Computação Forense: como investigar em nuvem?
3 minutos de leitura
01 de agosto de 2017

Computação Forense: como investigar em nuvem?

A nuvem é um modelo computacional que armazena dados sem a necessidade de um espaço em hardware, mas sim de forma virtual, na internet. Além disso, permite o acesso de qualquer lugar do mundo por meio de um dispositivo eletrônico com conexão à internet.

Estudos da Gartner, empresa americana de consultoria em tecnologia, estimam que o investimento em nuvem para esse ano das empresas brasileiras pode girar em torno de US$ 4,5 bilhões. É uma tecnologia que conquista empresas e pessoas por seus benefícios de armazenamento de dados.

Os principais benefícios para a utilização da computação em nuvem são:

  • Facilidade de acesso e compartilhamento de dados;
  • Redução de custos com hardwares e infraestrutura computacional para armazenamento e gerenciamento de dados;
  • Contratação do serviço por tipo de necessidade e demanda;
  •  Mobilidade e flexibilidade para acessar arquivos;
  • Elasticidade no armazenamento de arquivos conforme a demanda sem sobrecarregar servidores;

Já publicamos no blog os principais serviços de computação em nuvens. Confira!

A nuvem também é um ambiente vulnerável para a prática de crimes virtuais. Por isso é fundamental ter cuidados e investir em segurança digital.

A computação em nuvens se tornou um desafio maior para a perícia digital se comparado com as investigações em mídias físicas. Pois é um sistema que está conectado em todo o mundo, com uma infinita capacidade de armazenamento, e isso dificulta a identificação e análise de dados.

As técnicas de investigação da computação forense avançam conforme a complexidade de casos de crimes cibernéticos. O perito especializado em Computação Forense deve estar preparado para identificar, coletar, armazenar e analisar os crimes virtuais em nuvem.

Como investigar em nuvem?

A investigação forense em nuvem necessita de metodologias, procedimentos e ferramentas para a obtenção de resultados concretos com valor probatório.

Conheça os procedimentos necessários para realizar uma investigação forense em nuvem:

  1.  Identifique o provedor de nuvem que precisa ser investigado;
  2. Utilize um computador conectado à internet;
  3. Acesse a conta de armazenamento em nuvem utilizando login e senhas fornecidas pelo suspeito ou encontradas em arquivos pessoais ou outros meios;
  4. Utilize softwares para capturar telas do processo e tráfegos de rede;
  5. Verifique todos os arquivos disponíveis, datas e horários de acessos, computadores, usuários e IP’s associados.
  6. Faça uma cópia dos arquivos verificados no passo anterior;
  7. Analise os arquivos e dados salvos;
  8. Produza o laudo pericial com base na análise feita anteriormente;

Em empresas a perícia é feita com a liberação pelo provedor da nuvem.  Em casos de mandatos judiciais de busca e apreensão, a coleta de dados depende muito da lei do país do servidor em nuvem.

Desafios em nuvem

Coletar dados em nuvem não é simples. Confira os principais desafios enfrentados pelos peritos para investigação forense em nuvem:

  • Os arquivos podem estar em qualquer país do mundo. E como cada nação possui a sua lei, essa é uma barreira que precisa ser enfrentada. Para a polícia brasileira investigar um caso em uma nuvem de um servidor de outro país, pode ser necessário acionar a polícia internacional.
  • Grande volume de dados e a utilização de ferramentas específicas para contribuir com a extração e análise.
  • Grande quantidade de dispositivos que acessam a nuvem, como celulares, tablets e computadores;
  • Atuar legalmente para não infringir leis e a privacidade do usuário;
  • Trabalhar em conjunto de diversas funções e profissionais, como exemplo: peritos digitais, profissionais de Tecnologia da Informação, especialista em direito digital para acompanhamento jurídico;
  • Garantir um compromisso contratual firmado com o provedor de serviço em nuvem para a investigação;
  • Conseguir colaboração internacional na investigação de casos em outros países;

Qual software forense é indicado para a investigação em nuvem?

Para acelerar as investigações em nuvem e fornecer um maior e mais rápido acesso de dados, os peritos digitais precisam contar com o apoio de softwares com tecnologia forense. Confira os principais recursos de uma ferramenta que é referência no mundo para esse tipo de perícia:

UFED Cloud Analyzer

O UFED Cloud Analyzer é um software da Cellebrite que realiza a extração, preservação e análises de dados privados em contas de redes sociais, como o Facebook, Twitter e Instagram, e-mails e de diversos arquivos armazenados em nuvem.

O programa coleta, organiza e prepara os dados encontrados em nuvem para a análise forense.  Os peritos digitais podem pesquisar, filtrar e classificar dados para encontrar as informações detalhadas para a investigação. Além disso, permite a extração rápida e a integração de dados privados para uma futura análise.

O UFED Cloud Analyzer também acessa e extrai os dados em nuvem de dispositivos móveis e quebra bloqueios de senha e criptografia.  Para garantir e autenticidade e preservar dados forenses, o programa registra e rastreia todo o processo investigativo. O software gera uma visualização dos arquivos em formato de linha cronológica, miniaturas e mapas e cria relatórios em PDF de fácil leitura e compreensão.


Artigos relacionados

Balística Forense: perícia em armas de fogo e munições A arma de fogo é um dos principais instrumentos utilizados para perpetrar homicídios. De acordo com o Atlas da Violência 2017, estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2015, 71% dos c...
Segurança e privacidade em Internet das Coisas (IoT): como aumentar a confiança do usuário? É fato que a forma de interação física em todo o mundo mudou. Hoje, as casas estão automatizadas, a iluminação, temperatura, TV's, fechaduras e portas podem ser controladas por um smartphone, geladeiras sinalizam a necessidade de abastecimento de alimentos. Es...
IAFS 2017: principais contribuições do evento para a área de Ciências Forenses O 21º Encontro Trienal da Associação Internacional de Ciências Forenses (IAFS) aconteceu de 21 a 25 de agosto, em Toronto, Canadá. Quer saber como foi o evento e as e as principais contribuições para a área das ciências forenses? Então você precisa ler esse ar...

Sobre Walber Pinheiro

Doutorando em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa em Porto (Portugal) e coordenador do curso de Computação Forense e Perícia Digital do IPOG.

Comentários