Tatuagem x Mercado de Trabalho
2 minutos de leitura
20 de dezembro de 2016

Tatuagem x Mercado de Trabalho

IPOG, Tatuagens, Trabalho

Apesar de muitos conceitos estarem mudando, ainda no século 21 o assunto que envolve tatuagem e mercado de trabalho ainda gera polêmica. Do ponto de vista de algumas empresas a imagem de seus colaboradores ainda significa muito e uma tatuagem interfere bastante na hora da seleção. Já para outras, o que conta mesmo é que a pessoa seja capacitada para exercer a função, independente de aparência física.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Núcleo Brasileiro de Estádios (NUBE) com 14 mil jovens de todos os cantos do Brasil, cerca de 25% das empresas ainda têm restrições para contratar pessoas com tatuagens.

A psicóloga e coordenadora da Pós-graduação em Essential Master Coaching do IPOG, Dorothy Irigaray conta que fez sua primeira tatuagem em 2003, aos 32 anos, por gostar da identidade que a tatuagem proporciona e também pela arte. Porém, a profissional só teve coragem de realizar o desejo após 10 anos de formada e quando já tinha uma carreira consolidada.  “Mas a primeira tatuagem eu me preocupei em fazer em um local que só mostraria se eu quisesse e aí fiz uma rosa na lombar”, comenta a psicóloga. Hoje, ela já possui outra em homenagem aos filhos e mais uma que preenche inteiramente suas costas.

Segundo a psicóloga, “muitas pessoas ainda formam o conceito sobre alguém apenas pela aparência do outro. E é muito mais fácil dar credibilidade a uma pessoa antes de descobrir que ela tem uma tatuagem, do que conhecê-la com uma tatuagem e depois dar abertura para realmente saber como ela é.” A dica de Dorothy é que sempre haja uma preocupação em saber qual o significado daquela tatuagem antes de expressar qualquer tipo de julgamento em relação a outra pessoa.

Entretanto, tudo hoje depende do ambiente que a pessoa está inserida. “Não significa que uma pessoa vai sofrer preconceito por deixar sua tatuagem à mostra, mas, são tantas coisas no imaginário que é melhor saber onde vai mostrar as tatuagens”, afirma a psicóloga. Para exemplificar melhor, Dorothy explica que prefere não manter suas tatuagens à mostra em ambientes de trabalho. E que quando encontra seus clientes na rua, normalmente a tendência é de ao virem suas tatuagens, nada mude já que uma boa imagem já foi consolidada.

É comum que a área profissional seja determinante para a aceitação da tatuagem. Se a escolha do trabalho for em uma agência de comunicação, setor artístico ou ambientes semelhantes, a tatuagem será bem vista e até colocada como criatividade. Mas em outras empresas com olhares mais conservadores, pode ser considerada um empecilho.


Artigos relacionados

Eu realmente preciso disso? Confira as dicas para não fugir do orçamento na Black Friday Uma tradição nos Estados Unidos, a Black Friday ganhou força em vários países como no Brasil e é um excelente momento para os clientes e comerciantes. Este é o dia em que os lojistas aproveitam para limpar todos os estoques com promoções tentadoras. Mas, é pre...
O que é Eficiência Energética? E o que engloba? Eficiência energética é a relação entre o resultado da utilização de um determinado equipamento comparado ao seu consumo de energia. Por exemplo, vamos considerar uma lâmpada: a sua eficiência energética é a relação entre a quantidade de luz emitida e o consum...
As Marcas e o Natal É bem comum durante essa época do ano, o aumento do consumo por parte dos consumidores. O poder de compra cresce e isso movimenta o mercado, e, é o período no qual as famílias e amigos costumam receber e dar presentes.As marcas funcionam como um exército, ...

Sobre Dorothy Irigaray

Psicóloga organizacional, especialista em educação, pós-graduada em Dinâmica de Grupo, pós-graduanda no MBA Liderança Executiva e Desenvolvimento Organizacional pela Franklin Covey/IPOG, certificada em Introdução às Psicoterapias Cognitivas pela Universidade de Flores (Argentina) em curso credenciado pelo Instituto Albert Ellis (EUA), com Formação em Terapia Cognitiva com Ferramentas de Coaching pela Mosaico/Metacognitiva(RN) Consultora empresarial em gestão de pessoas, coordenadora e professora de pós-graduação do IPOG Coach Sênior qualificada pelo ICI (Integrated Coaching Institute), Especialista em Neurocoaching pelo Neuroleadership Group/Fellipelli, ambos cursos credenciados pela ICF (International Coaching Federation). Qualificada nos instrumentos MBTI, MBTI STEP II e Eqi 2.0 pela Fellipelli Instrumentos Diagnósticos. Qualificada em Positive Psychology pela University of North Carolina at Chapel Hill/COURSERA(EUA). Co-idealizadora e co-facilitadora do Program de Qualificação em Coaching da FATESG/SENIAGO. Co-coordenadora do Grupo de Coaches Makers. Experiência de mais de 20 anos em desenvolvimento de pessoas.

Comentários