Crimes virtuais de pornografia infantil na mira de peritos criminais
4 minutos de leitura
20 de novembro de 2017

Crimes virtuais de pornografia infantil na mira de peritos criminais

É fato que as novas tecnologias contribuem para a agilidade nas investigações de crimes cibernéticos. Mas também provocam um grande aumento de crimes virtuais, principalmente contra crianças e adolescentes.. De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a cada dia, cinco crianças, em média, são vítimas de violência sexual na Internet e pornografia infantil.

Indicadores de crimes virtuais de pornografia infantil contra crianças e adolescentes

De acordo com os Indicadores da Central de Denúncias de Crimes Cibernéticos, no período de 2006 a 2016, a Central de Denúncias recebeu e processou 1.518.617 denúncias anônimas de Pornografia Infantil envolvendo 312.037 páginas (URLs) distintas (das quais 119.623 foram removidas) escritas em 9 idiomas e hospedadas em 65.907 hosts diferentes, conectados à Internet através de 42.188 números IPs distintos, atribuídos para 94 países em 5 continentes. As denúncias foram registradas pela população através dos 7 hotlines brasileiros que integram a Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos.

Crimes virtuais de pornografia infantil

O criminoso que usa a Internet para aliciar ou obter material pornográfico envolvendo crianças e adolescentes normalmente não quer ser identificado e esse meio de comunicação facilita o anonimato. Mesmo sendo um ambiente complexo para investigar, as novas tecnologias forenses e o avanço da legislação brasileira têm se tornado grandes aliados dos peritos criminais nas investigações contra crimes virtuais de pornografia infantil. (Conheça o nosso curso sobre Computação Forense e Perícia Digital)

As operações realizadas de combate à exploração sexual de crianças pela polícia brasileira têm sido bastantes eficazes na identificação do crime e punição de criminosos.

Vamos a um exemplo bem comum:

Se um criminoso iniciou uma conversa com uma criança ou um adolescente pela Internet e começou a assediar ou aliciar o menor de idade, cometeu o primeiro crime. Se durante essa conversa o delinquente conseguir fotos ou vídeos de caráter pornográfico, praticou o segundo crime. E se ele salvar esses arquivos no computador incorreu em mais um crime. E se publicar esse conteúdo na Internet praticou o outro crime.

Dessa forma, tal criminoso cometeu quatro crimes que estão previstos no Estatuto da Criança e Adolescente, cujas penas somadas podem chegar em 20 anos de reclusão.

Legislação

O uso da Internet possui algumas regras e leis, sendo que no Brasil, a legislação e a investigação de crimes contra crianças e adolescentes estão cada vez mais rígidas.

A Lei Federal nº 8.069, de 13 de julho de 1990, do Estatuto da Criança e do Adolescente, caracteriza como crime práticas relacionadas ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

A Lei nº 11.829, de 25 de novembro de 2008, do Estatuto da Criança e do Adolescente, foi criada para aprimorar o combate à produção, venda e distribuição de pornografia infantil, bem como criminalizar a aquisição e a posse de tal material e outras condutas relacionadas a crimes de exploração sexual de crianças e adolescentes na Internet. Tais crimes estão previstos nos artigos 240 e 241 do ECA.

Nesse ano duas leis sancionadas pela Presidência da República alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente, possibilitando novas formas de investigação e aumentando a punição dos criminosos. Uma determinou a perda de bens e valores usados no crime e a outra lei permitiu a infiltração policial na Internet para produzir provas.

A primeira orientação vem de casa!

Os pais ou responsáveis por crianças e adolescentes devem conversar e explicar quais os benefícios e riscos do uso não consciente da Internet para a vida. Bem como orientar quais comportamentos e condutas devem ser praticadas para acessar no mundo virtual com segurança.

Todos podem contribuir para combater esse crime e proteger as crianças e adolescentes através de denúncias em órgãos específicos, como exemplo, o Disque 100 e a Polícia. Precisamos preparar e educar as crianças e adolescentes para o uso adequado da Internet. O combate e a prevenção de crimes virtuais de pedofilia e pornografia infantil andam de mãos dadas.

Tecnologia Forense para combater crimes virtuais de pornografia infantil

O aumento de crimes virtuais de pornografia infantil tem exigido atenção redobrada dos peritos criminais e investimentos em tecnologia forense para o enfrentamento desses crimes.

Para a atuação em investigações contra essa prática criminosa, os peritos contam com softwares e hardwares com inteligência forense que permitem:

NuDetective

A investigação de crimes virtuais contra crianças e adolescentes no Brasil tem avançado com o desenvolvimento de novos softwares forenses. A ferramenta NuDetective é um grande exemplo. O sistema foi desenvolvido para contribuir com as investigações suspeitas de crimes contra a criança por meio da detecção automática de nudez e pornografia infantil em arquivos armazenados em computadores, HDs, pen drives, cartões de memória e celulares.

Quer saber mais e conhecer as principais características e técnicas computacionais de análise desse software?  Leia o artigo “NuDetective: ferramenta forense de combate à pedofilia”.


Artigos relacionados

Como é feita a análise forense do Sistema Operacional Windows? Visto que todo computador necessita de um sistema para iniciar suas funções, você já parou para pensar como os peritos digitais investigam crimes em sistemas operacionais? Se você tem interesse em saber mais sobre esse assunto, nesse artigo vou esclarecer como...
4 Dicas para evitar transtornos no ambiente virtual Você já calculou quantas horas por dia passa conectado na internet? Não há dúvidas: ela tem assumido um papel cada vez mais importante nas nossas vidas e o uso das redes sociais está cada vez mais presente no nosso cotidiano. A nova geração, desde muito ced...
A evolução da Bitcoin: a moeda virtual de maior popularidade dos últimos anos Em 1990, a internet viu emergir um movimento que ficou conhecido por cyberpunks, composto por hábeis programadores entusiasmados com o potencial de independência conferido pela internet, em uma época em que ela estava distante da regulamentação governamental. ...

Sobre Pedro M. S. Eleutério

Graduado em Engenharia de Computação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e mestre em Ciências da Computação e Matemática Computacional pela Universidade de São Paulo (USP). Atua como Perito Criminal Federal na área de Informática desde 2006. É autor da Ferramenta Forense NuDetective, que auxilia na identificação de arquivos de pornografia infanto-juvenil em computadores. É professor da pós-graduação em Perícia Criminal & Ciências Forenses do IPOG.

Comentários