Aluno IPOG conta como a pós-graduação contribuiu com seu desenvolvimento em perícia criminal
3 minutos de leitura
23 de fevereiro de 2018

Inspirando Carreiras: perito e aluno IPOG conta como a pós-graduação contribuiu com seu desenvolvimento profissional

Buscar conhecimento por meio de uma pós-graduação tem sido o diferencial de profissionais que desejam estar mais preparados para os constantes desafios do mercado de trabalho. Uma história inspiradora é a do farmacêutico e perito criminal de Boa Vista (RR), Eduardo Aníbal, que cursou a pós-graduação em Perícia Criminal e Ciências Forenses do IPOG . Ele nos contou como essa especialização contribuiu com o seu desenvolvimento profissional. Confira essa história inspiradora do aluno IPOG:

Aluno IPOG: trajetória profissional de sucesso

No início da carreira, meados de 97, Eduardo trabalhou em drogarias e laboratórios farmacêuticos. Em 2009 conquistou um antigo sonho: foi nomeado como Perito Criminal da Polícia Civil de Roraima. E então começou a fazer parte do universo das Ciências Forenses e, dentro do Instituto de Criminalística do Estado, começou a atuar em perícias em locais de crime.

Hoje ele é chefe do setor de perícias internas e se orgulha muito de toda essa trajetória profissional. Segundo o perito, seguir essa profissão é a certeza de uma carreira promissora. “É uma área fascinante e impactante ao mesmo tempo, de muito aprendizado e com uma boa remuneração. Isso me inspirou muito para prestar o concurso público. Eu amo o meu trabalho e não me imagino fazendo outra coisa”, ressalta Eduardo.

Mercado promissor

O perito acredita que existe um campo vasto para atuação nas Ciências Forenses. Ele destaca que a figura do assistente técnico está cada vez mais presente nos processos judiciais, e com isso, abre um leque de oportunidades e, de forma positiva, exige do perito oficial reforçar a qualidade dos laudos.  “O mercado está cada vez mais exigente e competitivo, por isso, a única forma de se manter nele é através da atualização do conhecimento”, orienta o perito.

Importância da especialização na carreira

A necessidade de se atualizar e adquirir conhecimento foram os principais motivos que fizeram o perito se especializar no IPOG. “Trocar experiências com os professores e colegas de pós-graduação agregou muito na minha vida profissional. Foi um diferencial na minha carreira estudar com profissionais que eu conhecia apenas nos livros, como é o caso do Professor Jesus Antônio Velho. A especialização em Perícias Criminais e Ciências Forenses contribuiu, e muito, com o desenvolvimento do meu trabalho em locais de crime”, conta o aluno do IPOG.

Case de sucesso – Perícia em local de crime

O Perito Criminal compartilhou conosco a investigação que marcou a sua carreira como perito:

“A chacina da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo que matou 33 presos foi um marco na minha carreira. Foram várias horas de trabalho em local de crime e muita tensão por conta da rebelião e da cena do crime, mas realizamos um excelente trabalho na busca dos vestígios para o esclarecimento dos fatos”, relata o aluno IPOG.

Dica de especialista

Eduardo Aníbal deixou algumas orientações para os profissionais que desejam atuar nessa área. Confira:

– Analisar bem se realmente tem afinidade para trabalhar com perícia criminal. É uma área muito impactante e você irá se deparar com cenas assustadoras.

– A concorrência para concursos públicos de peritos estão cada vez maiores por conta da remuneração atrativa. Por isso, dedique-se aos estudos.

– O perito é um cientista. O laudo deve ser produzido a partir de métodos científicos. Por isso, mais uma vez, estude muito.

– A curiosidade e a observação também devem ser companheiras do dia a dia.

– Para acompanhar as tendências, mudanças e avanços da área Forense, você precisa se especializar na área. Para ter sucesso profissional, estudar é o segredo.

Reconhecimento profissional

O aluno IPOG destacou que antigamente o perito era uma figura discreta, mas que hoje a realidade é outra: “O trabalho pericial tem sido bastante reconhecido em nível nacional e isso representa uma maior responsabilidade para os peritos, pois o nosso trabalho é base para a tomada de decisão da Justiça”, afirma Eduardo.

Para finalizar, Eduardo Aníbal reforçou que à medida que tecnologia vai se aperfeiçoando, os crimes também estão mais complexos, e é papel do perito acompanhar essa evolução. E para isso é preciso investir em treinamentos, equipamentos e especializações.

Como você pôde ler, a trajetória profissional do Eduardo Aníbal é bastante inspiradora. Faça como ele, invista em seu desenvolvimento profissional com um curso de pós-graduação ou MBA e compartilhe também a sua história aqui no blog.

Aproveite e conheça a experiência profissional do Perito Criminal e aluno do MBA em Computação Forense e Perícia Digital do IPOG, Thiago Henrique de Souza Santos, na investigação de crimes virtuais.


Artigos relacionados

5 passos essenciais para realizar a perícia forense em celulares Em janeiro de 2018, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) registrou no Brasil mais de 236,2 milhões de celulares. Esse grande número de aparelhos disponíveis e o desenvolvimento de novos recursos tecnológicos em dispositivos móveis trouxeram desafios...
Como investigar um crime ambiental? Frequentemente nos deparamos com denúncias de desmatamento, poluição, tráfico de animais, entre outras atividades ilegais que degradam o meio ambiente. Qualquer ação que provoca agressão ou danos à fauna, flora, recursos naturais e patrimônio cultural é consid...
Indústria 4.0: a era dos sistemas inteligentes e da convergência digital Você já sabe o que é Indústria 4.0? Então, vem com a gente! Smartphones, tablets, computadores, máquinas, sistemas automatizados, inteligência artificial, tudo isso está se tornando tão comum em nosso dia a dia que nem nos damos conta de como a tecnologia tem ...

Sobre Eduardo Aníbal Lopes Marreiros

Farmacêutico desde 1997, atuou em drogarias, laboratórios e hospitais em Boa Vista. Foi bioquímico da prefeitura de Boa Vista e do Estado de Roraima, foi conselheiro regional do conselho de farmácia de Roraima e atualmente é conselheiro federal suplente do CFF pelo estado de Roraima. É perito criminal desde 2009 e especialista em Perícia Criminal e Ciências Forenses pelo IPOG.

Comentários