Tatuagem x Mercado de Trabalho
2 minutos de leitura
20 de dezembro de 2016

Tatuagem x Mercado de Trabalho

Tatuagem x Mercado de Trabalho

Apesar de muitos conceitos estarem mudando, ainda no século 21 o assunto que envolve Tatuagem x Mercado de Trabalho ainda gera polêmica. Do ponto de vista de algumas empresas a imagem de seus colaboradores ainda significa muito e uma tatuagem interfere bastante na hora da seleção. Já para outras, o que conta mesmo é que a pessoa seja capacitada para exercer a função, independente de aparência física.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Núcleo Brasileiro de Estádios (NUBE) com 14 mil jovens de todos os cantos do Brasil, cerca de 25% das empresas ainda têm restrições para contratar pessoas com tatuagens.

A psicóloga e coordenadora da Pós-graduação em Essential Master Coaching do IPOG, Dorothy Irigaray conta que fez sua primeira tatuagem em 2003, aos 32 anos, por gostar da identidade que a tatuagem proporciona e também pela arte. Porém, a profissional só teve coragem de realizar o desejo após 10 anos de formada e quando já tinha uma carreira consolidada.

Mas a primeira tatuagem eu me preocupei em fazer em um local que só mostraria se eu quisesse e aí fiz uma rosa na lombar”, comenta a psicóloga.

Hoje, ela já possui outra em homenagem aos filhos e mais uma que preenche inteiramente suas costas.

Segundo a psicóloga, “muitas pessoas ainda formam o conceito sobre alguém apenas pela aparência do outro. E é muito mais fácil dar credibilidade a uma pessoa antes de descobrir que ela tem uma tatuagem, do que conhecê-la com uma tatuagem e depois dar abertura para realmente saber como ela é.”

A dica de Dorothy é que sempre haja uma preocupação em saber qual o significado daquela tatuagem antes de expressar qualquer tipo de julgamento em relação a outra pessoa.

Entretanto, tudo hoje depende do ambiente que a pessoa está inserida. “Não significa que uma pessoa vai sofrer preconceito por deixar sua tatuagem à mostra, mas, são tantas coisas no imaginário que é melhor saber onde vai mostrar as tatuagens”, afirma a psicóloga.

Para exemplificar melhor, Dorothy explica que prefere não manter suas tatuagens à mostra em ambientes de trabalho. E que quando encontra seus clientes na rua, normalmente a tendência é de ao virem suas tatuagens, nada mude já que uma boa imagem já foi consolidada.

É comum que a área profissional seja determinante para a aceitação da tatuagem. Se a escolha do trabalho for em uma agência de comunicação, setor artístico ou ambientes semelhantes, a tatuagem será bem vista e até colocada como criatividade. Mas em outras empresas com olhares mais conservadores, pode ser considerada um empecilho.

Leia também: Você sabe como fazer um currículo de excelência?


Artigos relacionados

Profissional de Contabilidade, você sabe por que também precisa desenvolver Inteligência Emocional?... Independente da sua atuação profissional, desenvolver a Inteligência Emocional pode ser o grande segredo para traçar uma carreira de sucesso. Essa competência muitas vezes demonstra o seu nível de maturidade para lidar com situações diversas, enfrentar desafio...
10 profissões em alta em 2018. Confira! O ano de 2018 promete ser de retomada na economia. Mesmo em passos lentos, o mercado volta a reaquecer. E as empresas anseiam por isso para retomar com a contratação de funcionários. Por isso, se você está por aí em busca de uma vaga de trabalho ou até mesmo p...
Responsabilidade e ética empresarial: uma análise do caso Salesforce no Brasil No início do ano, o meio empresarial acompanhou o desligamento de três integrantes da filial da Salesforce no Brasil, onde constaram no pacote de demissões o presidente; o diretor comercial e um funcionário desta área. O motivo? A repercussão negativa de uma f...

Sobre Dorothy Irigaray

Psicóloga organizacional, especialista em educação, pós-graduada em Dinâmica de Grupo, pós-graduanda no MBA Liderança Executiva e Desenvolvimento Organizacional pela Franklin Covey/IPOG, certificada em Introdução às Psicoterapias Cognitivas pela Universidade de Flores (Argentina) em curso credenciado pelo Instituto Albert Ellis (EUA), com Formação em Terapia Cognitiva com Ferramentas de Coaching pela Mosaico/Metacognitiva(RN) Consultora empresarial em gestão de pessoas, coordenadora e professora de pós-graduação do IPOG Coach Sênior qualificada pelo ICI (Integrated Coaching Institute), Especialista em Neurocoaching pelo Neuroleadership Group/Fellipelli, ambos cursos credenciados pela ICF (International Coaching Federation). Qualificada nos instrumentos MBTI, MBTI STEP II e Eqi 2.0 pela Fellipelli Instrumentos Diagnósticos. Qualificada em Positive Psychology pela University of North Carolina at Chapel Hill/COURSERA(EUA). Co-idealizadora e co-facilitadora do Program de Qualificação em Coaching da FATESG/SENIAGO. Co-coordenadora do Grupo de Coaches Makers. Experiência de mais de 20 anos em desenvolvimento de pessoas.

Comentários