Transtorno de personalidade limítrofe e psicoeducação
5 minutos de leitura

Transtorno de personalidade limítrofe: como a psicoeducação auxilia no tratamento da síndrome

Transtorno de personalidade limítrofe

O transtorno de personalidade borderline (TPB), conhecido também como transtorno de personalidade limítrofe (TPL), é uma condição marcada por um grupo de sintomas que trazem grande instabilidade em diversas esferas da vida de uma pessoa.

Autoimagem, humor e relacionamentos são alguns dos aspectos mais afetados pelas flutuações e impulsividades características do paciente com TPB/TPL, que se pauta no temor da rejeição ou abandono real ou imaginado.

Além das oscilações emocionais, repentinas e contínuas, a pessoa com transtorno de personalidade limítrofe pode apresentar ameaças e tentativas de suicídio, automultilações, além de um comportamento manipulativo como tentativa de evitar o abandono ou o sentimento de rejeição.

É comum ainda a presença de comorbidades, como sintomas de depressão, ansiedade, transtornos alimentares, uso de substâncias, entre outros.

Um estudo do National Center for Biotechnology Information aponta que 1,6% da população nos Estados Unidos sofre desse transtorno, sendo mais de 70% dos pacientes mulheres.

Neste artigo, vamos abordar como algumas ferramentas da Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), em especial a psicoeducação, contribuem de forma eficiente para o tratamento e bem-estar dos pacientes. Boa leitura!

Como lidar com pessoas com síndrome de borderline?

O primeiro ponto de abordagem do transtorno de personalidade limítrofe é o correto diagnóstico, antes de proceder com fármacos e psicoterapias. Para isso, é necessário levantar o histórico de alterações emocionais abruptas, comportamentos de riscos e até mesmo eventuais quadros dissociativos que possam ocorrer.

Esse diagnóstico costuma ser baseado nos parâmetros dispostos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders), 5ª edição (DSM-5).

O profissional deve identificar no paciente no mínimo cinco das seguintes características:

Critérios de diagnóstico do TPB

  • Esforços desesperados para evitar abandono real ou imaginado
  • Padrão de relacionamentos interpessoais instáveis e intensos, caracterizados pela alternância entre extremos de idealização e desvalorização
  • Perturbação da identidade: instabilidade acentuada e persistente da autoimagem ou da percepção de si mesmo
  • Impulsividade em pelo menos duas áreas potencialmente autodestrutivas (ex.: gastos, sexo, abuso de substância, direção irresponsável, compulsão alimentar)
  • Recorrência de comportamento, gestos ou ameaças suicidas ou auto mutilantes
  • Instabilidade afetiva devido a uma acentuada reatividade de humor (ex.: disforia episódica, irritabilidade ou ansiedade intensa com duração geralmente de poucas horas e, apenas raramente, de mais de alguns dias)
  • Sentimentos crônicos de vazio
  • Raiva intensa e inapropriada ou dificuldade em controlá-la (ex.: demonstrações frequentes de irritação, raiva constante, brigas físicas recorrentes)
  • Ideação paranoide transitória associada a estresse ou sintomas dissociativos intensos

Embora algumas características possam estar presentes em adolescentes e crianças, para determinar o diagnóstico, o início majoritário dos sintomas deve ser no começo da idade adulta, por volta dos 18 anos.

Frequentemente, é preciso também diferenciar bipolaridade e borderline. Enquanto o primeiro é um transtorno de humor caracterizado por episódios, o segundo refere-se a um transtorno da personalidade, aparecendo de forma contínua.

A terapia cognitivo-comportamental no transtorno de boderline

As psicoterapias para quem sofre com o transtorno de personalidade limítrofe são uma forma de reduzir os sintomas e melhorar a qualidade de vida, fazendo com que a pessoa viva melhor cotidianamente.

Há variadas abordagens possíveis em psicoterapia, mas sem dúvida a terapia comportamental dialética, uma vertente da terceira geração da TCC, que foi desenvolvida a partir de estudos com pacientes de TPL, se destaca.

Essa linha se organiza por meio de sessões individuais e em grupo, havendo também um orientador por telefone. A meta é reduzir comportamentos impulsivos e destrutivos, resistindo às reações imediatas em eventos estressantes.

Normalmente, é uma linha bem estruturada, o que demanda compreensão do paciente sobre o funcionamento. Essa vertente está organizada em quatro módulos:

  • Módulo de mindfulness: consiste em observar emoções, pensamentos, hábitos etc., estando presente de forma plena, sem julgamentos.
  • Módulo de regulação emocional: para reconhecer e compreender as emoções, reduzindo a vulnerabilidade.
  • Módulo de tolerância ao estresse: voltado ao desenvolvimento de habilidades para sobreviver a situações de mal-estar, crises e adversidades, por meio de exposições com apoio.
  • Módulo de efetividade interpessoal: ensina o paciente a estabelecer relações saudáveis, com autorrespeito e administração de limites.

Outra abordagem que tem sido mobilizada com frequência é a terapia dos esquemas, vertente que combina a TCC e outras linhas da Psicologia a fim de identificar esquemas desadaptativos que foram sedimentados na infância e implicam os comportamentos impulsivos e destrutivos da vida adulta.

Os pacientes com transtorno de personalidade limítrofe costumam apresentar uma série de esquemas. Assim, a terapia auxilia a revisão de aspectos do passado e atuais que influenciam os problemas emocionais dos sujeitos.

Psicoeducação e o transtorno de personalidade limítrofe: importância para o paciente e para a família

Além das técnicas de exposição, como acontece no módulo de tolerância, das técnicas de habilidades sociais e no de efetividade interpessoal, uma das mais importantes ferramentas da TCC para o tratamento da personalidade limítrofe é a psicoeducação.

As terapias da linha cognitivo-comportamental caracterizam-se por uma abordagem colaborativa, ativa, diretiva, de aprendizado, fomentando a autonomia do paciente e a adesão adequada à psicoterapia.

Em linhas gerais, a psicoeducação tem se mostrado eficiente na orientação de paciente e familiares, pois permite a compreensão do transtorno enfrentado, do modelo de TCC adotado, da importância de realizar as tarefas de casa, do que são as falhas cognitivas e de como elas se relacionam com o transtorno.

Sobretudo pela psicoeducação, pacientes e familiares podem ter uma melhor aceitação e adesão do tratamento e das estratégias que propiciam mudança. Estudos indicam também a eficiência do método ao auxiliar pacientes a desenvolver mecanismos para lidar com aspectos negativos, estigmas e preconceitos.

Além de possibilitar a diminuição de sintomas residuais dos transtornos, essa ferramenta contribui para a regularidade do estilo de vida e a aquisição de hábitos saudáveis, o que é um aspecto crucial para os pacientes de TPL.

Dominar as ferramentas da TCC e ter habilidade para acioná-las de forma eficaz nas abordagens psicoterapêuticas exige capacitação sólida, pois, apesar de parecerem técnicas simples, é a combinação adequada que favorece melhores resultados.

Por essa razão, muitos profissionais têm apostado nos cursos de especialização para complementar a formação ofertada nas graduações e aprofundar os conhecimentos.

Pensando nisso, o IPOG, instituição com ampla experiência na formação de qualidade para a realidade e desafios do mercado de trabalho atual, oferece um curso de pós-graduação em Terapia Cognitivo Comportamental. Se você deseja alavancar a sua carreira, antes de escolher onde estudar, fale conosco.

Gostou deste artigo sobre Transtorno de personalidade limítrofe? Confira mais 3 títulos que podem interessar:

Conheça o IPOG – Instituto de Pós-graduação e Graduação

Uma instituição de ensino com nome e reconhecimento no mercado, que faz a total diferença no currículo.

O IPOG – Instituto de Pós-graduação e Graduação – oferece diversos cursos de ensino superior e tem em seu quadro de docentes professores de excelência e renome no mercado. A proposta é um ensino humanizado que estimule o desenvolvimento das potencialidades de cada aluno.  

O IPOG está presente em todos os estados do país e no Distrito Federal e conta com quase 20 anos de experiência em formar grandes profissionais.

A satisfação do aluno se tornou a sua marca registrada: o índice chega a 97,14% em todo o país. Os projetos pedagógicos realizados na instituição são diferentes dos já existentes no mercado, o que fez com que a instituição alcançasse o status que tem hoje.

Artigos relacionados

O que a lei diz sobre o crime de Omissão de Socorro? O crime de omissão de socorro encontra-se descrito no artigo 135 do Código Penal. Sua descrição consiste na omissão de socorro, ou seja, na atitude de deixar de socorrer pessoas em situação de vulnerabilidade, como crianças abandonadas ou perdidas, pessoas inv...
Pós-graduação em Neurociência: conheça o curso remoto do IPOG Cursar uma pós-graduação em Neurociência tem sido o caminho encontrado por profissionais, oriundos de diversas áreas, interessados nas aplicações possíveis da ciência voltada ao estudo do cérebro e do sistema nervoso central. Tornar-se um especialista em n...
Como a medicina baseada em evidências contribui para a racionalização da judicialização da saúde?... A medicina baseada em evidências é essencial para uma tomada de decisão judicial prudente e contribui para a racionalização da judicialização da saúde. Quer saber como é esse processo? Nesse artigo você vai saber o que é, para que serve e como a medicina basea...

Sobre Assessoria de Comunicação

Equipe de produção de conteúdo.

Comentários