Finanças Corporativas: atenção para o reenquadramento tributário
2 minutos de leitura
28 de março de 2018

Finanças Corporativas: atenção para o reenquadramento tributário

Enquanto o orçamento doméstico se apresenta como uma verdadeira montanha russa no decorrer do ano, com altos e baixos de acordo com as contas a pagar, as empresas que ficam atentas ao planejamento financeiro conseguem se organizar com maior facilidade. O empresário que mantém uma boa assessoria financeira se prepara para fazer o seu correto reenquadramento tributário, liberado no início de cada ano fiscal. Por que é importante fazer esse reenquadramento:

  • para pagar os impostos dentro das alíquotas exatas;
  • não correr o risco de pagar impostos inadequados à sua realidade de faturamento; um erro de enquadramento pode gerar o ano inteiro alíquotas maiores do que opções legais de regime de tributação;

Enquadramento Tributário

Atualmente, há três regimes fiscais disponibilizados para as empresas brasileiras. Veja a quem se aplica:

Simples Nacional

Instituído pela lei complementar 123/06, reuniu em um único documento a arrecadação do pagamento do IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a contribuição para seguridade social destinada à previdência social. O teto de faturamento para se enquadrar neste regime é de R$4,8 milhões em 2018.

A categoria dos Microempreendedores Individuais também foram beneficiados pelo recolhimento mensal dos mesmos tributos do Simples Nacional. Em 2018, o limite de ganhos do MEI foi ampliado para R$ 81 mil.

Confira: Impactos sobre inconstitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculos do PIS e COFINS

Lucro Presumido

Neste regime a alíquota é calculada a partir da projeção do faturamento do negócio, com base na receita bruta e demais receitas que também estão sujeitas à tributação. Há duas formas de arrecadação: a que incide o IRPJ e CSLL; e a dos demais tributos cobrada separadamente (PIS/Pasep, Cofins, ICMS, ISS). Empresas que faturam até R$78 milhões estão enquadradas neste regime.

Lucro Real

Regime tributário definido a partir do lucro líquido da empresa. Levam em consideração os acordos com as leis comerciais para a arrecadação do IRPJ e CSLL. Assim como no lucro presumido, os demais tributos são arrecadados separadamente.

Inteligência financeira

Os empreendedores que contam com orientação técnica na área contábil consegue se enquadrar de maneira a pagar o mínimo legal possível. Lembre-se que em hipótese alguma a receita federal efetua a devolução de impostos pagos a mais. Para saber exatamente qual o enquadramento ideal para sua empresa, fique atento à declaração ano subsequente. Nela constará o limite de ganhos. Com base neste resultado é possível vislumbrar o melhor enquadramento para o seu novo ano fiscal. Um bom consultor saberá conduzir adequadamente este processo.

Você está preparado para o futuro da contabilidade? Descubra aqui.

Saiba como iniciar uma consultoria contábil.

Artigos relacionados

Empreendedorismo na Contabilidade: 5 dicas importantes Empreendedorismo nos fornece a possibilidade de desbravar o novo e explorar oportunidades de negócios com ampla autonomia. Independente do segmento, produtos ou serviços oferecidos, haverá sempre desafios a serem enfrentados e superados. E o empreendedorism...
ICMS: Você sabe o que é e como calcular? Os impostos no Brasil são algo que podem dar dor de cabeça a muita gente, não é mesmo? Hoje vamos esclarecer um pouco mais sobre um dos principais tributos do país, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual...
Você já sabe como se preparar para o eSocial? De acordo com a Receita Federal, a partir de julho de 2018 todas as empresas, incluindo as micro e pequenas empresas e as cadastradas no MEI, terão que usar obrigatoriamente o eSocial para registrar informações de empregados. A exigência já passou a ser vál...

Sobre Camilo Cotrim

Mestre em Contabilidade pela FUCAPE Business School. Pós-graduado em Estratégia; Pós-graduação em Docência do Ensino Superior. Especializou-se em Finanças/Sebrae, em Franchising/ Franchising University/SP e Lead Assessor – MCG/Batalas. APG Sênior Amana-Key. Especialização, MBA em Gestão Organizacional Franklin Covey/IPOG; formado em administração pela PUC/GO. Formação de Conselheiro pelo IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Iniciou sua carreira no Sistema Sebrae em 1991 permanecendo por 11 anos, onde exerceu cargos de consultor, instrutor de treinamentos e gerente de projeto. De 2001 a 2007 atuou no segmento da educação superior onde exerceu cargo de Diretor Administrativo Universidade Salgado de Oliveira – (Universo), assumindo também as funções de Professor na graduação, pós-graduação, coordenador de pós-graduação, coordenador de Estágios e professor da graduação até 2015. Em 2007 assumiu a função de diretor no Hospital São Francisco de Assis, prestando também assessoria e consultoria a entidades de classe hospitalares em Goiás. Empreendeu como sócio em indústria de pequeno porte, empresa de consultoria (Dókimos), (Ressonância Magnética); Foi sócio da Dr. Atende JÁ!. Atualmente exerce a função de Conselheiro e realiza mentoria a executivos para preparação para sucessão familiar. Coordena o curso MBA em Gestão de Negócios, Controladoria e Finanças Corporativas. É professor de pós-graduação no IPOG. Sócio da ELLEVTI Inteligência em Negócios; Sócio da Prospera.

Comentários