Mente psicopata ou criminosa? A importância de uma Avaliação Psicológica
5 minutos de leitura
20 de setembro de 2018

Mente psicopata ou criminosa? A importância de uma Avaliação Psicológica

psicopata

Em setembro de 2018, a justiça de Taubaté (SP) negou o pedido de cumprimento de pena em liberdade para Suzane Richthofen. A decisão acompanha parecer do Ministério Público que se manifestou contrário à progressão do regime, após análise de teste de personalidade nos quais Suzane apresenta traços de egocentrismo, narcisismo e de influência para o desenvolvimento de condutas violentas – traços de uma pessoa psicopata –, conforme apontado por reportagem da Folha de São Paulo.

Após 15 anos, desde a prisão de Suzane, o crime ainda chama a atenção pelo crime cometido. O caso comoveu o país desde 2002, quando Suzane planejou a morte dos pais, o engenheiro Manfred e a psiquiatra Marísia.

Ainda em setembro de 2018, um dos casos que também chamou a atenção da sociedade foi o de um pai preso suspeito de matar um bebê de 6 meses com um tiro no peito, em Luziânia (GO), após usar drogas e discutir com esposa.

Infelizmente, os casos marcam a história de violência da sociedade e levantam o questionamento sobre a importância do profissional voltado para a análise psicológica desses crimes. O professor do curso de Avaliação Psicológica do IPOG, Shouzo Abe, é psicólogo Jurídico, atua com avaliação psicológica há cerca de nove anos na esfera criminal e há quatro anos com avaliações no âmbito familiar.

Ele explica que na sociedade, o que cada indivíduo apresenta hoje é resposta de suas influências (sociais, culturais, religiosas, morais etc.) durante seu desenvolvimento enquanto pessoa. “As realidades e necessidades são diferentes, então cada um responderá de acordo com isso”, complementa.

Ao comentar sobre o comportamento violento do indivíduo na sociedade, o especialista em Psicologia Jurídica pontuou alguns conceitos que fazem parte da psicopatia:

  • Egocentrismo
  • Narcisismo
  • Desenvolvimento da violência

Egocentrismo

De acordo com Shouzo Abe:

Geralmente o egocentrismo não abre espaço para o outro, que é fundamental para o convívio e existência humana. As pessoas egocêntricas apresentam alguns comportamentos como desgaste nas relações interpessoais”, aponta o especialista.

Para quem possui relações com uma pessoa egocêntrica, a troca de afeto é algo de pouquíssima existência. Uma vez que o egocêntrico está voltado apenas para sua própria necessidade.

Na sua visão há certeza de que o que ele faz é bom. E muitas pessoas se atraem por esse tipo de comportamento, pois ele aparenta ser muito seguro de si, sabe o que faz e com isso consegue controlar e manipular o outro. E quando alguém se atrai por esse comportamento, o egocêntrico tende há usar a outra pessoa para o seu próprio benefício”, comenta o professor.

O egocêntrico também diminui a importância do sistêmico, que é justamente considerar o todo. Assim, a pessoa que possui esse comportamento vai se afastando das outras pessoas. Ou seja, para o egocêntrico ele nunca é o problema.

Narcisismo

A psicanálise traz o narcisismo como um comportamento que todo indivíduo possui em certa medida.

O professor de Avaliação Psicológica destaca que o narcisismo surgiu através de um mito grego chamado de Narciso, – que ao ver sua imagem refletida, em água, apaixonou por si mesmo. O Narcisista é definido como o indivíduo que admira exageradamente a sua própria imagem e nutre uma paixão excessiva por si.

Mas se todo indivíduo possui um pouco de narcisismo, onde está o problema desse comportamento?

Esse é o efeito do transtorno de personalidade narcisista.

Esse transtorno é o ponto “em que a pessoa se ama tanto que não valoriza a necessidade do outro indivíduo e ainda usa este para alcançar seus desejos e intentos”, explica Shouzo Abe.

Desenvolvimento da violência

A violência ou o comportamento violento é desenvolvido no indivíduo por meio de certas influências, como:

  • Sociedade
  • Meio onde vive
  • Princípios
  • Valores

O professor evidência ainda os dois últimos pontos. “No caso dos princípios e valores isso está ligado ao que foi ensinado e a forma como a pessoa conseguiu absorver. Se uma criança cresceu em uma família saudável, no meio da escola, na prática de esportes, tendo saúde e um emocional cuidado, seu comportamento tende a ser mais saudável”, explica.

Essa mesma criança com um bom desenvolvimento na escola, mas em casa ou na comunidade em que vive possui um ambiente nocivo, violento e desrespeitador, pode desenvolver comportamentos violentos e nocivos.

O comportamento de uma criança, portanto, não é de responsabilidade somente dela e sim de todo um sistema que a estimula viver e agir de determinadas maneiras.

Psicopatia – Transtorno de personalidade antissocial

A Psicopatia é definida pelo Código de Classificação de Doenças como transtorno de personalidade antissocial. É característica de uma pessoa com baixa tolerância a frustração, falta de empatia e ao mesmo tempo tem uma descarga de agressividade exagerada, porque não tolera ser frustrada e ser egocêntrica.

Shouzo pontua que:

Umas das fortes características do psicopata é a falta de empatia, ou seja, a condição de se preocupar com outro ou de se colocar no lugar desse outro –, isso está relacionado ao comportamento do narcisista e egocêntrico”.

O psicopata possui desprezo por regras, não considera o certo e o errado.

Emocionalmente ele entende o que faz, mas impõe que tem de ser como ele deseja. O psicopata entende o certo e o errado, entende as leis, sabe das consequências, mas não considera estes, nem o outro ou a sociedade, parte de seus valores e princípios.

O psicopata consegue imitar emoções, não sente remorso ou mesmo pena. Dissimula quando quer conquistar uma pessoa para usá-la e alcançar seus objetivos”.

A psicopatia tem cura?

Conforme o professor de Avaliação Psicológica do IPOG, a psicopatia ainda não possui cura, e os estudos para o tratamento ainda são poucos no Brasil. E o país está muito lento em relação aos avanços nesse assunto.

Também não é fácil detectar um psicopata na sociedade. Porque ele age de maneira:

  • sutil
  • cuidadosa
  • cautelosa
  • arquitetada
  • premeditada

Geralmente, um psicopata é identificado apenas depois que começa a cometer certos crimes”, afirma o especialista em Psicologia Jurídica.

Todo criminoso bárbaro é psicopata?

É comum, porém um erro, na sociedade dizer que todo criminoso é psicopata!

O especialista Shouzo Abe esclarece que se observa muita confusão, pois a mídia fala muito de psicopatia e acaba contribuindo para o senso comum.

As vezes a pessoa é um pouco agressiva ou cometeu um roubo e já é chamada de psicopata. Enquanto na realidade nada disso por si só é psicopatia. Esse termo é muito mais amplo do que uma apropriação para pessoas que praticaram roubo ou assassinato”.

Para conseguir fazer esse diagnóstico, existe uma necessidade muito grande do profissional em estudar o comportamento de um psicopata e entender sobre avaliação psicológica.

A psiquiatria e a psicologia vêm avançando muito através de estudos e o desenvolvimento de instrumentos de avaliação voltados para essa área.

É um investimento e uma necessidade importante, pois é crescente a demanda deste trabalho pelo sistema jurídico para uma análise técnica que subsidie as tomadas de decisão de um processo penal.

Não se pode dizer que uma pessoa é psicopata sem a avaliação técnica”.

Shouzo alerta que não é uma tarefa fácil construir um texto de avaliação psicológica para ser lido e usado dentro do sistema jurídico.

A avaliação psicológica, apresentado através da elaboração de um laudo, tem a condição de materializar as questões psicológicas, emocionais e subjetivas. Essa materialização ajuda no entendimento desses conteúdos tão complexos e se transforma em provas concretas para subsidiar o judiciário em suas decisões”.

Tanto o sistema jurídico quanto a sociedade precisam e solicitam explicações sobre as motivações que levam, por exemplo, um pai a matar o próprio filho. A psicologia não tem todas as respostas, mas com certeza pode contribuir no entendimento dessas questões.

Na avaliação psicológica usamos instrumentos psicológicos como entrevistas, testes, observação, escuta, intervenções verbais e dinâmicas que servem para coletar dados psicológicos, é como juntar várias pedaços de peças de um quebra-cabeça psicológico, após isso vem a construção do laudo por meio da escrita.

Saber manusear  instrumentos psicológicos requer muito estudo, prática e supervisão. É um aprendizado continuado e sempre pautado na ética.

Avaliação Psicológica!

Só é possível fazer um diagnóstico daquilo que você estudou, conhece e entende.  Para que o psicólogo consiga diagnosticar a psicopatia, ele deve estudar muito sobre:

  • psicopatologia
  • psicopatia
  • comportamento antissocial
  • personalidade
  • e muito sobre avaliação psicológica.

E conforme esclarece o professor, o psicólogo não sai da faculdade sabendo fazer essa avaliação psicológica de forma tão profunda. Por isso, conheça a especialização em Avaliação Psicológica do IPOG!

A sociedade e a justiça conclamam essa contribuição dos psicólogos!

Gostou do texto? Deixe seu comentário e conheça também a história de uma psicóloga que se destacou com a especialização em avaliação psicológica!

Artigos relacionados

Cirurgia plástica estética: conheça as principais orientações preventivas A busca pela transformação da aparência física por meio da cirurgia plástica estética aumenta mediante as novas técnicas cirúrgicas, aos resultados surpreendentes, ao maior acesso à classe média e pelo desejo das pessoas em alcançar o ideal da beleza e não fic...
Ferramenta de gestão em unidades de saúde No mundo globalizado, os sistemas de saúde vêm enfrentando dificuldades decorrentes da incorporação de tecnologia na assistência, em um momento de forte crise no setor financeiro, associado à crescente demanda da população cada vez mais bem informada e exigent...
Quais os benefícios da gestão de hospitais públicos por Organizações Sociais de Saúde (OSS)? Peter Drucker, considerado o pai da administração moderna, já afirmava em 1999 que as organizações da área da saúde são as mais complexas para gerenciar, como as OSS. Essa menção ainda é muito atual, principalmente quando nos deparamos com os desafios da gestã...

Sobre Shouzo Abe

Psicólogo CRP09/6488 Especialista em Psicologia Jurídica e Docência Superior, Professor Universitário e de Pós-Graduação, Psicólogo Clínico, Psicólogo Assistente Técnico, Vice-presidente do Conselho Regional de Psicologia Goiás - CRP09, Presidentes das Comissões de Psicologia Jurídica, Comissão de Discentes em Psicologia, Comissão de Comunicação - CRP09. Atuou como Psicólogo Perito Criminal por cinco anos no Sistema Prisional de Aparecida de Goiânia.

Comentários