Certificação Green Belt pode melhorar os resultados da sua empresa. Saiba como
2 minutos de leitura
06 de outubro de 2017

Saiba como a Certificação Green Belt pode melhorar os resultados da sua empresa

Em tempos de crise, poupar e economizar viram regras em uma organização. Contudo, nem sempre diminuir gastos significa reduzir a qualidade de um produto ou prestação de serviço. Se você ainda não está convencido disto ou quer saber mais, continue lendo este post porque a Certificação Green Belt poderá até mesmo fazer com que o desempenho da sua empresa melhore.

Afinal, o que a Certificação Green Belt?

O coordenador do Curso de Curta Duração Certificação Green Belt Lean Six Sigma do IPOG, Leandro Valim, explica que a ferramenta é indispensável para profissionais que almejam continuar atuando nos processos empresariais.

Dentre as habilidades alcançadas estão a realização de projetos mais ágeis e usualmente com prazos mais curtos.

Além disso, os profissionais terão a expertise de otimizar processos e combater desperdícios aumentando a produtividade e melhorando a qualidade dos produtos e projetos.

3 vantagens do Green Belt

O professor garante que as vantagens da certificação são diversas, contudo ele destaca três principais:

  • Retorno Financeiro
  • Captação
  • Fidelização de clientes

Ele explica que com a metodologia o retorno financeiro deverá se perpetuar ao longo da empresa.

Onde a metodologia poderá ser aplicada

O especialista conta que o Green Belt pode ser utilizado em todos os processos, seja na área de Recursos Humanos (RH), indústrias, hospitais, serviços comerciais e tudo aquilo que enxergamos como um sistema com variáveis de entrada e de saída que precisam ser otimizados.

Na prática, foi no segmento industrial onde surgiu essas ferramentas tanto o Lean Enterprise quanto o Six Sigma devido a quantidade de retrabalhos, reserviços e refugo de produtos.

“O objetivo do Green Belt é minimizar esses reprocessos e retrabalho a fim de melhor a qualidade dos produtos”.

Para a empresa adotar o padrão Green Belt, é necessário primeiramente ter uma estratégia, profissionais capacitados nessa área e alinhar ao planejamento estratégico, para fazer com que essas ferramentas cheguem de fato ao chão de fábrica. No segundo momento, as oportunidades vão ser traçadas e identificadas para aplicação direta.

Como surgiu a ferramenta?

Como comentamos brevemente no tópico anterior, o Green Belt surgiu no mercado industrial para diminuir desperdícios como, por exemplo, estoques elevados, tempo de preparação para a set up, fabricação de máquinas para produtos, entre outros.

O Lean Six Sigma surgiu no sistema Toyota de produção no Japão na década de 60 e depois se tornou o Lean Manufector nos Estados Unidos e hoje é o Lean Enterprise.

O Six Sigma nasceu com a General Electric, conhecida como GE e Motorola. Atualmente, muitas empresas têm trabalhado no padrão Word Class Enterprise buscando o uso dessas ferramentas.

O Coordenador pontua que várias organizações usam o padrão Green Belt como Toyota, Motorola, Ford, Motor Company, Monsanto e Unilever.

Artigos relacionados

Os ganhos da aplicação da Metodologia 5 S Originária do Japão, a Metodologia 5 S propõe uma série de atitudes necessárias para conferir eficiência aos processos do dia a dia das organizações, podendo ser aplicada nas mais diferentes áreas de atuação. Baseada em fundamentos de fácil compreensão, a meto...
Mulheres empreendedoras: conheça a história de uma parceria de sucesso A educação formal e profissionalizante tem o poder de libertar as pessoas para darem vazão às suas aspirações e estruturar seus próprios negócios. Por meio da capacitação profissional as pessoas têm conseguido assumir o protagonismo de suas próprias carreiras ...
Qualidade de vida no trabalho: como a logoterapia ajuda a obtê-la? Cada vez mais tem se falado sobre ser feliz no trabalho, sobre propósito e desenvolvimento do potencial humano. Mas será que é realmente possível ter qualidade de vida no trabalho? Afinal, a primeira coisa que nos vem à cabeça quando falamos de trabalho são...

Sobre Leandro Valim

Professor Doutor Leandro Valim de Freitas, Coordenador de Green e Black Belt do IPOG, é Engenheiro Químico formado pela USP, com aperfeiçoamento em Design and Analysis of Experiments pelo MIT/EUA, MBA, Mestre e Doutor em Engenharia de Produção pela UNESP, Master Black Belt com acreditação internacional pela The Council form Six Sigma Certification - Official Industry Standard for Six Sigma Accreditation, foi membro da Associação Brasileira de Estatística (ABE), autor de artigos científicos e livros internacionais e definitivamente apaixonado por otimização de processos, traz sempre para seus cursos o que aprendeu sobre este tema na Sloan Escola de Negócios do Instituto Massachusetts de Tecnologia (MIT/EUA). Ele que tem um pé na indústria (14 anos de experiência) e outro na academia (8 anos) atuando como professor convidado em cursos de curta duração e MBA´s por todo Brasil no IPOG, na USP e na UNESP fica feliz em dividir com os alunos uma abordagem de cursos não apenas teórica e didática, o que é fundamental, mas também prática, em que o aluno possa aplicar mais rápido em seu ambiente de trabalho, ferramentas que tragam impacto financeiro para o Negócio e fidelização de clientes. Na mesma linha de trabalho, conta com a Professora de MBA, Master Black Belt também com a acreditação internacional, e Consultora de empresas Ana Paula B. R. de Freitas, graduada em Engenharia Química (USP), Mestre (USP), Doutora em Engenharia de Produção Mecânica (UNESP) e Pós-Doutora em Nanotecnologia pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) - membro da Six Sigma Brasil e da Rede Europeia ENBIS (European Network for Business and Industrial Statistics). Foi Editora Chefe do livro Multivariate Analysis in Management, Engineering and the Sciences (2013) da editora europeia InTech, Editora Chefe do Special Issue on Statistical Engineering da American Jounal of Theoretical and Applied Statistics (2014), um dos autores do livro Fuel Injection in Automotive Engineering e do livro Design of Experiments: Applications (2013).

Comentários