Sped Fiscal: o que é e como funciona?
2 minutos de leitura
13 de março de 2017

Sped Fiscal: o que é e como funciona?

IPOG, Sped Fiscal

Sped Fiscal, chamado também de EFD (Escrituração Fiscal Digital) é o nome dado ao processo de escrituração digital da Receita Federal. Com ele, a Receita Federal e os órgãos fazendários estaduais receberão dos contribuintes todas as informações que precisam sobre a apuração de ICMS e IPI.

É o meio pelo qual as empresas simplificam e facilitam a entrega da documentação necessária para o fisco e elimina a necessidade de ter documentos em papéis, o que garante a fiscalização para o governo e reduz a burocracia para a entrega desses documentos.

A Escrituração Digital funciona da seguinte forma: a empresa deverá enviar mensalmente um arquivo digital contendo toda a escrituração de documentos fiscais e outras informações de interesse do fisco estadual e da Secretaria da Receita Federal do Brasil, além dos registros de apuração de impostos referentes às operações e prestações praticadas pelo contribuinte.

O Sped Fiscal é entregue no formato de um arquivo digital, que precisa ser submetido ao Programa Validador e Assinador (PVA), fornecido pelo próprio Sped. Após essa verificação. O arquivo digital precisa ser assinado, utilizando uma certificação emitida por uma entidade credenciada.

Problemas apresentados pelas empresas

O professor do curso de MBA Contabilidade, Auditoria & Gestão Tributária do IPOG, Fellipe Guerra, relata que a maioria das empresas comerciais tem apresentado problemas nas gestões das informações de seus estoques.

Com o advento do Sped Fiscal, o fisco passa a ter um monitoramento presente e constante das operações com mercadorias e, dessa forma, pode projetar o estoque final com base nas operações mercantis”, afirma o contador.

Diante desse cenário, Fellipe adverte que é fundamental que as empresas tenham bastante cuidado com a gestão de estoque e cadastro dos produtos, principalmente no que se refere aos códigos e as unidades de medidas utilizadas, sejam elas para comercialização ou gestão dos inventários.

Quais os principais erros?

Para muitos, o sistema do Sped Fiscal é considerado complexo e muitos erros acabam acontecendo. Os principais deles, de acordo com o próprio site do Sped, são:

  • Campos obrigatórios não informados
  • O contador cadastrado não é responsável pelo período da apuração
  • Regime de apuração de PIS/Cofins não ajustado nas configurações da empresa
  • O código do IBGE nos parâmetros da cidade não foi informado
  • CST possui equívocos
  • Número da nota que consta no campo “chave de acesso” está diferente do informado no campo “número da nota de entrada”
  • PIS e Cofins não configurados nos afretamentos
  • Entre outros

Como fazer para ver um passo a passo de como submeter o Sped Fiscal?

O próprio Sped oferece um guia prático para ajudar a fazer e enviar o arquivo de Sped Fiscal. Vale lembrar que todos os contribuintes do ICMS estão obrigados a manter o registro do livro de inventário.

 


Artigos relacionados

Conheça o crescimento profissional de Solanne Sandes na contabilidade Diante de uma variedade de profissões disponíveis no mercado, escolher a que realmente tem a ver com o nosso perfil não é uma tarefa fácil. Mas para Solanne Clenia, tomar essa decisão nunca foi uma dificuldade. Formada em Ciências Contábeis pela Universidade E...
Normas internacionais de contabilidade (IFRS). Você está preparado? Passados oito anos da promulgação da Lei nº 11.638/07,  que ocasionou uma revolução nas normas de contabilidade no Brasil e deu início ao processo de convergência com as normas internacionais de contabilidade (IFRS), o que se pode notar, com base nos debates e...
Contabilidade para franquias no Brasil Antes de falarmos sobre a contabilidade para franquias, você sabia que abrir este tipo de negócio é considerado um mistério para muitos profissionais? Neste artigos vamos desmitificar esta questão. Para quem deseja empreender, todas as oportunidades de negócio...

Sobre Fellipe Guerra

Contador, consultor empresarial, especialista em SPED e professor do curso de MBA Contabilidade e Direito Tributário do IPOG.

Comentários