MBA em Gestão de Projetos transformou a carreira de um engenheiro
3 minutos de leitura
03 de setembro de 2018

Mudança de visão: como o MBA em Gestão de Projetos transformou a carreira de um engenheiro

Dentro do leque de cursos de pós-graduação oferecidos pelo IPOG está o MBA Gestão de Projetos. É uma especialização muito procurada, pois ela atende as necessidades de profissionais que trabalham ou pretendem trabalhar com o gerenciamento eficiente de recursos e atividades.

Por meio dela, o especialista consegue ter uma visão ampla sobre a tomada de decisões em projetos, com base em planejamento estratégico de curto e longo prazo. E por falar em visão, o recorte a ser contado hoje pertence a João Victor de Moraes Nogueira, que mudou sua perspectiva sobre o trabalho de um gestor de projetos após iniciar o MBA.

Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Goiás, João Victor trabalha  há seis anos como Gerente de Obras na Enerwatt Engenharia e Comércio LTDA. Prestes a finalizar o MBA em Gestão de Projetos, ele compartilhou neste artigo algumas das transformações que a pós provocou em sua carreira.

As mudanças na rotina de trabalho 

Quando João Victor chegou na pós-graduação, a visão que ele tinha sobre um gestor de projetos era a de um profissional que só colocava a “mão na massa”, ou seja, apenas executava.

Hoje digo com toda a certeza que o sucesso de um projeto depende de um bom gestor, aquele que planeja estrategicamente e faz o controle de execução para que tudo corra bem”, afirma.

Ao relatar as mudanças em sua rotina de trabalho, ele coloca que a maior delas foi a mudança organizacional. “A empresa começou a verificar as diferenças entre um engenheiro puramente de ‘campo’ e um engenheiro de planejamento estratégico.”

É claro que, como explica o engenheiro, mudanças mais expressivas demandam um tempo maior e, pouco a pouco, elas vão sendo implementadas. Hoje, a empresa em que João Victor trabalha já compreendeu que é importante dividir as funções.

Basicamente cuido da parte de planejamento de obras, e não necessariamente da execução. É necessário que isso ocorra, visto que uma boa execução é reflexo de um bom planejamento. E para planejar é necessário ter foco e ter uma visão mais panorâmica do que será executado. Uma pessoa para realizar estas duas atividades tem grandes chances de perder o foco e a assertividade do projeto, além de custos, tempo de realização das atividades, dentre outros fatores.”

Os resultados com a Gestão de Projetos

Segundo João Victor, os resultados com a pós tem sido muito satisfatórios. Boa parte dos módulos são aplicados no seu ambiente profissional, o que gerou mudanças na metodologia usualmente aplicada na organização. “O profissional passa a ser visto pelo alto-escalão da empresa, o que traz reconhecimento profissional”, diz.

O investimento em sua qualificação tem contribuído para um bom planejamento que, segundo ele, também colabora com o trabalho do executor do projeto. “Se houver esse bom relacionamento entre GP e executor, uma avaliação durante e após o projeto, para analisar riscos e cada atividade executada, é fato que teremos sucesso no final”, afirma.

Perspectivas para o futuro

Questionado se o MBA trouxe perspectivas de um futuro no empreendedorismo, João Victor é seguro na resposta: “com certeza”. “Com as ferramentas aprendidas, a vontade de empreender e abrir um novo negócio torna-se muito mais aguçada”, completa.

No entanto, ele afirma ser “pés no chão”, pois, como um dos módulos o ensinou, é necessário sempre avaliar os riscos antes de dar este salto na carreira. “Ainda preciso ter um maior know-how e verificar o melhor momento para esta decisão”.

Os motivos que o levaram até o IPOG

Quando se decide investir em qualificação, é natural e indispensável buscar informações sobre a instituição de ensino na qual deseja ingressar. Nesse sentido, João Victor explica que encontrou no IPOG a credibilidade que precisava para aperfeiçoar sua carreira profissional.

Além disso, ele destaca o fato de o Instituto ser reconhecido e renomado no mercado, o que garante a ele apontar os seguintes diferenciais:

  • Professores renomados no mercado e que também ministram aulas em outras grandes instituições;
  • Metodologia IPOG;
  • Flexibilidade, devido ao fato de as aulas serem em um fim de semana por mês;
  • Networking qualificado, que permite contatos com profissionais de outras empresas;
  • Atualização constante na área de gerenciamento de projetos em âmbito nacional;
  • Boa parte dos professores tem vivências profissionais interessantes e compartilham suas experiências de mercado com os alunos, o que gera maior proximidade entre ambos.

“É uma área totalmente interessante, que precisa de profissionais bem qualificados, o que está bem em falta no mercado. E esta especialização profissionaliza quem tem interesse em ingressar em uma empresa de renome no mercado, tanto nacional quanto internacional”, conclui.

Por que não considerar essa transformação na sua carreira? Conheça o nosso MBA em Gestão de Projetos e amplie as suas perspectivas profissionais.


Artigos relacionados

Como a infraestrutura de transportes e rodovias pode ajudar na retomada do crescimento do Brasil Um dos principais desafios hoje no Brasil está centrado nos gargalos apresentados pela falta de infraestrutura de transportes e rodovias. Sempre procuro estabelecer um comparativo da eficiência dos modais brasileiros com a de países de mesmo porte territorial ...
#MulheresNoComando: porque juntas elas são mais fortes “Empreender é aprender”. A frase é de autoria das amigas Maria Valente e Wiara Pimenta, empresárias que se conheceram por alimentar a mesma paixão pelo empreendedorismo. Há anos na área, desde a infância, inclusive, elas trilharam esse caminho convictas de ...
Estratégias eficazes para aumentar a visibilidade de consultórios de saúde Como a área de saúde trabalha com clientes que muitas vezes estão vulneráveis ao procurar os profissionais, a humanização do atendimento faz a diferença. "A conexão emocional entre paciente e profissional de saúde permite que o tratamento flua de maneira mais ...

Sobre João Nogueira

Engenheiro Elétrico pela Universidade Federal de Goiás. Pós-graduando em Gestão de Projetos pelo Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG). Gerente de Obras I na Enerwatt Engenharia. 

Comentários