente em dados criptografados?

Não tem muito segredo na criptografia. O dado está criptografado ou descriptografado. O processo é desembaralhar os dados que estão embaralhados. Quando eles já estão desembaralhados, utilizam-se outras ferramentas para fazer a leitura específica de alguma plataforma, como o WhatsApp ou provedores de e-mails.

Em breve postaremos mais informações das principais palestras da InterFORENSICS. Fique de olho e acompanhe!


Artigos relacionados

Ataque cibernético em escala global: confira as principais informações sobre o crime Vivenciamos o maior ataque cibernético dos últimos tempos. Mais de 150 países foram atingidos e mais de 300 mil computadores foram invadidos. Órgãos do governo, hospitais, universidades e empresas de todo o mundo ficaram reféns de criminosos virtuais.Nos E...
Perícia Audiovisual: entenda como funciona a investigação em áudios, vídeos e imagens A maioria dos crimes cometidos hoje em dia, como roubos, homicídios, sequestros, pedofilia, tráfico de drogas e corrupção política, entre outros, possui registros e evidências em diversas mídias eletrônicas. A análise forense é responsável pela investigação de...
Sistema IPED: Conheça as principais funcionalidades do software utilizado na investigação da Operaç... A Operação Lava Jato, maior investigação contra a corrupção e lavagem de dinheiro do sistema político do Brasil, conta com o trabalho especializado de mais de 100 peritos federais, que a cada etapa do caso, enfrentam novos desafios.A atuação da Polícia Fed...

Sobre Assessoria de Comunicação

Equipe de produção de conteúdo.

Comentários