Danos Morais: o impacto nas organizações e os caminhos para evitá-los
5 minutos de leitura
07 de maio de 2018

Danos Morais: o impacto nas organizações e os caminhos para evitá-los

Somente nos dois primeiros meses de 2018 (janeiro e fevereiro), a Justiça do Trabalho somava 22.069 processos de Indenização por Danos Morais, segundo levantamento que trata dos assuntos mais recorrentes na JT, divulgado em abril.

No Ranking que acompanha o levantamento, o assunto em questão ocupa o 14º lugar de 1.117 posições (o primeiro, segundo e terceiro lugar estão ocupados pelos processos sobre Aviso Prévio, Multa do Artigo Nº 477 da CLT e Multa de 40% do FGTS, respectivamente).

O foco deste texto é justamente os Danos Morais, porque é muito comum que líderes e colaboradores tenham ainda muitas dúvidas em relação ao que sejam. Esse desconhecimento, consequentemente, contribui para que o dano ocorra dentro de uma relação trabalhista.

Nesse sentido, como trabalhar essa questão nas empresas? O que pode ser feito para que esse problema não ocorra? Quem são os responsáveis pela manutenção do clima organizacional e quais ferramentas/ações podem auxiliar para que o dano moral seja evitado?

Conversamos com especialistas das áreas de Direito e Recursos Humanos para trazer os principais pontos e discutir sobre um tema atual e que também foi alvo de mudanças na Reforma Trabalhista.

De início, o que são Danos Morais?

O professor do MBA Ciências e Legislação do Trabalho, Cleber Sales, explica que danos morais são aqueles que afetam os valores da pessoa, relacionados a dignidade, a honra e a imagem do indivíduo. São valores garantidos na legislação brasileira, a partir do que diz, por exemplo, o Inciso X (10) do Artigo 5, da Constituição Federal de 1988.
“Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se as brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

X – são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurando o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação;”

Segundo Cleber, danos morais caracterizam a “violação da intimidade no espaço do trabalho, a violação da dignidade, sendo possível ocorrer assédio sexual, assédio moral, violação a honra, dentre outros.”

O Professor também explica que dentre os tipos de danos mais recorrentes, existem aqueles que vão desde a restrição abusiva do uso do banheiro até situações mais graves como acidentes ou o próprio assédio sexual.
Aquele que passar por uma situação de ofensa e dano moral, tem à disposição a Justiça do Trabalho para abrir processo e reivindicar a indenização devida nos termos legais, a qual será deferida se a sentença reconhecer a prática.

O impacto da Reforma Trabalhista

Com a aprovação da Reforma Trabalhista, houve algumas modificações que impactaram diretamente os processos por danos morais. Agora, a nova lei estabelece que o trabalhador que ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho, caso receba parecer desfavorável, terá de arcar com os honorários da perícia e dos advogados envolvidos na ação. O valor a ser pago, nesses casos, pode variar até 15% do valor da sentença.

Essa alteração fez com que os processos de ações trabalhistas diminuíssem significativamente após a aprovação da reforma. Segundo o Tribunal Superior do Trabalho, o número de ações, em uma média mensal, caiu de 200 mil para 84,2 mil em dezembro.

“Ações sobre indenização caíram entre novembro do ano passado e fevereiro deste ano. Não sabemos se essa queda será constante ou momentânea, mas ela reduziu. E o grande motivo é o medo de muitos trabalhadores terem que arcar com esses honorários”, afirma.

O enfrentamento do problema nas organizações

Professor do IPOG, Mestre em Psicologia e Especialista em Análise e Diagnóstico Organizacional, Milton Marinho explica que quando se fala de danos morais na perspectiva de gestão de pessoas, é possível tratar de dois pontos de vista, a saber:

O primeiro ponto: “este é humanista e propõe fazer com que a empresa seja um ambiente acolhedor, com clima organizacional favorável, a ponto de que danos morais não existam, não sejam aceitos e nem mesmo praticados”.

O segundo ponto: “nesse segundo momento, temos os gestores e demais profissionais que devem ser continuadamente sensibilizados quanto à evitação de danos morais, pois a empresa é obrigatoriamente responsável quando há a prática de dano moral em um ambiente organizacional”.

Assim, os dois pontos se fundem como prática da gestão de pessoas: que o profissional seja trabalhado a não agir de forma que gere o dano e que a empresa não aceite atitudes como estas.

Uma geração com traços inflexíveis

É um desafio. Ainda mais quando se considera as eventuais inflexibilidades e vulnerabilidades da geração atual, como aponta Milton. “A nova geração de trabalhadores apresenta aspectos imediatistas. Nesse sentido, quando se traz uma fala em prol de sua melhoria e desempenho no trabalho, o colaborador tende a levar para o lado do dano moral. Não é só porque houve uma fala mais severa que ela se concretiza como dano moral”, afirma.

O professor diz que dano moral apresenta características específicas, como tempo, frequência e constância desse dano. Portanto, pode-se dizer que um ato isolado necessariamente não constitui dano moral.

“Acho que é dado às pessoas o direito de – em certos momentos – não estarem bem, diante de momentâneas situações de estresse e eventuais desequilíbrios naturais das relações do e no trabalho. O que deve preocupar-nos é a constância”, aponta.

E qual deve ser o papel do líder?

Definitivamente o líder de uma organização precisa saber do que se trata um dano moral, para que ele possa modificar seus hábitos, suas condutas, a ponto de contribuir para o crescimento do colaborador e da instituição.
O líder precisa ainda, como explica Milton, saber lidar com pessoas e não apenas gerar resultados, mas também gerar relacionamentos.

“Uma liderança precisa ser colaborativa para ter sucesso. Um líder tem que se mostrar cuidadoso na arte de melhorar e se transformar”.

E como o profissional de RH pode atuar nessas questões?

Para o especialista, a ação do profissional de RH nessas relações é primorosa, pois ele consegue agir não só sobre o indivíduo, mas sobre a atmosfera da organização.“O profissional de gestão de pessoas é um cuidador de atmosfera. Um ambiente nocivo, degradante, que ridiculariza, é um ambiente onde pessoas não crescem”.

Dessa forma, o primeiro passo é também saber do que se trata o dano moral. Milton explica que existe um senso comum de que esse tipo de dano se dá apenas por ridicularização, hostilização, o falar mais alto. No entanto, a recusa de comunicação, por exemplo, também se caracteriza como dano moral.

“Quando você não tem voz ativa, quando o líder não permite que você fale, essa recusa também é um dano, é a anulação do sujeito”, diz.

Ele também traz a deterioração proposital das condições de trabalho como exemplo, isto é, quando o líder degrada o ambiente para o colaborador não entregar o que precisa entregar. “Te chamo de incompetente, mas eu não te dei os recursos para que você pudesse me entregar o trabalho”, exemplifica.

Contribuições de um RH

• Reconhecer danos morais e agir com mecanismos que possam evitá-los;
• Fazer formação constante de líderes e gestores, principalmente com aqueles que se recusam a falar com seus colaboradores;
• Reconhecer perfis de liderança, saber se os relacionamentos interpessoais estão harmoniosos ou não;
• Trabalhar o clima organizacional, que propõe ambientes mais harmônicos, relacionamentos mais aprazíveis e contribui no combate ao dano moral;
• Identificar as atmosferas e saber o que precisa ser melhorado e transformado.

Para Milton, está no papel do profissional de recursos humanos ser cuidador de gente e ser transmissor de informação. “São os papéis fundamentais do RH, em relação a um tema tão complicado quanto este dentro de uma organização”.

Continue conectado no nosso blog e confira outros artigos que tratam da Reforma Trabalhista e de assuntos relacionados ao trabalho do Recursos Humanos.


Artigos relacionados

Como encontrar uma ideia inovadora para empreender Nada como o primeiro passo. Quantas vezes na sua vida você tomou uma decisão muito importante sobre o que acreditava ser um caminho a ser seguido, mas logo se deparava com a visão da nova jornada e tomava um choque de não saber como percorre-la? Muitas vezes p...
#MulheresNoComando: quando empreender torna-se uma consequência Empreender é um trabalho árduo, requer planejamento, requer investimentos. É preciso conhecer onde se pisa em cada etapa do processo. Mas, e quando apenas o coração e a intuição movem alguém a empreender? Mesmo que esse alguém não entenda nada sobre finanças, ...
O que as ferrovias têm a ver com a economia de um país? Nos últimos 50 anos, as ferrovias brasileiras vem sofrendo com a falta de investimento na construção de novas linhas férreas, em detrimento do desenvolvimento do modal rodoviário, haja vista que poucas obras foram iniciadas pelo governo federal e, dessas pouca...

Sobre Milton Marinho

Professor IPOG do curso de Psicopatologia - Configurações do sofrimento psíquico na contemporaneidade, Especialista em Análise e Diagnóstico Organizacional e Gestão de Negócios, Mestre em Psicologia. Atua em organizações com gestão de desempenho, gestão por competências, gestão de cargos, salários e carreira, além de indicadores de gestão de RH.

Comentários