Finanças Corporativas: atenção para o reenquadramento tributário
2 minutos de leitura
28 de março de 2018

Finanças Corporativas: atenção para o reenquadramento tributário

Enquanto o orçamento doméstico se apresenta como uma verdadeira montanha russa no decorrer do ano, com altos e baixos de acordo com as contas a pagar, as empresas que ficam atentas ao planejamento financeiro conseguem se organizar com maior facilidade. O empresário que mantém uma boa assessoria financeira se prepara para fazer o seu correto reenquadramento tributário, liberado no início de cada ano fiscal. Por que é importante fazer esse reenquadramento:

  • para pagar os impostos dentro das alíquotas exatas;
  • não correr o risco de pagar impostos inadequados à sua realidade de faturamento; um erro de enquadramento pode gerar o ano inteiro alíquotas maiores do que opções legais de regime de tributação;

Enquadramento Tributário

Atualmente, há três regimes fiscais disponibilizados para as empresas brasileiras. Veja a quem se aplica:

Simples Nacional

Instituído pela lei complementar 123/06, reuniu em um único documento a arrecadação do pagamento do IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a contribuição para seguridade social destinada à previdência social. O teto de faturamento para se enquadrar neste regime é de R$4,8 milhões em 2018.

A categoria dos Microempreendedores Individuais também foram beneficiados pelo recolhimento mensal dos mesmos tributos do Simples Nacional. Em 2018, o limite de ganhos do MEI foi ampliado para R$ 81 mil.

Confira: Impactos sobre inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculos do PIS e COFINS

Lucro Presumido

Neste regime a alíquota é calculada a partir da projeção do faturamento do negócio, com base na receita bruta e demais receitas que também estão sujeitas à tributação. Há duas formas de arrecadação: a que incide o IRPJ e CSLL; e a dos demais tributos cobrada separadamente (PIS/Pasep, Cofins, ICMS, ISS). Empresas que faturam até R$78 milhões estão enquadradas neste regime.

Lucro Real

Regime tributário definido a partir do lucro líquido da empresa. Levam em consideração os acordos com as leis comerciais para a arrecadação do IRPJ e CSLL. Assim como no lucro presumido, os demais tributos são arrecadados separadamente.

Inteligência financeira

Os empreendedores que contam com orientação técnica na área contábil consegue se enquadrar de maneira a pagar o mínimo legal possível. Lembre-se que em hipótese alguma a receita federal efetua a devolução de impostos pagos a mais. Para saber exatamente qual o enquadramento ideal para sua empresa, fique atento à declaração ano subsequente. Nela constará o limite de ganhos. Com base neste resultado é possível vislumbrar o melhor enquadramento para o seu novo ano fiscal. Um bom consultor saberá conduzir adequadamente este processo.

Você está preparado para o futuro da contabilidade? Descubra aqui.

Saiba como iniciar uma consultoria contábil.


Artigos relacionados

Dia do Contador: O papel indispensável deste profissional!  Você sabia que, há 72 anos, o então presidente Getúlio Vargas assinou a lei que permitiu a criação do primeiro curso superior de Ciências Contábeis no Brasil, especificamente na Universidade Federal de Minas Gerais? Pois é, e o interessante é que a data em ...
Inspirando Carreiras: Aluno IPOG relata sucesso profissional com empreendedorismo contábil O empreendedorismo contábil tem conquistado espaço e valorização no mercado nacional. De acordo com dados de setembro de 2017 do Conselho Federal de Contabilidade, no Brasil existem mais 61 mil organizações contábeis, divididas entre sociedades, empresários, M...
Atenção contribuintes: a Declaração do Imposto de Renda 2018 começa em 1º de março! O Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (IRPF) é um tributo obrigatório que deverá ser declarado por quem recebeu rendimentos assalariados acima de R$ 28.559,70 em 2017. E o contribuinte que se enquadra neste perfil precisa estar atento aos prazos, uma vez...

Sobre Camilo Cotrim

Formado em Administração de Empresas, pós-graduado em Estratégia, especialista em Finanças, mestrando em Contabilidade e Coordenador do curso de MBA Gestão de Negócios, Controladoria e Finanças Corporativas do IPOG.

Comentários