Ipog na InterFORENSICS: desafios da análise de dispositivos móveis bloqueados e criptografados
2 minutos de leitura
25 de maio de 2017

Ipog na InterFORENSICS: desafios da análise de dispositivos móveis bloqueados e criptografados

O primeiro dia do maior evento integrado de Ciências Forenses da América Latina, a InterFORENSICS – Conferência Internacional de Ciências Forenses, contou com a palestra “Desafios da análise de dispositivos móveis bloqueados e criptografados”, apresentada pelo Engenheiro de Sistemas da Cellebrite, Marcelo Sala.

A Cellebrite é uma empresa global, presente em 120 países, especializada em desenvolver soluções avançadas para a análise forense em dispositivos móveis. As grandes forças de lei policiais e os órgãos mais importantes de inteligência no mundo, como o FBI, INTERPOOL e Polícia Federal brasileira, utilizam a tecnologia desenvolvida pela companhia. A Operação Lava Jato é um exemplo de investigação que utiliza uma ferramenta computacional da Cellebrite, a UFED Touch.

Os principais tópicos abordados na palestra apresentaram informações sobre o desbloqueio de telefones mais avançados por meio da modalidade de serviço CAIS (Cellebrite Advanced Investigative Services), a possibilidade de ter esse desbloqueio dos telefones em seu próprio laboratório e a correlação de múltiplos telefones, com diversas fontes de dados.

Em uma entrevista exclusiva para o IPOG, Marcelo Sala apresentou os principais desafios da análise de dispositivos móveis criptografados. Confira:

Quais são os principais desafios para a análise de dispositivos móveis criptografados?

A criptografia dos aparelhos mais novos é um grande desafio que vivenciamos.  A tecnologia evolui juntamente com os modelos de telefone, quanto mais novo o dispositivo, mais avançada é a criptografia.  Os maiores desafios são com os telefones Iphone 6 e 7 e Galaxy 6, 7 e 8.

Quais são os principais softwares utilizados para descriptografar arquivos de dispositivos móveis bloqueados?

No caso da Cellebrite, é a própria extração do Cellebrite UFED Physical Analyzer que faz a descriptografia. Os perfis de extração do Physical Analyzer são um conjunto de scripts de descriptografia em uma linguagem de programação chamada de Python.

Quais as soluções que a perícia digital busca para uma investigação mais eficiente em dados criptografados?

Não tem muito segredo na criptografia. O dado está criptografado ou descriptografado. O processo é desembaralhar os dados que estão embaralhados. Quando eles já estão desembaralhados, utilizam-se outras ferramentas para fazer a leitura específica de alguma plataforma, como o WhatsApp ou provedores de e-mails.

Em breve postaremos mais informações das principais palestras da InterFORENSICS. Fique de olho e acompanhe!

Artigos relacionados

Como é feita a análise forense do Sistema Operacional Windows? Visto que todo computador necessita de um sistema para iniciar suas funções, você já parou para pensar como os peritos digitais investigam crimes em sistemas operacionais? Se você tem interesse em saber mais sobre esse assunto, nesse artigo vou esclarecer como...
Crimes virtuais de pornografia infantil na mira de peritos criminais É fato que as novas tecnologias contribuem para a agilidade nas investigações de crimes cibernéticos. Mas também provocam um grande aumento de crimes virtuais, principalmente contra crianças e adolescentes.. De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infân...
Impressão Digital: uma biometria realmente segura e com ampla utilização Você sabia que os sistemas biométricos de identificação vêm sendo usados em larga escala em nossa sociedade? A impressão digital, por exemplo, é comumente utilizada para verificação de identidade em academias de ginástica, em smartphones ou notebooks,  saques ...

Sobre Assessoria de Comunicação

Equipe de produção de conteúdo.

Comentários