Uma visão geral sobre os modais brasileiros. Entenda
3 minutos de leitura
02 de maio de 2018

Uma visão geral sobre os modais brasileiros

Quer saber tudo sobre os modais brasileiros? Então este post é para você! É inegável o quanto os transportes são importantes nos processos de fluxo de pessoas e mercadorias. Quando se trata de um sistema ágil e prático então, os benefícios são muitos: vai desde a velocidade e a segurança na mobilidade de pessoas até a contribuição à economia devido o transporte de produtos e mercadorias.

Atualmente são cinco os tipos de transportes existentes: rodoviário, ferroviário, aquaviário, aeroviário e o dutoviário. Também chamados de “modais”, estes se apresentam em diferentes níveis de qualidade e desenvolvimento nos países, devido à situação financeira, clima e geografia de cada localidade.

Modais brasileiros

O Brasil conta com os cinco sistemas (rodoviário, ferroviário, aquaviário, aeroviário e dutoviário), no entanto, o país depende majoritariamente do modal rodoviário, que recebe a maior parte dos investimentos, apesar de ainda serem insuficientes.

Cerca de 60% de tudo que é transportado pelo país passa pelas rodovias. Quanto aos outros modais, não existem investimentos necessários que possam fortalecê-los. Como exemplo, o Brasil tem um sistema ferroviário muito abaixo do que realmente precisa ter; por mais que hajam muitos e grandes rios, o modal hidroviário é pouco utilizado, sendo mais adotado na região norte correspondente à área Amazônica.

Em relação ao dutoviário, existe basicamente o transporte de gás natural entre Brasil e Bolívia. E quando se considera o desenvolvimento do setor aeroviário, o país deu um salto nos últimos 15 anos, mas a movimentação ainda é muito pequena em relação a outros países, como Estados Unidos, por exemplo.

Obviamente são realidades diferentes, uma vez que o Brasil ainda não se encontra no mesmo patamar que o EUA. Contudo, mesmo quando se trata do modal mais utilizado na sociedade brasileira – o rodoviário – muitas são as deficiências e a falta de investimentos que resultam em rodovias mal cuidadas e impedem que tantas outras sejam duplicadas.

Há ainda o fato de se tratar de um modal que não possui eficiência energética, pois transportar cargas por rodovias é um processo caro, o que reforça a necessidade de o país investir em outros modais e garantir mais qualidade, segurança e diminuição dos custos logísticos no transporte de produtos e mercadorias.

Avanço: um processo demorado e que requer muita atenção e investimentos

Ao considerarmos o PIB, um número irrisório é investido na infraestrutura dos modais brasileiros. Enquanto que países, a exemplo da China, têm investido pesado. Tudo aquilo que é transportado gera um custo, nesse sentido, quanto mais eficiente for um sistema de transporte, mais barato será o processo de deslocamento dentro da cadeia de suprimentos (supply chain), o que consequentemente refletirá no custo final do produto.

Há muito a ser feito para avançar na infraestrutura e manutenção desses modais, um trabalho que não pode ser realizado em quatro, cinco anos, mas que requer investimentos contínuos para que a malha possa melhorar gradativamente.

Se faz importante, então, que cada Estado brasileiro firme o compromisso de investir em infraestrutura a fim de garantir eficiência e aceleração da economia.

Qual é o papel da educação e do conhecimento nesse processo?

A maioria das pessoas que trabalha com infraestrutura de transportes é da engenharia civil e da arquitetura. São profissionais que saem das faculdades sem conhecimentos importantes na área de geografia, portos, aeroportos, BIM, dentre outras.

Nesse sentido, esses cursos precisam se atentar à essas falhas para formar pessoas mais completas e preparadas que consigam lidar com a realidade brasileira.

Por outro lado, as especializações são importantes alternativas que conseguem sanar essas carências e proporcionar qualificação em áreas mais específicas.

Da mesma forma é com os profissionais que são responsáveis pela gerência e logística do fluxo de transportes. Ter conhecimento de qualidade é indispensável para aplicar conceitos, construir novas ideias e propor avanços e soluções.

O IPOG traz em sua grade de cursos especializações inovadoras, tais como o MBA Infraestrutura de Transportes e Rodovias, MBA Engenharia Ferroviária, Master BIM: Ferramentas de Gestão e Projeto e o MBA Logística, Supply Chain e Transportes.

São oportunidades para estudar os modais brasileiros e tudo aquilo que está relacionado a eles, bem como para levantar discussões, pesquisas e construção de conhecimentos que podem auxiliar no processo de investimento e avanço desses tipos de transportes.

Gostou desse conteúdo? Acesse os links disponíveis no texto e confira mais materiais sobre o tema!


Artigos relacionados

Logística: entenda a diferença entre o planejamento estratégico, tático e operacional Você sabe qual é a diferença entre o planejamento estratégico, tático e operacional? A área de logística é caracterizada pela responsabilidade de intermediar o produto da origem ao destino. E todos nós sabemos que o planejamento é essencial para alcançar esse ...
Liderança disruptiva: Uma forma compartilhada de exercer a condução de equipes O que um ex-general do Exército norte-americano e um professor do MIT (Masachusetts Institute of Technology) têm em comum? Ambos estão dedicando parte de suas vidas para desenvolverem o estudo da Liderança Disruptiva, tendo se transformado em poderosos porta v...
Oito dicas para realizar um bom Feedforward com seus liderados Com certeza por várias vezes você já ouviu falar sobre feedback, que é a resposta que o emissor tem a partir da reação que o receptor teve a sua mensagem. Mas, e o feedforward, você conhece? Ele está relacionado à capacidade de um líder de oferecer ideias e...

Sobre Edésio Lopes

Doutor engenharia civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na área de Infraestrutura Viária, onde também obteve o seu mestrado, graduado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É coordenador do MBA de Infraestrutura de Transporte e rodovias do IPOG; MBA Geociências e Geotecnologias; MBA Planejamento Urbano Sustentável; MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção. É colaborador na IDP engenharia (empresa sediada na Espanha) em projetos voltados para infraestrutura de transportes, logística e mobilidade urbana. Atuou por 9 anos como pesquisador no LabTrans/UFSC em projetos relacionados a infraestrutura de transporte em órgão federias e estaduais. Atuou como professor no setor de Geodésia no departamento de engenharia civil da UFSC e trabalhou no Laboratório de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto em projetos de auxílio à execução de planos diretores municipais.

Comentários