Legislação trabalhista: por que devo conhecê-la?
5 minutos de leitura
19 de outubro de 2018

Legislação trabalhista: por que devo conhecê-la?

IPOG, Legislação trabalhista, Leis

Você conhece os seus direitos enquanto trabalhador? Sabe dizer o que foi alterado na legislação trabalhista com a reforma? E enquanto empregador, quais direitos devem ser resguardados aos seus colaboradores? Se as respostas forem algo como “mais ou menos” e “não”, este texto é para você!

Independente da sua situação atual, se está empregado ou não, conhecer a legislação que rege sobre os seus direitos trabalhistas é fundamental, ainda mais quando se considera as alterações ocasionadas pela recente reforma.

Por que é importante conhecer a legislação trabalhista?

Quem responde a questão é o juiz e professor do curso de Ciências e Legislação do Trabalho, Platon Teixeira de Azevedo Neto:

A grande maioria das pessoas mantém alguma relação de trabalho, seja como empregado ou empregador, seja como autônomo ou tomador de serviços. Por isso, é muito importante conhecer a legislação trabalhista, para conhecer os próprios direitos ou para saber as obrigações em relação ao contratado quando se contrata alguém para trabalhar.”

Não há como a resposta fugir do óbvio, no entanto, muitas pessoas ainda não se conscientizaram sobre a importância de entender as regras do jogo entre empregado e empregador. Sendo assim, a possibilidade de dar algum problema nessa relação é muito alta.

Platon explica que esse desconhecimento, além de prejudicar a pessoa a receber tudo aquilo que tem direito, também acarreta outras consequências negativas, tais como:

Da parte do empregador

  •  O empregador, às vezes, pode criar um passivo porque, ao longo de um período, deixa de cumprir as obrigações em relação aos seus empregados;
  • Em certos casos, por desconhecimento (ou até má fé), o patrão acaba por sofrer condenações na Justiça que poderiam ser facilmente evitadas, caso agisse em concordância com a lei.

ex: Muitos empregadores, ao não cumprir o que está previsto nas convenções coletivas, podem ser perfeitamente cobrados na Justiça.

Da parte do empregado

  • A falta de conhecimento sobre as verbas que integram a remuneração e repercutem no 13º salário e no 1/3 de férias, por exemplo, viabiliza pagamentos reduzidos, o que traz prejuízos no final das contas;
  • Pode-se citar, ainda, as questões relativas ao afastamento do trabalho por doenças e por outros motivos, que geram muita discussão por falta de conhecimento e compreensão da legislação trabalhista.

Ações trabalhistas: um reflexo do desconhecimento

O Brasil já ficou conhecido como o “campeão mundial de ações trabalhistas”, visto o alto número de protocolações na Justiça do Trabalho. No entanto, como já foi explicado neste artigo, a quantidade de ações reduziu drasticamente com a reforma, em vigor desde novembro do ano passado.

Só para se ter uma ideia, o Brasil registrou 289.426 mil processos dias antes da nova legislação começar a valer. São ações que decorrem, dentre outras motivações, por desconhecimento das leis trabalhistas, como explica o professor: “Não se pode generalizar, mas, em parte, a ausência de conhecimento gera muitas dessas ações”.

As mais comuns ocorrem por:

  • Falta de pagamento de adicionais e horas extras;
  • Ausência de recebimento de verbas rescisórias cumulativas com pedido de liberação de FGTS e Seguro Desemprego;
  • Não reconhecimento do vínculo empregatício cumulado, com pedido de pagamento de verbas que não foram pagas durante a relação sem registro;
  • Não reconhecimento de doença profissional cumulada com pedido de indenização e pensão mensal vitalícia;
  • Prática de danos morais sobre o trabalhador, seja em razão de assédio moral, seja por algum fato ligado à dispensa;
  • Acidentes de trabalho.

De acordo com o professor, muitas empresas erram ao não cuidar da documentação dos pagamentos e dos registros de jornada, o que, consequentemente, gera condenações que poderiam ser evitadas se a empresa fosse mais organizada.

Além disso, o desconhecimento da legislação trabalhista prejudica o pagamento de adicionais (noturno, insalubridade etc) e de outros valores que configuram erros frequentes de empregadores.

É muito importante documentar devidamente tudo o que ocorre na empresa, desde o início, elaborando um contrato de trabalho adequado e guardando os recibos e cartões de ponto, entre outros documentos relevantes”, afirma Platon.

Descumprimento por má fé

Assim como explica o professor, muitos conhecem a lei e, mesmo assim, a descumprem. “Acho que isso é influenciado em parte por uma questão cultural, por uma vontade de se beneficiar ao máximo das relações”, diz.

No entanto, ainda segundo Platon, a Justiça do Trabalho tem cumprido “um importante papel ao inibir condutas inadequadas de empregadores que exploram os trabalhadores para obter lucros indevidos”.

Do outro lado, também há empregadores que procuram a Justiça do Trabalho com “pedidos abusivos”, o que passou a ser reprimido após a Reforma Trabalhista. “Precisamos chegar a um equilíbrio e acredito que seja uma questão de tempo para tanto. Não se deve criar obstáculos para o acesso à Justiça, mas também não se pode admitir demandas absurdas”, afirma.

Como se resguardar de processos trabalhistas?

Para o professor, uma boa medida é contratar um advogado que realize consultoria preventiva. Outra medida interessante, segundo ele, é investir na capacitação dos profissionais da própria empresa, principalmente da área de recursos humanos, de forma a evitar erros que possam trazer sérios prejuízos financeiros.

O preparo dos empregados, principalmente daqueles que cuidam de admissão, punição e dispensa de funcionários, é fundamental.”

Além disso, como já foi dito, organização é tudo! As empresas devem manter um arquivo com todas as documentações referentes ao vínculo empregatício com o funcionário: registro de pontos, holerites, atestados médicos, etc. A organização ajuda a empresa a manter salvo tudo o que foi pago e aplicado de forma correta ao empregado, o que favorece o empregador em caso de processos.

Em suma, a dica primordial aqui é: conheça a legislação trabalhista! 

Trabalhador, entenda quais são os seus direitos!

Hoje há muitas informações disponíveis na internet e nas redes sociais. Toda a legislação se encontra no site da Presidência da República (www.planalto.gov.br). Além disso, muitas notícias tratam das mudanças da legislação trabalhista, e os trabalhadores podem consultá-las nos sites mais confiáveis.

O professor Platon ainda traz alternativas interessantes que contribuem na informatização sobre a legislação trabalhista. Confira:

O impacto da Reforma Trabalhista

Sobre as modificações na legislação trabalhista, o professor entende que elas trouxeram mais restrições do que benefícios para os trabalhadores. “Isso foi decorrência de uma legislação que se tornou, ao longo do tempo, bastante protetiva e causou uma reação da classe empresarial”, explica.

Contudo, ele também aponta algumas vantagens trazidas com a reforma, como a possibilidade de parcelar as férias, maior flexibilização da jornada e a regulamentação do teletrabalho, que é uma tendência do mundo contemporâneo. Segundo Platon, é uma questão de tempo e de melhora na economia para que as pessoas consigam sentir os impactos positivos das mudanças.

De modo geral, a reforma, ainda segundo o professor, trouxe uma atenção maior de toda a sociedade para a legislação trabalhista, tanto que é um tema debatido amplamente nessas eleições. Houve, inclusive, aumento do número de obras literárias sobre o tema.

Particularmente, fui autor de dois livros sobre a Reforma Trabalhista, um deles coordenado pelo nosso professor Rodrigo Dias. Além disso, escrevi dezenas de artigos sobre as mudanças.”

Sem dúvidas, a reforma da Legislação Trabalhista despertou o interesse da sociedade sobre as leis, principalmente da comunidade jurídica acerca do assunto. Ela reforça a importância de estar por dentro dos direitos que regem as relações de trabalho. Há muita informação disponível e de fácil acesso! Então, por que não conhecê-la?

Atento a este movimento, o IPOG oferece, além da pós-graduação em Ciências e Legislação do Trabalho, o curso Atualização da Reforma Trabalhista, cujo objetivo é estudar tema por tema. Acesse o link e conheça a nossa proposta!


Artigos relacionados

Gestão Jurídica: um novo horizonte para milhões de bacharéis em Direito Nos Estados Unidos os escritórios de advocacia já funcionam como verdadeiras empresas, com gestão especializada para atender as particularidades do exercício da profissão desde 1970. Enquanto isso, aqui no Brasil, a gestão jurídica profissionalizada acontece d...
Inovação, criatividade e empreendedorismo aplicados ao Direito Engana-se quem analisa a área do direito de forma estática e sem abertura ao novo. Assim como as demais carreiras, o exercício judicial tem evoluído consideravelmente na última década, e usufruído das inovações proporcionadas pela evolução tecnológica e dos me...
Inspirando carreiras: a pós-graduação que inspirou aluno a abrir a sua consultoria jurídica Ingressar em uma pós-graduação é um passo muito importante na carreira profissional, o qual muitas pessoas planejam executar. Seja para aprofundar conhecimentos, aprender novas coisas, aplicar conceitos ou investir todo o conteúdo absorvido em um projeto só se...

Sobre Platon Teixeira de Azevedo Neto

Juiz Titular da Vara do Trabalho de São Luís de Montes Belos/GO – TRT18. Doutor em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre em Direitos Humanos pela Universidade Federal de Goiás. Professor do IPOG no curso de Pós-Graduação em Ciências & Legislação do Trabalho. Professor Adjunto de Direito Processual do Trabalho da Universidade Federal de Goiás e Titular da Cadeira nº 3, da Academia Goiana de Direito.

Comentários