Como é realizado o trabalho do perito em um local de crime?
4 minutos de leitura
22 de fevereiro de 2018

Como é realizado o trabalho de perícia em local de crime?

A perícia em local de crime é considerada o “berço” da Criminalística. É geralmente o ponto de partida de uma investigação e é o espaço que se encontram vestígios que se transformam em provas para condenar ou inocentar um suspeito. No local de crime, seja ele um espaço físico ou virtual, o perito tem a função de analisar a cena, buscar e analisar vestígios que contribuam para esclarecer o crime, indicando os autores e a dinâmica dos fatos.

Quer se aprofundar mais nesse tema e saber em detalhes de como é realizado o trabalho do perito em um local de crime? Esse artigo foi preparado especialmente para contribuir com o seu conhecimento nesse assunto. Boa leitura!

Análise de vestígios no local de crime

A análise de vestígios no local de crime é de suma importância para o andamento da investigação. Um grande exemplo, caso que chocou e entristeceu todo o país, é a morte da pequena Isabella Nardoni, de 5 anos, que foi jogada do sexto andar de um prédio em São Paulo pelo seu pai com a ajuda da madrasta em 2008. A partir da análise dos vestígios no apartamento (local do crime) de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá foi possível encontrar provas, como o buraco na tela de proteção, as pegadas na cama, as manchas de sangue e as marcas da tela de proteção na camisa do pai,  que comprovaram a autoria do crime pelo casal.

Como é feita a perícia em locais de crime?

A perícia em locais de crime deve ser minuciosa e seguir os seguintes procedimentos:

  1. Isolar e preservar o local de crime;
  2. Avaliar se o local de crime está devidamente isolado e preservado;
  3. Observar minunciosamente o local do crime antes de entrar no espaço;
  4. Reunir com a equipe de peritos para analisarem e definirem a melhor forma de iniciar o processamento do local. No local do crime deve haver no mínimo dois peritos para executar o trabalho;
  5. Escolher o método de busca de vestígios: linha, linha cruzada, espiral ou quadrante.
  6. Marcar os vestígios encontrados;
  7. Anotar, registrar e documentar todos vestígios encontrados,  por meio de: fotografia, descrição narrativa (escrita, áudio ou vídeo), e croqui da cena;
  8. Coletar os vestígios de acordo com as técnicas adequadas para preservar as características de cada item, seja ele biológico, físico ou químico;
  9.  Após a coleta, reunir com a equipe para checar se o trabalho realizado até então foi suficiente;
  10. Encaminhar o material coletado para análise pericial em laboratório de criminalística;
  11. Lembrar de cumprir a cadeia de custódia;
  12. Liberar o local.

Principais orientações para a perícia em local de crime:

  • Ter cautela;
  • Registrar todos os vestígios antes da coleta e constatações;
  • Analisar criticamente se os vestígios são vulneráveis à degradação;
  • Utilizar materiais adequados para coletar os vestígios;
  • Embalar e transportar os vestígios adequadamente;

A cadeia de custódia tem uma importância fundamental na perícia em locais de crime, visto que, a documentação cronológica dos vestígios poderá ser utilizada como prova.

Principais equipamentos utilizados pelos peritos no local de crime:

Para executar a perícia em locais de crime em ambiente físico, os peritos contam com uma maleta composta com os seguintes materiais e ferramentas:

  • Cianoacrilato e pós diversos para revelação de impressões digitais , lâminas, fitas adesivas e outros materiais para a coleta de impressões digitais;
  • Lanternas com diferentes comprimentos de onda para visualizar vestígios latentes (não visíveis a olho nú)
  • Luminol e outros materiais para testes e identificação de sangue;
  • Trena digital;
  • Paquímetro;
  • GPS;
  • Embalagens para coleta e transporte de vestígios;
  • Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) para cada tipo de ocorrência (luva, máscara, óculos, jaleco, etc.);
  • Lupa;
  • Pincéis, pinças, tesoura;
  • Escalas;
  • Marcadores de vestígios;
  • Pranchetas e canetas;
  • Reagentes para análise e identificação de entorpecentes;
  • Materiais para suporte;
  • Máquina fotográfica;
  • Notebook.

Para realizar esse trabalho o perito precisa pertencer a algum órgão de perícia oficial competente, ser capacitado e treinado com as técnicas de investigação em local de crime, ser observador, dinâmico, detalhista, ter cuidado, atenção, preparo físico e psicológico e saber trabalhar em equipe.

Se você tem o interesse de seguir a carreira na área forense, conheça o curso de pós-graduação em Perícia Criminal & Ciências Forenses do IPOG e esteja plenamente preparado para contribuir com a promoção da Justiça.

Recomendação de leitura

Se você tem interesse de se aprofundar mais nesse assunto, a nossa sugestão é a leitura do livro “Locais de Crime – Dos Vestígios à Dinâmica Criminosa”, dos Peritos Criminais Federais e professores do IPOG Jesus Antonio Velho e Clayton Tadeu Mota Damasceno.

Na obra você conhecerá técnicas, conceitos e procedimentos aplicados ao processamento pericial de locais de crime, com desenhos esquemáticos de procedimentos, análises de casos, imagens e fotos em cores. É um verdadeiro tratado sobre Locais de Crime, imprescindível para o profissional que atua ou tem o interesse de atuar na área forense. Você pode adquirir o livro pelo site: www.millenniumeditora.com.br

 


Artigos relacionados

4 Dicas para evitar transtornos no ambiente virtual Você já calculou quantas horas por dia passa conectado na internet? Não há dúvidas: ela tem assumido um papel cada vez mais importante nas nossas vidas e o uso das redes sociais está cada vez mais presente no nosso cotidiano. A nova geração, desde muito ced...
Tendências tecnológicas: 5 dicas para potencializar os seus negócios Vivemos em uma era plenamente envolvida pelas facilidades advindas do desenvolvimento tecnológico. Hoje, temos praticamente todas as nossas atividades resolvidas no alcance de um clique. Saber tirar proveito dessas facilidades se tornou um fator crucial para o...
Conheça as vantagens de utilizar um Escritório Inteligente Em 2016, a instituição de pesquisas Penn Schoen Berland realizou um levantamento com 3800 profissionais de empresas de 10 países e apresentou o seguinte dado: apenas um, em cada quatro brasileiros, diz que trabalha em um ambiente inteligente. Cerca da metad...

Sobre Walber Pinheiro

Doutorando em Ciências da Informação pela Universidade Fernando Pessoa em Porto (Portugal) e coordenador do curso de Computação Forense e Perícia Digital do IPOG.

Comentários