#OutubroRosa: sintomas, fatores de risco, prevenção e direitos das mulheres com câncer de mama
4 minutos de leitura
02 de outubro de 2017

#OutubroRosa: sintomas, fatores de risco, prevenção e direitos das mulheres com câncer de mama

Outubro Rosa

Estamos em outubro e o assunto destaque nesse mês é o câncer de mama. O movimento Outubro Rosa promove ações para divulgar informações sobre o câncer de mama e  conscientizar sobre a importância do diagnóstico precoce da doença.

É preciso falar abertamente sobre o câncer, é possível prevenir a doença e ter o diagnóstico precoce.  O câncer de mama tem cura e profissionais da saúde tem um papel imprescindível junto com o paciente nessa luta contra a doença.

O câncer de mama também pode afetar os homens, correspondendo a 1% do total de casos da doença. Este artigo abordará o câncer de mama nas mulheres, abraçando a causa e a campanha de conscientização nacional Outubro Rosa.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), o câncer de mama é o tipo de mais comum e também o que causa mais mortes por câncer em mulheres. Somente em 2014 foram registradas 14.622 mortes.  Um em cada três casos de câncer pode ter a cura se for tratado logo no início da doença. A detecção precoce reduz os índices de mortalidade e traz melhores resultados no tratamento da doença.

Pacientes informadas correspondem melhor ao tratamento e ficam aptas para tomar as melhores decisões. A orientação e o diálogo do profissional de saúde com a mulher faz toda a diferença e pode salvar vidas.

Confira os sintomas, fatores de risco, prevenção e direitos da mulher que você precisa saber para informar e atender às necessidades e dúvidas das pacientes com câncer de mama.

SINAIS E SINTOMAS:

  • Nódulos na região dos seios, axilas e pescoço;
  • Irritação e vermelhidão na pele da mama;
  • Inchaço de toda ou parte do seio;
  • Saída de secreção das mamas;
  • Dor nas mamas;
  • Alteração no bico do peito;

O autoexame deve ser feito sempre que possível. Se a mulher detectar a presença de qualquer um desses sinais, deve procurar o médico para avaliação e realização de exames específicos.

FATORES DE RISCO:

  • Sedentarismo;
  • Obesidade;
  • Consumo de bebida alcoólica;
  • Primeira menstruação antes de 12 anos de idade;
  • Primeira gravidez após os 30 anos de idade;
  • Não ter filhos e não amamentar;
  • Uso de contraceptivos hormonais;
  • Histórico familiar de câncer de mama e câncer de ovário;

PREVENÇÃO:

A prevenção do câncer de mama está associada à redução ou eliminação de hábitos que expõe a mulher aos fatores de risco da doença. De acordo com o INCA, 30% dos casos de câncer podem ser evitados com hábitos de vida saudável. Por isso, a mulher precisa se  alimentar forma saudável, não consumir bebidas alcoólicas, praticar exercícios físicos, manter um peso corporal adequado e realizar consultas médicas periódicas.

 Outubro Rosa: PRINCIPAIS DIREITOS ASSEGURADOS POR LEI:

Diagnóstico e tratamento

Um tratamento digno contra o câncer de mama é direito de toda mulher e dever do Estado. Conforme a lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, conhecida como Lei dos 60 dias, o Sistema Único de Saúde (SUS) é obrigado a oferecer o tratamento necessário para a paciente com o prazo de até 60 dias após o diagnóstico. Caso seja indicado o tratamento de quimioterapia, deve ser iniciado em até 60 dias, e o tratamento de quimioterapia em até 120 dias.

A Portaria n° 741/2005, da Secretária de Atenção à Saúde, dispõe a responsabilidade do SUS em diagnosticar e tratar a doença. A mulher tem o direito de ser acompanhada por médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas e assistentes sociais e ter sua autonomia, confidencialidade e dignidade respeitada.

A lei nº 11.664/08 assegura o direito da mulher, a partir dos 40 anos de idade, realizar o exame mamográfico gratuitamente.

Reconstrução mamária

A Lei nº 12.802, de 24 de abril de 2013, dispõe sobre a obrigatoriedade da cirurgia plástica reparadora da mama pela rede de unidades integrantes do Sistema Único de Saúde – SUS nos casos de mutilação decorrentes de tratamento de câncer na mesma cirurgia de retirada do câncer.

Amparo Assistencial:

Por meio da Lei Orgânica de Assistência Social nº 8.742/93 a mulher portadora de câncer de mama, incapacitada para exercer uma profissão remunerada e com a renda familiar por pessoa inferior a 25% do salário mínimo, tem o direito de receber o benefício de um salário mínimo por mês.

Aposentadoria por invalidez:

A paciente com câncer de mama com a comprovação pelo INSS de incapacidade definitiva  de exercer uma atividade remunerada tem o direito de solicitar a aposentadoria.

Saque do FGTS e PIS/PASEP:

A mulher com câncer de mama ou que tenha um dependente com a doença tem o direito de sacar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e o PIS/PASEP.

Isenção do imposto de renda na aposentadoria:

A Lei nº 7.713, de 1988 garante o direito de isenção do imposto de renda no valor da aposentadoria da mulher portadora de câncer de mama.

A discussão, a troca e a busca de informações e, principalmente, a prevenção devem ser mantidas diariamente. A conscientização e sensibilização sobre o câncer de mama devem ser cada vez mais intensas. Informe-se, oriente, converse sobre o tema e ajude nessa luta que é de todos nós.  O IPOG também abraça essa causa!

 


Artigos relacionados

Conheça as principais tecnologias que auxiliam o setor de saúde Se antigamente os diagnósticos médicos, exames e avaliações aconteciam muito mais por experiência do médico, hoje, a medicina avançou e cada dia surgem novos aparelhos e métodos para trazer uma maior estabilidade à saúde das pessoas. No decorrer dos séculos, a...
Como escolher o teste ideal para uma avaliação psicológica? Atualmente, existe um grupo grande de ferramentas dentro do campo de trabalho da Avaliação Psicológica. Entre elas, há um grupo de testes utilizados para avaliar de forma mais objetiva alguns aspectos psicológicos. Dentro desse grupo, destaque é dado aos chama...
Direito à saúde: como conseguir uma vaga na UTI? Muitos pacientes com risco de vida e quadro grave de saúde necessitam de monitoramento contínuo por meio da internação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) oferecidos pelos Sistema Único de Saúde (SUS). A realidade é dura. Centenas de brasileiros mo...

Sobre Caroline Regina dos Santos

Mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, Doutoranda em Biotecnologia pela UFG, Conselheira da OAB-GO, Presidente da Comissão de Direito Médico, Sanitário e Defesa da Saúde, Coordenadora do MBA em Direito Médico e Proteção Jurídica Aplicada à Saúde do IPOG.

Comentários