Você sabe qual é o seu propósito de vida e o da organização em que trabalha?
3 minutos de leitura
01 de dezembro de 2017

Você sabe qual é o seu propósito de vida e o da organização em que trabalha?

Entender qual é o propósito dentro de uma organização dentro de uma organização nem sempre é tarefa fácil. Contudo, antes de falarmos sobre esse tema, existe uma afirmação de Viktor Frankl que propõe uma reflexão muito séria sobre a verdadeira natureza humana.

Cada homem é único e cada vida humana é singular; ninguém é substituível, nem uma vida é repetível.”

Vivemos numa sociedade repleta de debates bem acesos sobre os caminhos a seguir. Devemos ou não defender a vida? Qual vida? Em que condições? Estudos nascem desses debates sobre a cor da pele que mata e a que morre mais, sobre o status social e econômico que mais precisa de ajuda ou a que mais sofre, sobre minorias e grupos minorizados que abandonamos ao longo da história ou que ajudamos a tal ponto que podem se tornar preguiçosos.

Esse é um debate presente em nossa sociedade, mas enquanto não pararmos para pensar sobre o tipo de pessoas que temos e que somos, como poderemos pensar no futuro, o destino ao qual queremos alcançar?

Num clima de instabilidade econômica, política e ambiental, cabe a cada um parar e refletir sobre os caminhos a traçar para aquilo ao que Frankl chamaria de transcendência humana — aquela capacidade de sermos muito mais do que achamos que somos, de manifestar nossas capacidades e habilidades mais profundas, aqueles tesouros latentes e entesourados dentro de nós. Ao fazermos isso seremos capazes de ajudar outros, treinar, capacitar, acompanhar as pessoas que cruzam a nossa vida pessoal e profissional.

Então, a primeira pergunta que deveríamos tentar responder é: qual é a verdadeira natureza humana?

Freud chegou a nos dar a entender que somos atraídos por aquilo que nos dá prazer e fugimos do que nos causa dor. Se assim fosse, porque então tantas pessoas abastadas sofrem de depressão? Bastaria comer fartamente e ter muitos parceiros sexuais para sermos felizes. Contudo não é o que acontece!

 Adler fala da busca por autoridade, poder, destaque. Pensávamos, graças a uma leitura equivocada do autor, que bastaria estar em posição de liderança e teríamos alcançado a plenitude. Mas basta vermos que nem todos os políticos, professores, jornalistas e sacerdotes estão felizes com a situação na qual o mundo vive.

Frankl, ao sentir na pele as terríveis crueldades da existência, como prisioneiro 119.104 de campos de concentração como Auschwitz, percebe que há uma realidade superior que lhes permite viver: não é ter poder, nem ter prazer, mas buscar um sentido para a sua existência. Aqueles que eram capazes de encontrar sentido no Campo, ajudando aos demais vieram a ter mais chance de sobreviver do que aqueles que buscavam outras coisas.

Fora do Campo, Viktor Frankl havia percebido isso. As pessoas que conseguem perceber a sua existência como dotada de um sentido — seja pela criação artística ou trabalho, seja pelo amor vivido, ou pelo sofrimento transformado em aprendizado e realização — eram as pessoas com menos chance de se alienarem e perderem num vazio existencial.

Então, reflita comigo, você, leitor desta matéria:

    •       O que dá sentido à sua vida?

    •       Para quê faz as coisas que faz?

    •       É você que faz, ou deixa outros decidirem por você, decidindo não decidir?

    •       Se qualquer decisão é tua (inclusive a de fazer de conta que não), quem é responsável pela sua vida?

    •       E se você é o único responsável pela vida que leva, como mudá-la para chegar aos patamares que só você é capaz de chegar?

A vida é o resultado de cada escolha singular de cada momento de nossa existência. Somos livres e também responsáveis por nossas escolhas. É claro, há elementos que condicionam a ação, mas o que fazer perante eles é que nos faz sermos mais que um ser biológico: a capacidade de transpor nossos limites, individuais e coletivos, é muito mais do que uma escolha racional. O ser humano, possuidor de corpo e mente, é muito mais do que isso: o ser humano é um ser transcendente incapaz de se satisfazer com as suas limitações.

E vocêestá satisfeito com essas limitações?

Quando percebemos o nosso propósito, percebemos que não o podemos alcançar sozinhos e só há uma saída: abrimo-nos para a possibilidade de nos relacionarmos com outros. Percebemos que o nosso sucesso pessoal e organizacional passa sempre pela relação, pela capacidade de comunicar ativamente com os demais, escutar, para poder inspirar com paixão a nossa equipe.

Comunicação não é mais que a capacidade de encontrar pontos de concordância entre quem somos e quem são as pessoas à nossa volta. Foi isso que Frankl percebeu nos campos de concentração: que o verdadeiro sentido da vida está em estarmos presentes e ajudarmos a cada pessoa que está na nossa equipe a passar juntos os desafios, visando sempre um mundo de vitórias além de cada uma das dificuldades. 


Artigos relacionados

A evolução do Ecommerce no Brasil O ano de 2018 promete avanços para o setor, principalmente para aqueles que se diferenciarem neste acirrado ambiente virtual. Entretanto, antes de falarmos sobre as aspirações para o ano que vem,  vamos falar sobre a evolução do Ecommerce no Brasil.Levanta...
O futuro é das marcas que têm propósito e relacionamento além do lucro Propósito é o que te faz realizar coisas, e isso não se cria, se revela. Marcas que têm um propósito claro são mais assertivas na sua relação com o público, desde que esse propósito seja verdadeiro. Com a mudança da sociedade, as empresas precisam ressignifica...
Como abrir falência da sua empresa em dois anos e em três passos Antes de falarmos sobre os passos para falir a sua empresa, pense num mundo alternativo, no qual o ambiente de negócios não sofra mudanças econômicas, políticas ou sequer tecnológicas. Um mundo no qual não tivéssemos tido Einstein ensinando sobre a relatividad...

Sobre Sam Cyrous

Mestre em Psicoterapia Relacional pela Universidad de Sevilla (Espanha, 2007). Psicólogo pela Universidade do Algarve (Portugal, 2003). Storyteller Estratégico (capacitado pela Internationale Akademie für Positive und Transkulturelle Psychotherapie, Alemanha). Membro da Comissão de Direitos Humanos do Conselho Regional de Psicologia de Goiás. Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento Estratégicos da Federação das Associações de Jovens Empreendedores e Empresários do Estado de Goiás. Secretário da Associação Brasileira de Logoterapeuta e Análise Existencial. Curador do TEDxGoiânia, e Empreendedor Social. Coordenador da especialização em Logoterapia & Análise Existencial do IPOG.

Comentários