A era do Marketing de Influência: aprenda utilizar essa estratégia
3 minutos de leitura
05 de fevereiro de 2018

A era do Marketing de Influência

A ascensão das redes sociais possibilitou uma nova forma de se trabalhar a relação das empresas com seus clientes, com o advento do Marketing de Influência. Vivemos um mundo onde as relações Costumer to Costumer (C2C) estão cada vez mais fortalecidas devido à influência de personalidades virtuais que foram alçadas ao patamar de Digital Influencers. Evoluímos para um mundo de pós-confiança, onde os consumidores se amparam em outros consumidores para definirem suas decisões de compra.

Neste ambiente onde o exemplo e a experiência alheia valem mais do que a publicidade convencional, as empresas têm entendido o qual eficaz tem sido associarem suas marcas a essas celebridades virtuais. Nichos diversos de mercados podem ser explorados pelas redes sociais dessas personalidades digitais como, por exemplo:

– Destinos turísticos;

– Experiências gastronômicas;

– Tendências fitness;

Moda e tendências;

– Artigos para casa e decoração;

– Entre outros

A gama de áreas a se beneficiarem das redes sociais dos influenciadores é infinita. De olho nesta forte tendência, e em sua eficácia perante os consumidores, a empresa norte-americana Linqia se especializou em inserir produtos e oportunidades entre influenciadores que impactam o público almejado pelos empresários.

Recentemente, a Linqia coordenou uma pesquisa que mensurou a assertividade das ações de marketing de influência empreendidas e se deparou com dados altamente positivos sobre a sua eficácia.

Benefícios imediatos possibilitados pelo Marketing de Influência:

– Baixo custo das ações;

– Associação da marca à popularidade do influenciador digital;

– Relevância perante o público almejado;

– Facilidade para se compartilhar na rede de contatos as experiências escolhidas como interessantes;

– Apresentação do produto ligado à experiência real do influenciador.

Poder mensurado pela pesquisa sobre o Marketing de Influência: um raio X da pesquisa

1. Custo benefício

Segundo a pesquisa da Linqia intitulada “The State of Influencer Maketing 2018”, 39% dos profissionais de marketing ouvidos planejam aumentar em cerca de 30% o orçamento destinado para ações de marketing de relacionamento durante 2018. Isso corresponde a gastos na ordem de até US$30 mil para estas estratégias. 25% deles informaram que vão destinar até US$100 mil para esses canais de influenciadores. Apenas 5% disseram que vão diminuir o orçamento destinado a esse nicho de publicidade.

2. Utilização da estratégia

Cerca de 86% dos gestores entrevistados adotaram essa estratégia em 2017, sendo que 92% deles disseram terem alcançado seus objetivos.

3. Redes sociais mais eficientes

Quase a totalidade dos gestores entrevistados, cerca de 92%, consideraram o Instagram a rede mais eficiente para associarem suas marcas. Em seguida, aparece o Facebook com 77% da preferência. Em terceiro lugar ficaram os blogs, correspondendo a 71% da preferência, o que configurou um grande salto quando comparado aos meros 48% de preferência mensurados em 2016.

4. Estratégias previstas

O Marketing de Influência já é uma realidade consolidada nos departamentos de comunicação das principais empresas. Portanto, já desponta no planejamento anual de mídia traçado pelos gestores. Cerca de 52% dos executivos entrevistados já contam com programas que incluem vários tipos de influenciadores como parte das estratégias.

Outros 44% já se planejam para recorrer a tais influenciadores para melhorar o desempenho de seus canais próprios de vendas; e 36% vão aproveitar o Marketing de Influência para integrá-lo a seu conteúdo de e-commerce.

5. Desafios do Marketing de Influência

Chegamos ao ponto de se testar o alcance do conteúdo criado pela própria empresa versus aquele produzido pelos influenciadores, para mensurar quais das plataformas representam maior assertividade diante do público. As ferramentas e as métricas disponibilizadas são um forte auxílio nesse processo.

Essa mensuração também será importante na hora de se delimitar como a verba do Marketing de Influência será distribuída, entre quais influenciadores. Muito se questiona sobre a verdadeira influência das celebridades virtuais. Grande parte apresenta números relevantes de seguidores, mas não trabalham adequadamente o conteúdo proposto pelas empresas.

Por outro lado, existem aqueles que não agregam tantos seguidores, mas possuem uma audiência qualificada, com altos índices de interação e assertividade nas indicações propostas.

O grande desafio para os gestores de marketing que se enveredam por essa área será definir qual a melhor estratégia a ser aplicada nas suas campanhas: se a de massificação com menor potencial de engajamento; ou a de segmentação delimitada e de maior poder de convencimento.

Por sorte, a tecnologia e as métricas estão ai para contribuírem com essa árdua tarefa. O avanço das ferramentas de monitoramento e as ações nas plataformas próprias são o passo inicial para o amadurecimento dessa estratégia, que deixará de ser feita na base da confiança para ser cada vez mais analítica.

 

Artigos relacionados

O poder do Geomarketing: Estratégias eficientes para atingir o público almejado Antes de entender o que é Geomarketing, é necessário saber como esta estratégia surgiu. Os smartphones conferiram à sociedade uma nova forma de se comunicar em tempo real, de onde estiver, apenas dependendo do sinal de internet para ser visto, observar e falar...
Investir em vídeos como iscas para novos negócios A internet criou diferentes formas para as empresas interagirem com seu público alvo. As redes sociais e o canal Youtube abriram uma janela de fomento à produção de vídeos irrestrita, onde hoje, qualquer pessoa com um smartphone consegue produzir e divulgar su...
Conheça as principais ferramentas de Business Intelligence Você sabe quais são as principais ferramentas de Business Intelligence? A inteligência de mercado ou Business Intelligence (BI), como ficou conhecida no mundo todo, é uma forma de se entender como comportam os prospects de uma empresa, ou mesmo seus concorr...

Sobre Guilherme Pinheiro

Bacharel em Sistemas de Informação pela Universidade Federal de Goiás (UFG), Pós-Graduado em Marketing e Pós-Graduando em Empreendedorismo e Inovação Digital pelo IPOG. Atualmente é Analista Web no IPOG, responsável por indicadores (KPI's) e análises web. Professor de Excel Avançado, tendo atuado também no SENAC-GO. Microsoft Office Specialist em Excel, especialista em Marketing Educacional, certificado Google, Marketing de Conteúdo (Rock Content) e Inbound Marketing (HubSpot)

Comentários