Ataque cibernético em escala global: confira as principais informações sobre o crime
3 minutos de leitura
17 de Maio de 2017

Ataque cibernético em escala global: confira as principais informações sobre o crime

Vivenciamos o maior ataque cibernético dos últimos tempos. Mais de 150 países foram atingidos e mais de 300 mil computadores foram invadidos. Órgãos do governo, hospitais, universidades e empresas de todo o mundo ficaram reféns de criminosos virtuais.

Nos EUA, geralmente acontecem 4 mil crimes cibernéticos por dia. Dispositivos digitais de empresas e pessoas são atingidas por vírus que pedem uma quantia em dinheiro em troca das informações criptografadas, e esse valor varia de U$50 mil a U$1 milhão de dólares.  Em 2016, o Brasil ocupou a 4ª posição no ranking com a maior quantidade de ataques cibernéticos no mundo. Mais de R$ 42 milhões de pessoas foram impactadas e os prejuízos passaram de R$32 milhões.

De acordo com um levantamento da U.S Nacional Cyber Security Alliance, 60% das pequenas empresas que sofrem ataques virtuais não conseguem se manter no mercado devido aos altos custos provenientes dos cibercrime.

A execução do crime

A ameaça cibernética propaga com facilidade em computadores que estão interligados em rede. O Sever Message Block (SMB), do Windows, apresentou uma falha no sistema de compartilhamento de arquivos e foi afetado por “ransomware”, um malware que bloqueia os dados que estão armazenados no disco rígido do sistema infectado e que só são liberados mediante o pagamento em uma quantia de dinheiro.

Esse tipo de ataque é considerado como um sequestro de informações em ambiente digital. O ransomware, chamado de WannaCry, acessou o servidor de cada computador e criptografou os arquivos. Quando o usuário acessou o sistema, uma mensagem informou o crime.

Os criminosos criptografaram a maioria dos documentos, banco de dados, imagens, vídeos e outros arquivos que estavam armazenados na máquina e pediram U$ 300 em bitcoint, a moeda virtual utilizada no crime como resgate para garantir a recuperação das informações roubadas. Se o pagamento não fosse cumprido no prazo determinado, o valor poderia dobrar ou então os arquivos seriam deletados. A promessa é que depois que o pagamento em bitcoin for efetuado, os dados roubados serão devolvidos.

O bitcoin é uma moeda virtual criptografada de difícil rastreamento. Na semana do ataque, um bitcoin chegou a custar US$ 1.800. A estimativa é que os hackers conseguiram aproximadamente 1 bilhão de dólares com essa invasão.

Algumas empresas afetadas:

  • A Telefônica do Brasil e da Espanha tiveram 85% dos computadores infectados e o valor do resgate girou em torno de R$1,72 milhão.
  • Os hospitais da rede pública de saúde do Reino Unido, National Health Service, tiveram prejuízos na comunicação interna e no atendimento telefônico. Vários atendimentos programados foram cancelados.
  • Os computadores do Tribunal de Justiça e do Ministério Público de São Paulo e da Previdência Social tiveram que ser desligados por medida de segurança.

Medidas de segurança:

Estamos cada vez mais conectados e dependentes da internet, por isso, a segurança da informação tem o papel fundamental na proteção de dados de qualquer empresa e ou pessoa. Confira algumas medidas de segurança que poderão evitar ataques de harckers em computadores, celulares, tablets ou outro dispositivo com acesso à internet.

  •  Instale um antivírus de confiança;
  • Faça o backup diário dos arquivos em nuvem, pen drives, HDs Externo ou outra plataforma; O importante é realizar esse procedimento em locais diferentes.
  • Atualize o sistema operacional do computador, celular, tablet ou outro dispositivo digital;
  • Não abra mensagens e arquivos recebidos por e-mail de fontes desconhecidas ou com conteúdo suspeito;
  • Acesse sites confiáveis;
  • No site da Microsoft está disponível a correção para o erro no SMB e informações de atualização de segurança.
  • Conscientize os colaboradores da sua empresa sobre a importância da segurança da informação;

Investigação digital

A Computação Forense mundial trabalha com ferramentas e técnicas para combater e investigar crimes digitais. Coletar, preservar e analisar os dados é o caminho para gerar provas e identificar o infrator para devida punição judicial. Com o aumento de crimes cibernéticos a polícia precisa ter uma equipe de peritos digitais especializada, munida de diversos métodos digitais para combater esses delitos. O desafio é criar mecanismos eficazes para investigar os negócios feitos com moedas virtuais.


Artigos relacionados

Tendências tecnológicas: 5 dicas para potencializar os seus negócios Vivemos em uma era plenamente envolvida pelas facilidades advindas do desenvolvimento tecnológico. Hoje, temos praticamente todas as nossas atividades resolvidas no alcance de um clique. Saber tirar proveito dessas facilidades se tornou um fator crucial para o...
UFED Touch Ultimate: conheça a solução completa da Cellebrite para a investigação forense em disposi... Existem muitas soluções no mercado que proporcionam a extração, análise de dados, desbloqueio, descriptografia de dispositivos móveis, como: tablets, smartphones, GPS, cartões de memória. A Cellebrite é referência global em soluções forenses para as forças de ...
Perícia Audiovisual: entenda como funciona a investigação em áudios, vídeos e imagens A maioria dos crimes cometidos hoje em dia, como roubos, homicídios, sequestros, pedofilia, tráfico de drogas e corrupção política, entre outros, possui registros e evidências em diversas mídias eletrônicas. A análise forense é responsável pela investigação de...

Sobre Walber Pinheiro

Doutorando em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa em Porto (Portugal) e coordenador do curso de Computação Forense e Perícia Digital do IPOG.

Comentários