2 minutos de leitura
14 de junho de 2017

Conheça os principais desafios para mobilização de recursos no terceiro setor

Terceiro Setor, projetos sociais, recursos

Captação de recursos é um desafio para quase todos os projetos sociais, que envolve o terceiro setor – inclusive para nós, do Instituto Phi. Se, por um lado, há muitos recursos excedentes para serem mobilizados para o projeto, por outro não é fácil saber como chegar a eles.

Na nossa atividade diária notamos que muitos projetos não captam por repetirem os mesmos erros simples. Reunimos alguns conselhos básicos que consideramos que podem ajudar muito o processo de mobilização e recursos. Seguem:

Não pare de captar nunca

Captar é construir relacionamentos e construção de relações demanda tempo. Por isso, captar não deve ser uma atividade esporádica, um remédio para a crise, mas algo permanente. A captação contínua também deve estar voltada para diversificar as fontes de doação. Se você se contenta com um ou pouco doadores, pode enfrentar dificuldades no futuro. Se busca permanentemente diversificar, fica mais protegido de variações.

Tenha um material de comunicação de qualidade

A atividade principal de um projeto voltado para o terceiro setor é buscar a melhoria de um problema social. Porém, comunicar com qualidade, muito embora não seja o principal objetivo, não deve ser tratado como algo secundário.

Um material de comunicação de qualidade é a primeira impressão que o futuro doador terá do seu projeto. Por isso, busque alternativas para ter algo bonito e bem informativo. Um designer de qualidade pode resolver essa questão. Se não tiver recursos para contratar um, procure alguém que faça o trabalho “pro bono”.

Seja acessível para o seu doador

Tenha um endereço de e-mail simples, facilmente memorizável e responda ele com rapidez e clareza. Atenda o celular ou retorne as ligações. Oportunidades de doação vêm do nada e ser acessível pode garantir que você as aproveite.

Não espere faltar recursos

Como captar recursos no terceiro setor é uma ação de longo prazo, nada pior do que fazê-lo com a corda no pescoço. Se antecipe à falta, crie um fundo de reservas, não abra mão de uma situação financeira que te dê tempo para esperar a maturação das doações. Captar para “apagar incêndio” pode até dar certo no longo prazo, mas não tem perenidade.

Tenha um orçamento definido

Antes de sair buscando recursos, entenda exatamente o que você quer e o que precisa. O ponto inicial para chegar a isso é ter um orçamento bem definido, antes mesmo do ano começar. Também é importante saber quanto custam as obras e os seus “sonhos”.

Leia também:

Sobre Marcos Pinheiro

Diretor de Projetos e Relação com Investidor do Instituto Phi e apoiador do curso de MBA Gestão e Liderança do Terceiro Setor do IPOG.

Comentários