Você sabe o que é Erro Médico? Conheça os seus direitos
4 minutos de leitura
21 de junho de 2017

Você sabe o que é Erro Médico? Conheça os seus direitos

erro médico

O erro médico é um problema com altos índices de denúncia na justiça e em conselhos de medicina. Em 2014, mais de 643 profissionais receberam punições do Conselho Federal de Medicina (CFM). O dado foi divulgado em uma matéria publicada pelo jornal O Estadão. 

A população está cada vez mais informada e tomam as devidas providências em busca dos seus direitos. Uma pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (Iess) apontou que em 2015 as consequências por falhas médicas provocaram mais de 430.000 mortes.

Quais são as práticas que caracterizam o erro médico?

O erro médico acontece por uma falha no exercício profissional e pode ser classificado em três categorias:

Negligência: são erros cometidos pela falta de atenção e cuidado com o paciente por meio de um procedimento que o médico deixou de realizar.

Imperícia: quando um médico não é totalmente capacitado para realizar o devido tratamento em que houve o erro.

Imprudência: quando um médico toma uma decisão precipitada de um procedimento que não deveria ser feito e não é comprovado cientificamente pela medicina, podendo colocar a vida do paciente em perigo.

Quais são os tipos de indenização?

O indivíduo que se submete a um tratamento de saúde está amparado pelo Código de Defesa do Consumidor. E se no atendimento ocorrer um erro médico, o serviço foi irregular. Sendo assim, o paciente pode recorrer aos seus direitos por lei.

As consequências da falha de algum procedimento médico pode levar o paciente à morte ou pode deixar alguma sequela que pode comprometer para sempre a execução de alguma atividade na vida de uma pessoa. Se o erro médico for devidamente comprovado pela justiça, o profissional e o hospital vinculado ao atendimento precisam se responsabilizar com indenizações por dano material, moral e estético para a vítima ou familiares.

Danos materiais

A indenização por danos materiais está relacionada com os gastos que o paciente teve para custear o procedimento, despesas com outros serviços médicos para resolver o problema ocasionado pelo erro, remuneração por um trabalho que poderia estar executando e outros custos relacionados com a situação, que depende de cada caso. Como exemplo, os custos pré, durante e pós o tratamento, com novo meio transporte, alimentação, etc.

Danos morais

Os danos morais referem-se a todo constrangimento moral que o paciente passou durante e pós o tratamento. Como exemplo a retirada incorreta de um órgão.

Danos estéticos

O direto de receber por danos estéticos também é assegurado pela justiça. Essa indenização está vinculada a toda e qualquer deformação ou alteração que afete a aparência do paciente de forma negativa ou fora do esperado.

Como orientar um paciente em caso de erro médico?

Caso alguma pessoa suspeite de falha no tratamento médico, é preciso seguir os passos abaixo:

1º) Recorrer a um advogado particular ou gratuito pela Defensoria Pública.

A análise jurídica do advogado responsável irá verificar se o é caso é valido para uma ação judicial.

2º) Fazer um Boletim de Ocorrência na delegacia da região;

3º) Denunciar o erro médico no Conselho Regional de Medicina;

4º) Entrar com um processo na Justiça Civil ou realizar um acordo extrajudicial;

Quando o erro médico envolve lesões graves ou morte, o profissional que executou o procedimento pode responder na justiça pelo crime de lesão corporal ou homicídio culposo.

O profissional especializado em Direito Médico pode também atuar de forma preventiva e educadora para salvar vidas. É preciso conscientizar as pessoas sobre a importância de procurarem informações sobre o médico e unidade de saúde antes de realizar um tratamento.

Nos casos que envolvem a saúde pública, sabemos que pode ser um caminho sem muita escolha. É fundamental conhecer a qualidade do serviço prestado, quantidade mortes e erros médicos já cometidos, número de infecções hospitalares, entre outras informações que podem dar uma segurança maior na escolha do profissional e hospital para efetuar um tratamento.

Orientações para profissionais da saúde

O profissional da saúde também deve procurar o auxílio de um advogado especializado em Direito Médico em acusações relacionadas à erro médico. A melhor opção é prevenir uma demanda judicial, que em situações de perda, além de danos financeiros, pode interferir negativamente no exercício da sua profissão com a suspensão do registro médico.

Também ocorrem casos em que um profissional de saúde pode ser julgado indevidamente por um erro médico. Acontece que em algumas situações o tratamento pode ter um resultado fora do esperado mesmo que todos os procedimentos tenham sido realizados da forma correta.

É muito importante também que os médicos e outros profissionais da saúde se especializem na área de Direito Médico para conhecer as leis, os direitos e deveres no que se refere à prestação de serviços da saúde.

A medicina tem a finalidade de cuidar e preservar a vida humana. E para isso, precisa-se de profissionais qualificados, honestos e éticos, e que, acima de tudo, seja um médico humano o suficiente para respeitar a saúde dos seus pacientes.


Artigos relacionados

Conheça as principais normas do Código de Ética Médica Se você atua na área médica, seja como profissional da saúde, do Direito ou até mesmo um gestor hospitalar, você sabe que a medicina é regida pelo Código de Ética Médica. Mesmo diante de uma profissão tão regulamentada e com a ciência cada vez mais avançada, a...
Judicialização da saúde no Brasil em números O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) publicou o Relatório Justiça em Números 2017, ano-base 2016 e os resultados, de forma geral, mostram que as ações judiciais continuam crescendo e a judicialização da saúde segue o mesmo ritmo. A judicialização da saúde c...
Para que serve a Avaliação Neuropsicológica? A Neuropsicologia é uma especialidade de intersecção entre a Psicologia e a Neurologia, que visa entender de que forma o funcionamento cerebral influencia nas diversas funções sociais, emocionais, motoras cognitivas de uma pessoa, como a atenção, memória, raci...

Sobre Caroline Regina dos Santos

Mestre em Direito, Relações Internacionais e Desenvolvimento, Doutoranda em Biotecnologia pela UFG, Conselheira da OAB-GO, Presidente da Comissão de Direito Médico, Sanitário e Defesa da Saúde, Coordenadora do MBA em Direito Médico e Proteção Jurídica Aplicada à Saúde do IPOG.

Comentários