Infraestrutura de transportes e rodovias pode ajudar no crescimento do Brasil
2 minutos de leitura
21 de fevereiro de 2018

Como a infraestrutura de transportes e rodovias pode ajudar na retomada do crescimento do Brasil

Um dos principais desafios hoje no Brasil está centrado nos gargalos apresentados pela falta de infraestrutura de transportes e rodovias. Sempre procuro estabelecer um comparativo da eficiência dos modais brasileiros com a de países de mesmo porte territorial como Estados Unidos, China e Austrália, e fica nítido o quanto estamos atrasados neste sentido.

Nos Estados Unidos, por exemplo, todos os estados são interligados por rodovias duplicadas. Se isso fosse uma realidade por aqui, seria possível sair de Belém e chegar ao Rio Grande do Sul trafegando exclusivamente por vias duplicadas.

Essa carência de infraestrutura adequada gera altos custos para o transporte de mercadorias e commodities, causando a ineficiência dos planos logísticos traçados, e da diminuição da circulação de riquezas em solo nacional.

 Infraestrutura de transportes e rodovias: desafios logísticos

O grande desafio da atualidade é melhorar o nosso principal modal, que são as rodovias, sendo que a grande maioria não apresenta sequer pavimentação. Segundo levantamentos sobre a utilização dos modais no Brasil temos o seguinte cenário:

  1. 65% rodoviário
  2. 15% ferroviário
  3. 11% cabotagem
  4. 4% dutoviário
  5. 5% hidroviário
  6. 0,6% aeroviário

* Fonte Empresa de Planejamento e Logística (EPL) 2015

Raio X dos modais brasileiros

  • O Brasil possui cerca de 2 milhões de quilômetros de rodovias. Deste total, aproximadamente 90% não está pavimentada;
  • As hidrovias não são exploradas em todo o seu potencial;
  • Os portos são ineficientes e apresentam problemas estruturais como profundidade inadequada e acesso complexo;
  • Contamos com poucos aeroportos considerado o tamanho do país. A grande maioria é de pequeno porte.

O Brasil é uma folha em branco no quesito infraestrutura, tem muito a ser edificado para conseguir dar vazão e eficiência a toda riqueza produzida por aqui. Portanto, vi a necessidade de oferecer junto ao IPOG o MBA Infraestrutura de Transportes e Rodovias

Essa carência de Infraestrutura de transportes e rodovias faz o custo logístico brasileiro ser exorbitante. Um dos caminhos para resolver esse grande gargalo seriam as parcerias público privadas (PPP), estabelecidas entre o governo e a iniciativa privada. Só assim conseguiremos dinamizar e dar eficiência aos planos logísticos traçados pelos gestores das cadeias de suprimentos.

Clique aqui e entenda melhor sobre a Supply Chain (cadeia de suprimentos)


Artigos relacionados

Como o trabalho sustentável pode mudar sua empresa Cada dia mais as pessoas têm falado sobre sustentabilidade. E embora o termo seja ainda muito abrangente, ele pode ser dividido em três pontos muito importantes: o econômico, o ambiental e o social. Cada um deles traz suas particularidades, o que vai depender ...
Agronegócio Brasileiro da ficção à realidade: um exercício de respeito à terra A palavra humilde tem sua origem no grego antigo, e não representa somente os conceitos atuais de modéstia e simplicidade. Sua origem vem de húmus, que significa “terra”, que consequentemente deu origem à palavra homem e humanidade. Humilis, na Grécia antig...
A habilidade de transformar boas ideias em grandes negócios Cada vez mais, os profissionais têm buscado meios de se qualificar para transformarem suas ideias em negócios próprios, onde eles almejam conduzir o caminho de suas carreiras contando com suas habilidades técnicas e teóricas. Enquanto as ideias vão sendo amadu...

Sobre Edésio Lopes

Doutor engenharia civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na área de Infraestrutura Viária, onde também obteve o seu mestrado, graduado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É coordenador do MBA de Infraestrutura de Transporte e rodovias do IPOG; MBA Geociências e Geotecnologias; MBA Planejamento Urbano Sustentável; MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção. É colaborador na IDP engenharia (empresa sediada na Espanha) em projetos voltados para infraestrutura de transportes, logística e mobilidade urbana. Atuou por 9 anos como pesquisador no LabTrans/UFSC em projetos relacionados a infraestrutura de transporte em órgão federias e estaduais. Atuou como professor no setor de Geodésia no departamento de engenharia civil da UFSC e trabalhou no Laboratório de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto em projetos de auxílio à execução de planos diretores municipais.

Comentários