Engenharia de custos: 6 práticas para a gestão de obras
3 minutos de leitura

Engenharia de custos: 6 práticas para a gestão de obras

Engenharia de custos: 6 práticas para a gestão de obras

Engenharia de Custos é uma área da construção civil que cuida de todas as despesas envolvidas em um projeto específico. O trabalho começa ainda na fase de concepção, quando se faz um orçamento com o objetivo de apresentar ao cliente a viabilidade ou não da execução do projeto.

Os gastos durante a efetivação da obra devem ser ajustados da melhor forma possível ao orçamento, sendo o engenheiro de custos responsável por esse controle. Continue a leitura do artigo e veja 6 práticas de Engenharia de Custos para a realização de uma gestão de obras eficaz!

Qual é a importância da Engenharia de Custos?

A Engenharia de Custos define a viabilidade financeira da existência da obra durante o planejamento e durante a etapa de execução. Ela também define a rentabilidade da obra.

Uma maneira de analisar o retorno que determinado projeto pode oferecer é comparando os gastos planejados com os gastos reais, ou seja, aqueles que acontecem durante a implementação do projeto.

A Engenharia de Custos deve racionalizar os processos de construção, ou seja, deve assegurar a boa qualidade dos resultados com o consumo de menos recursos (consumo otimizado), gerando mais economia e retorno aos investimentos efetivados.

Quais são as melhores práticas de Engenharia de Custos?

Vejamos agora algumas práticas que ajudam a gerenciar obras de construção civil. São práticas específicas de Engenharia de Custos:

1. Avaliação dos gastos planejados com os gastos efetivados

Comparar os gastos realizados com os gastos planejados é uma prática fundamental no âmbito da Engenharia de Custos. Dessa forma, é possível identificar tendências e a necessidade de possíveis ajustes para garantir a viabilidade financeira.

Discrepâncias muito altas entre os gastos reais e os gastos esperados exigem uma tomada de ação imediata para corrigir o problema e manter as despesas dentro do orçamento inicial.

2. Controle dos desembolsos excedentes

A gestão efetiva dos desembolsos a mais permite analisar se está havendo gestos desnecessários ou se, por outro lado, a obra está avançando com serviços além do planejado, mas que podem ser benéficos.

Nesse sentido, a obra pode ser concluída em menos tempo ou pode estar agregando valores que compensam as despesas extras. É preciso avaliar se haverá vantagens para o cliente, sem ônus para a empresa encarregada do serviço.

3. Planejamento físico da obra e produtividade das frentes de serviço

Essa prática de Engenharia de Custos, relacionada ao planejamento físico da obra e à produtividade das frentes de serviço, serve para mostrar que o trabalho ultrapassa a busca por economia: a finalidade também é acompanhar o desempenho da obra em relação à qualidade dos resultados e ao cumprimento dos prazos.

A gestão eficiente de recursos faz parte de um bom planejamento físico e da produtividade das frentes de serviço. É fundamental para reduzir os custos em um projeto de construção.

Nesse sentido, é necessário fazer um controle rigoroso do uso de materiais, a otimização do uso de energia e água e a redução máxima de desperdícios.

Também é importante acompanhar de perto o cronograma da obra, evitando atrasos que possam gerar custos adicionais e onerosos.

4. Gestão de riscos

A análise de riscos identifica, avalia e mitiga os possíveis riscos que podem interferir no orçamento de um projeto. Entre eles, destacamos os riscos financeiros (por exemplo, variações nos preços dos materiais) e os riscos operacionais (por exemplo, atrasos na entrega de materiais).

Por isso, o primeiro passo da análise de riscos é a identificação. É necessário listar todos os potenciais riscos que podem surgir durante a execução da obra.

Há muitos riscos, como problemas climáticos, que prorrogar o término da obra (não cumprimento dos prazos) e questões relacionadas à legislação e ao licenciamento.

Para mitigar os riscos, o engenheiro de custos deve adotar ações preventivas que reduzam as possibilidades de que os problemas se tornem reais e ações corretivas imediatas que reduzam o impacto deles sobre a obra, caso os problemas se concretizem. Entre essas medidas, podemos citar:

  • contratação de seguros;
  • diversificação de fornecedores;
  • elaboração de contratos claros.

5. Negociação com fornecedores

A habilidade de negociar com fornecedores pode fazer uma grande diferença nos custos de um projeto de construção civil. Busque obter descontos, prazos de pagamento vantajosos e condições especiais de compra.

6. Uso de tecnologias

A tecnologia pode ser uma aliada poderosa na redução de custos. Daí a importância de usar softwares de gestão financeira e softwares de engenharia para monitorar os gastos e identificar possíveis áreas de economia.

Com essas dicas, você vai desempenhar com mais eficiência as atividades relacionadas à Engenharia de Custos, fazendo uma boa gestão, que será satisfatória para o cliente e para a empresa.

Diante da competitividade, convém se preparar para o mercado de trabalho, concorda? Quanto melhor o profissional, mais chances há de ele ser requisitado pelas empresas. Confira o que o mercado de gestão de obras espera de um especialista.

Artigos relacionados

Eu realmente preciso disso? Confira as dicas para não fugir do orçamento na Black Friday Uma tradição nos Estados Unidos, a Black Friday ganhou força em vários países como no Brasil e é um excelente momento para os clientes e comerciantes. Este é o dia em que os lojistas aproveitam para limpar todos os estoques com promoções tentadoras. Mas, é pre...
Peritos Financeiros Judiciais: Saiba quem pode atuar na área Você sabe o que faz um perito financeiro judicial? Ele é o profissional designado pelo Juiz para periciar demandas que estão sendo questionadas na Justiça e que envolvem cálculos remuneratórios, tributários e de toda ordem financeira, como as questões trabalhi...
O conhecimento e a interação contribuem para que Projetos Sociais sejam mais assertivos? Empreendedores Sociais costumam ser apaixonados por aquilo que eles apoiam, pela execução dos seus projetos – o que é ótimo. Isso passa, porém, a ser um problema quando o gestor fica tão imerso nas questões operacionais que esquece de olhar o mundo em volta. E...

Sobre Mestre SEO