Como funciona a Avaliação Neuropsicológica em idosos?
3 minutos de leitura
11 de maio de 2018

Como funciona a Avaliação Neuropsicológica em idosos?

A população está vivendo por um tempo maior e isso é muito bom. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), uma pessoa nascida no Brasil em 2016 tem a expectativa de viver, em média, até os 75 anos. O estudo realizado em 2011 pelo IBGE sobre o envelhecimento no Brasil aponta que a população idosa, pessoas com 60 anos ou mais, corresponde a 23,5 milhões de brasileiros.

Tem uma música do Arnaldo Antunes que diz: “A coisa mais moderna que existe nessa vida é envelhecer”. E concordo muito com essa frase, realmente, não há nada mais moderno que envelhecer. E chegar nessa fase da vida é uma grande conquista, mas também é um grande desafio.

Juntamente com o processo do envelhecimento, as doenças envolvidas e associadas ao envelhecimento também se tornam mais frequentes. E dentre essas doenças estão as demências. A Neuropsicologia é uma especialidade da psicologia que contribui com o tratamento dessas doenças.

Portanto, nesse artigo abordarei as principais contribuições da avaliação neuropsicológica em idosos e a sua relação no tratamento de demências. Se você quer se informar sobre esse assunto, continue a leitura desse artigo.

Qual a importância da Avaliação Neuropsicológica em idosos?

A Neuropsicologia se compromete, na avaliação com idosos, identificar se as habilidades cognitivas, que são a atenção, linguagem, memória, percepção visual e outras funções executivas, se conferem com aquilo que é esperado para determinada faixa etária ou se elas estão apresentando algum prejuízo além do esperado para a idade do paciente.

O cérebro envelhece e então algumas habilidades cognitivas podem se alterar. Por exemplo, é comum um idoso ficar mais lento, a qualidade da atenção ser um pouco mais limitada, ele pode ter uma dificuldade de velocidade de processamento de respostas. Mas isso só até certo ponto. Não é esperado que isso seja tão intenso e nem é esperado que ele tenha dificuldades significativas para gravar novas informações, para ter raciocínios e assim por diante.

Avaliação neuropsicológica para tratar a demência

A avaliação neuropsicológica em idosos contribui, e muito, para a identificação dos processos demenciais. E cada vez mais, nós Neuropsicólogos contamos com repertório de testes e instrumentos que estão sendo validados pra população brasileira, contemplando essa faixa etária mais avançada.

Um fator muito importante que o profissional precisa saber que esse tratamento não engloba apenas a necessidade de compreender o envelhecimento cognitivo saudável, mas também compreender o perfil cognitivo de cada demência. Como exemplo, a demência de Alzheimer, demência vascular, demência frontotemporal, dentre outros tipos da doença. É fundamental compreender as patologias e acompanhar esse paciente, porque mesmo que a demência não tenha cura, ela tem um tratamento para amenizar os seus impactos.

As intervenções medicamentosas precisam ser associadas às intervenções não medicamentosas. Dentre elas a reabilitação cognitiva, que visa minimizar o impacto das demências no dia a dia do idoso e da família. Além das estratégias de treino cognitivo para tentar diminuir a velocidade da progressão da demência.

Se você tem interesse em atuar nessa área, a Pós-Graduação em Neuropsicologia do IPOG tem um módulo dedicado sobre a avaliação neuropsicológica do adulto e idoso. Por meio de aulas teóricas e práticas você aprenderá estratégias, testes, técnicas, instrumentos e ferramentas e estará apto para atuar no tratamento de adultos e idosos.

E você, o que achou desse conteúdo? Compartilhe nos comentários a sua opinião. Aproveite e leia também o artigo Neuropsicologia Infantil: dificuldades de aprendizagem, diagnóstico e intervenção.

 


Artigos relacionados

RDC nº 73/16: quais as principais normas para as mudanças pós-registro de medicamentos? O crescimento do mercado de medicamentos no Brasil, integrado às inovações e estudos científicos, requer da indústria farmacêutica que caminhe na mesma direção para acompanhar a evolução e atender as necessidades do setor. Para contribuir com esse processo, em...
A importância da auditoria no combate de fraudes no SUS As fraudes no sistema de saúde público do Brasil é uma realidade bastante dispendiosa. Um levantamento realizado pela Controladoria Geral da União (CGU) detectou que, entre 2002 e 2015, o desvio de dinheiro da saúde pública atingiu cerca de R$5,04 bilhões, o e...
Auditoria em Saúde: ferramenta de gestão em unidades de saúde No mundo globalizado, os sistemas de saúde vêm enfrentando dificuldades decorrentes da incorporação de tecnologia na assistência, em um momento de forte crise no setor financeiro, associado à crescente demanda da população cada vez mais bem informada e exigent...

Sobre Rejane Soares Ferreira

Psicóloga pela UnB, Mestre em Psicologia pela UnB, Neuropsicóloga pela PUC, Curso de Avaliação e, Tratamento da Dor Crônica pela USP,  Curso de Psicogeriatria pela USP e Professora do curso de Pós-graduação em Neuropsicologia do IPOG. 

Comentários