Perito em documentoscopia: quais competências são importantes
3 minutos de leitura
11 de setembro de 2017

Quais as competências profissionais de um perito em documentoscopia?

Estamos vivendo uma era de informatização de nossas vidas: nossas atividades, trabalhos e relacionamentos. Mesmo assim, ainda continuamos a usar, em nosso dia a dia, documentos físicos, tanto cédulas de papel quanto cartões plásticos com chip eletrônico e tarja magnética. Por isso, um perito em documentoscopia tem se mostrado tão importante.

Nossa sociedade ainda levará um longo tempo para chegar a um estágio em que todas as pessoas disponham de equipamentos informatizados e tenham acesso à rede mundial de computadores em tempo integral, sem interrupções e em qualquer lugar do planeta. Até lá, dependeremos de documentos físicos para nos identificarmos e para comprovarmos acontecimentos, direitos e obrigações.

Fraudes documentais

Consequentemente, as fraudes documentais continuarão a ocorrer por muito tempo ainda, e não parece haver uma tendência à sua diminuição, apesar da grande evolução que os fabricantes de documentos têm proporcionado aos seus produtos no tocante à segurança contra falsificações e alterações.

Fraudes dessa natureza precisam ser identificadas, para que se reduzam os prejuízos causados às vítimas e também para que se descubram seus autores, punindo-os conforme a lei.

Qual o trabalho do perito em documentoscopia?

O papel do perito em documentoscopia consiste em verificar a autenticidade dos documentos por ele examinados, ou seja, confirmar se eles foram realmente produzidos (ou ao menos emitidos) pela pessoa, órgão, empresa ou entidade a quem são atribuídos.

Para isso, o perito precisa ser capaz de decifrar a “história” do documento, descobrindo quem o produziu, quando e com que meios. O trabalho do perito, portanto, é muito mais complexo e abrangente (e instigante) do que uma mera observação das características e informações do documento. É uma investigação minuciosa, feita em todos os seus constituintes: suporte (papel), tintas, manuscritos, selos e marcas de carimbo, por exemplo.

Mas também é uma avaliação dos sistemas gráficos empregados, do estilo redacional de seu autor e da consistência das informações nele contidas, em relação ao suposto emissor, ao propósito do documento e à época em que ele supostamente foi produzido.

Competências profissionais de um perito em documentoscopia

Nota-se, portanto, que o perito em documentoscopia precisa ser profundo conhecedor sobre diversos aspectos de documentos. Dentre todas as ciências forenses, a documentoscopia é uma das áreas mais diversificadas em termos de conhecimentos aplicados.

Por essa razão, a formação de um perito em documentos exige um curso multidisciplinar, que aborde as mais diversas áreas do conhecimento, como química, eletrônica, artes gráficas, história, direito, grafoscopia e muitas outras. Além disso, o perito precisa desenvolver a capacidade de observar detalhes e interpretar corretamente suas observações.

Como o IPOG contribui para o seu desenvolvimento profissional?

O curso pós-graduação em Perícia Criminal e Ciências Forenses do IPOG oferece dois módulos exclusivos de perícias documentoscópicas. Consideramos um diferencial do nosso curso a possibilidade de apresentar aos alunos uma grande quantidade e variedade de conhecimentos multidisciplinares, expostos de forma didática e sempre relacionados com sua utilidade prática para a realização de perícias documentoscópicas.

Esse diferencial se deve à alta carga horária dispensada ao estudo da documentoscopia e grafoscopia e aos professores atuantes, que possuem não apenas profundo conhecimento acadêmico, mas também uma grande experiência prática, podendo assim ministrar suas aulas de forma objetiva e eficiente, visando à capacitação de seus alunos para o efetivo exercício desta que é uma das mais fascinantes áreas da Criminalística.

Esse conhecimento permitirá atuar como perito judicial em causas cíveis, e como assistente técnico das partes, tanto em causas cíveis quanto nas criminais, num mercado que está muito carente de bons profissionais.

 


Artigos relacionados

Entrevista com Jesus Antônio Velho, autor do livro “Ciências Forenses: uma introdução às principais ... A obra “Ciências Forenses: uma introdução às principais áreas da Criminalística Moderna”, referência para profissionais e estudantes das Ciências Forenses, chegou em sua terceira edição. A publicação apresenta os fundamentos e a inter-relação de Ciências Foren...
Computação Forense: como investigar em nuvem? A nuvem é um modelo computacional que armazena dados sem a necessidade de um espaço em hardware, mas sim de forma virtual, na internet. Além disso, permite o acesso de qualquer lugar do mundo por meio de um dispositivo eletrônico com conexão à internet. Estud...
Profissional de TI: descubra como impulsionar a sua carreira em 2018 Está na hora de você dar um grande passo na sua carreira: ir além da prática técnica e conquistar cargos de Gestão em TI. Na mesma proporção que a Tecnologia da Informação continua a expandir. Um profissional de TI com expertise técnica e de gestão é altamente...

Sobre Samuel Feuerharmel Feuerharmel

Graduado em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Federal de Santa Maria (1987) e especialista em Docência Universitária pela Faculdade Lions de Goiânia (2009). Atua como Perito Criminal Federal desde 2002 e como professor e conteudista em cursos de formação profissional e de especialização em Documentoscopia da Academia Nacional de Polícia (ANP/PF) e em cursos de pós-graduação do IPOG. Coordenador e coautor do livro Documentoscopia, aspectos científicos, técnicos e jurídicos (Ed. Millennium, 2014). Autor do livro Análise grafoscópica de assinaturas  (Ed. Millennium, 2017).

Comentários