UFED Touch Ultimate: solução para a investigação forense
3 minutos de leitura
10 de novembro de 2017

UFED Touch Ultimate: conheça a solução completa da Cellebrite para a investigação forense em dispositivos móveis

Existem muitas soluções no mercado que proporcionam a extração, análise de dados, desbloqueio, descriptografia de dispositivos móveis, como: tablets, smartphones, GPS, cartões de memória. A Cellebrite é referência global em soluções forenses para as forças de lei acessar a inteligência digital, extrair e analisar dados em profundidade dos dispositivos móveis. Uma tecnologia forense da companhia com destaque mundial para a investigação em dispositivos móveis é a UFED Touch Ultimate. Nesse artigo você vai conhecer as principais aplicações e recursos dessa ferramenta. 

Investigação forense em dispositivos móveis

A  perícia forense em celulares permite, por meio de equipamentos e softwares forenses, obter e analisar dados em e-mails, mensagens instantâneas, fotos, vídeos, entre outras mídias armazenadas no aparelho.

Desde uma simples análise de uma mensagem trocada entre uma pessoa e outra, mesmo estando deletada, com o apoio de equipamentos e softwares de investigação forense em dispositivos móveis pode possível verificar o local que a pessoa envolvida na investigação estava em certo dia e horário. Isso permite checar a veracidade de um depoimento, por exemplo.

A demanda por esse tipo de investigação tem crescido a cada dia no Brasil e já permitiu muitas condenações. As forças de lei do Brasil, como a Polícia Federal, Estadual, Civil, Institutos de Criminalística, investem continuamente para estar munida da melhor tecnologia de ponta para a investigação forense digital.

UFED Touch Ultimate

É uma tecnologia forense universal de extração, decodificação e análise de dados em smartphones, tablets, cartões de memória e GPS com velocidade e precisão, sendo possível, em alguns casos, acessar dados de dispositivos bloqueados, criptografados ou apagados.  Extrai diversos tipos de dados, como mensagens trocadas em aplicativos compatíveis com a solução, registros de chamadas, fotos, vídeos e localização.

É referência em investigações de órgãos policiais do mundo, o FBI, INTERPOOL e a Polícia Federal brasileira são exemplos de organizações que utilizam essa tecnologia para elucidação de crimes a partir de evidências encontradas em dispositivos móveis.

A ferramenta possui uma interface gráfica intuitiva com tecnologia touchscreen e é compatível com mais de 17 mil tipos de aparelhos de diferentes versões e sistemas operacionais e até mesmo com dispositivos ”alternativos”, que são aparelhos genéricos, sem marca.

Essa solução para investigação forense em dispositivos móveis contem os seguintes recursos:

UFED Physical Analyzer – software para análise forense dos dados extraídos dos dispositivos móveis e emissão de relatório da análise.

UFED Phone Detective – identificação automática do modelo e características técnicas do dispositivo a ser analisado.

UFED Reader – aplicativo para compartilhamento do relatório de análise com usuários que não tem acesso ao UFED Touch Ultimate.

Essas são os principais recursos do UFED Touch Ultimate para a investigação forense móvel da Cellebrite que auxiliam os peritos do Brasil e do mundo na investigação de crimes cibernéticos. A empresa também desenvolve soluções para investigação forense em nuvem.

Todos os anos surgem novos modelos de dispositivos móveis com tecnologia mais avançada. De acordo com o Engenheiro de Sistemas da Cellebrite, Marcelo Sala, um dos principais desafios da análise de dispositivos móveis é a criptografia dos aparelhos mais novos.

Para combater crimes cibernéticos, os peritos digitais precisam se capacitar e acompanhar as tecnologias forenses constantemente para terem condições e compreensão plena das ferramentas disponíveis no mercado para realizar as análises forenses com segurança e acuracidade.

Existem muitos outros softwares no mercado que colaboram com diferentes tipos de investigações e em diferentes sistemas operacionais e equipamentos, como computadores e HD’s. Um grande exemplo é Sistema IPED,  software desenvolvido por peritos da Polícia Federal do Brasil para contribuir com as investigações da Operação Lava Jato.

Outro software que merece destaque é o NuDetective. A ferramenta foi desenvolvida para contribuir com as investigações suspeitas de pedofilia por meio da detecção automática de nudez e pornografia infantil em arquivos armazenados em computadores, HDs, pen drives, cartões de memória e celulares.

Quer conhecer outros equipamentos e softwares forenses utilizados no Brasil e exterior? Então leia o artigo: Conheça as principais ferramentas utilizadas na investigação forense computacional.

 

 


Artigos relacionados

Cibercrime: como enfrentar e prevenir ataques virtuais? A rede de criminalidade virtual, ou cibercrime, rompeu limites territoriais e está presente em todo o mundo. As invasões são constantes e a um nível elevado. É um perigo ubíquo, que está espalhado em qualquer lugar e pode invadir diversas mídias, como celulare...
Computação Forense: como investigar em nuvem? A nuvem é um modelo computacional que armazena dados sem a necessidade de um espaço em hardware, mas sim de forma virtual, na internet. Além disso, permite o acesso de qualquer lugar do mundo por meio de um dispositivo eletrônico com conexão à internet. Estud...
O que é a metodologia Lean Healthcare e como ela pode ajudar a melhorar os serviços de saúde? Para garantir um alto padrão de qualidade em uma instituição de saúde, o gestor precisa enfrentar desafios e inovar nos processos para conseguir crescer e manter o negócio nesse mercado complexo. A metodologia Lean Healthcare tem contribuído na gestão para res...

Sobre Pedro Monteiro

Graduado em Engenharia de Computação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e mestre em Ciências da Computação e Matemática Computacional pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como Perito Criminal Federal na área de Informática desde 2006. É autor da Ferramenta Forense NuDetective, que auxilia na identificação de arquivos de pornografia infanto-juvenil em computadores. É professor da pós-graduação em Perícia Criminal & Ciências Forenses do IPOG.

Comentários