Importância de se dominar a Supply Chain e aproveitar as oportunidades de mercado
3 minutos de leitura
12 de março de 2018

Importância de se dominar a Supply Chain e aproveitar as oportunidades de mercado

Na Supply Chain, ou cadeia de suprimentos, é feita a análise desde a extração da matéria prima até a entrega do produto final ao consumidor. Todos os processos pelos quais aquela matéria prima passa estão previstos na cadeia de suprimentos, e no seu desenho logístico.

O grande desafio do profissional de logística da atualidade está em gerenciar, com eficiência, todas as etapas desse processo, garantindo agilidade e redução de custos de transporte que vão incidir diretamente no preço final do produto. Complexo né? Por isso, desenvolvi e coordeno o MBA Logística, Supply Chain e Transportes do IPOG.

Eficiência da Supply Chain

Se o fornecedor imprime agilidade no transporte da matéria prima, ele consegue realizar a entrega dentro do prazo, e com custo mais vantajoso. Saber gerir de forma inteligente esse processo é um diferencial fundamental para o gestor responsável pela condução da cadeia de suprimentos.

Outra parte crucial do processo é saber fazer uma boa gestão de estoque. Trabalhar com estoque cheio é ter dinheiro parado na empresa. O ideal é fazer a reposição com frequência e ter um estoque abaixo da sua capacidade. Para isso, é preciso conhecer a dinâmica do seu fornecedor, ter conhecimento sobre prazos de entrega para nunca parar a linha de produção por falta de insumos.

Uma dica importante para ter uma relação saudável com seus fornecedores é levá-los para uma visita à fábrica e apresentá-lo aos processos produtivos. Assim, ele terá a noção real da importância da matéria prima que fornece para a fabricação do produto. Cria-se vínculo e comprometimento.

Modais envolvidos na cadeia de suprimentos

Ao analisarmos a cadeia de suprimentos, o transporte é um dos principais itens, bem como o mais desafiador deles. No Brasil, o ranking dos modais de acordo com a predominância do uso é a seguinte:

Fonte EPL – http://www.epl.gov.br/transporte-inter-regional-de-carga-no-brasil-panorama-2015

O gestor da cadeia de suprimentos depende da eficiência de tais modais e da escolha mais eficiente para organizar a circulação de matérias primas até escoamento do produto final ao seu mercado consumidor. Uma missão desafiadora que esbarra em questões infraestruturais e muitas vezes têm pela frente que lidar com a precariedade das rodovias e da ineficiência (morosidade) dos portos brasileiros para conseguir atingir seus objetivos.

Supply Chain na prática – Um estudo de caso

Agora que apresentamos as bases da Supply Chain, cadeia de suprimentos, vamos partir para um exemplo prático que detalha o seu funcionamento. Para isso, escolhemos falar da cadeia produtiva da cerveja.

Da manipulação da água, lúpulo, cereais malteados e leveduras nasce uma das bebidas mais aclamadas pela humanidade: a cerveja. Imagine quantas etapas estão contempladas até que a bebida chegue ao copo do consumidor? Quantos controles de estoque são necessários para garantir que a cervejaria mantenha sua produção inalterada?

“Por analogia, podemos dizer que o gestor da cadeia de suprimentos atua como se fosse o maestro de uma orquestra coordenando vários instrumentos que precisam estar em perfeita sincronia.”

Lembre-se sempre:

  1. Todo estoque parado é um desperdício de dinheiro;
  2. Invista no treinamento de seus fornecedores para que eles entendam a complexidade da sua linha de produção;
  3. Sempre estabeleça relações ganha-ganha. Quanto mais equalizada estiver a cadeia de suprimentos, melhor será sua rentabilidade

Desafios da infraestrutura brasileira

Um dos grandes desafios do cenário nacional é trabalhar com o chamado “custo Brasil”, elevado pela falta de investimentos maciços em infraestrutura. Portanto, o investidor se sente desestimulado diante dos obstáculos para escoar sua produção. Com isso, perdemos competitividade diante de nações que não poupam recursos para aprimorar seus modais.

O setor do agronegócio, um dos principais geradores de riquezas, sente anualmente o impacto negativo diante do escoamento da produção. Ano após ano, o Brasil bate recordes de produção de soja. Só que cerca de 30% desta produção é perdida durante o transporte, o que faz com que o Brasil perca competitividade para os Estados Unidos.

Caso a soja brasileira contasse com a infraestrutura logística disponibilizada pelos Estados Unidos, seria muito mais barata. Quanto melhor for a nossa infraestrutura, mais riquezas iremos circular sem desperdício, e geraremos mais opções de arrecadação.

Um bom gestor tem que trabalhar com aquilo que está à sua disposição. Se eu não tenho boas rodovias no trajeto que preciso percorrer, preciso analisar outras opções. Isso vai depender do modelo logístico que esse gestor vai criar; quais rotas ele vai traçar.

É preciso acompanhar preços e custos de transportes. Estar ligado às condições de cada um dos modais e desenvolver uma visão dinâmica, pois a cada dia as coisas podem mudar.

 


Artigos relacionados

10 profissões em alta em 2018. Confira! O ano de 2018 promete ser de retomada na economia. Mesmo em passos lentos, o mercado volta a reaquecer. E as empresas anseiam por isso para retomar com a contratação de funcionários. Por isso, se você está por aí em busca de uma vaga de trabalho ou até mesmo p...
2018: o ano de superação da crise Quanto mais perto nos aproximamos do final de 2017 sentimos a necessidade de deixar para trás todas as dificuldades que este ano propiciou ao setor produtivo. Pois venho trazer boas notícias: quem sobreviveu a 2017 está preparado para iniciar um ciclo de prosp...
9 características de empreendedores de sucesso: qual delas você tem? O coordenador do MBA Empreendedorismo e Inovação do IPOG, Joe Weider, conduziu uma jornada empreendedora na capital goiana, e nós claro acompanhamos tudo para trazer para você os melhores momentos. Durante sua palestra, Joe fez um balanço sobre as principais c...

Sobre Edésio Lopes

Doutor engenharia civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na área de Infraestrutura Viária, onde também obteve o seu mestrado, graduado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É coordenador do MBA de Infraestrutura de Transporte e rodovias do IPOG; MBA Geociências e Geotecnologias; MBA Planejamento Urbano Sustentável; MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção. É colaborador na IDP engenharia (empresa sediada na Espanha) em projetos voltados para infraestrutura de transportes, logística e mobilidade urbana. Atuou por 9 anos como pesquisador no LabTrans/UFSC em projetos relacionados a infraestrutura de transporte em órgão federias e estaduais. Atuou como professor no setor de Geodésia no departamento de engenharia civil da UFSC e trabalhou no Laboratório de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto em projetos de auxílio à execução de planos diretores municipais.

Comentários