Pós-graduação em arquitetura: qual fazer?
5 minutos de leitura
23 de agosto de 2018

Pós-graduação em arquitetura: qual fazer?

Pós-graduação em arquitetura

Na hora de escolher qual pós-graduação em arquitetura fazer ou onde estudar, você sabe o que é realmente importante analisar? Mais do que nome do curso ou valor da mensalidade, é importante estar atento ao que de fato esse curso irá oferecer para impactar na sua carreira.

Por isso convidamos o arquiteto Lorí Crízel para nos dar aquela força nessa missão. Lorí é coordenador dos cursos de pós-graduação em arquitetura do IPOG. Vamos lá?

Que itens pesquisar sobre uma instituição?

Credibilidade

Segundo Lorí, o primeiro passo é fazer uma pesquisa em termos de mercado. Descubra há quanto tempo essa instituição está no mercado, o que ela já representa.

Não pesquise apenas sobre o curso, mas busque informações sobre a empresa, em geral. Por exemplo: a que projetos essa instituição se dedica em paralelo? Quais são os programas que ela oferece para os seus alunos? Tem programas de qualificação ou extracurriculares?

Resumindo, busque uma instituição de pós-graduação que ofereça muito mais que a formação curricular somente. Escolha uma instituição que vá além do que normalmente é oferecido em especializações disponíveis no mercado.

A instituição é muito mais que o curso somente. Ela é o curso, o corpo docente, ela é o projeto do curso e também o que a instituição oferta além do curso”, explica o coordenador de pós-graduações em Arquitetura do IPOG, Lorí.

Busque mais do que capacitação técnica

Segundo Lorí, é importante lembrar que estamos em uma dinâmica de mercado em que a capacitação técnica é muito importante, mas existem quesitos que estão além disso e que fazem a diferença entre profissionais que vêm se destacando.

Por isso, é importante se fazer algumas perguntas antes de escolher qual pós-graduação em arquitetura você deve fazer:

De acordo com Lorí, essas são questões muito importantes porque demonstram como o profissional deve se preocupar mais com as relações humanas no dia-a-dia profissional e não apenas com a parte técnica, a qual, mais uma vez destacamos, continua sendo fundamental!

“Nós já passamos da fase em que o produto era o próprio produto”, explica o coordenador. “Hoje o valor está naquilo que vem com o produto: o atendimento, a qualidade da entrega, o pós-entrega. Vivemos em um dinâmica em que todos os profissionais, de todos os setores precisam trabalhar voltados para a humanização dos produtos“.

E para fazer isso, é preciso se capacitar. Entender como se dão esses processos de humanização e como tocar o cliente, mostrando que o que você oferece como profissional de arquitetura, não é apenas mais um produto. Mas sim, algo que irá atender sua necessidade. Portanto, procurar uma pós-graduação em arquitetura que tenha uma plano de ensino voltado pra essa linha de trabalho, já é um ponto bastante positivo.

Para Lorí, o arquiteto que enxerga a necessidade da humanização nas relações de trabalho é capaz de construir uma carreira sustentável, um negócio duradouro.

Busque referências

Converse com ex-alunos, veja o que acharam. Pergunte a eles que programas a instituição oferece para que os alunos que estão em uma pós-graduação em arquitetura possam se desenvolver profissional e pessoalmente.

No caso do IPOG, durante as várias possibilidades de pós-graduação em arquitetura, o aluno pode cursar os módulos Plenitude – Desenvolvimento Integral do Potencial Humano, pode participar do IPOG Mundi ou então, dos programas de viagens internacionais. Afinal, quem já viveu algo assim, sabe como uma experiência internacional pode revolucionar sua trajetória como arquiteto.

Corpo docente

Ao decidir cursar uma pós-graduação em arquitetura, você se abre para uma nova jornada de conhecimento. Por isso, na hora de escolher a instituição também é importante saber mais sobre o corpo docente.

Descubra se os professores atuam no mercado ou são apenas acadêmicos. Em uma pós-graduação isso faz diferença, pois quem atua sabe exatamente quais são as dificuldades que os arquitetos enfrentam em sua rotina de trabalho.

Não há problema em uma pós-graduação ter professores meramente acadêmicos, mas quando eles também atuam no mercado, são capazes de trazer uma realidade de fora da sala de aula para contribuir com os profissionais que ali estão”.

O aluno deve buscar uma instituição que não ofereça apenas aulas, mas um convívio efetivo com outros profissionais renomados no mercado, profissionais que entram em sala de aula predispostos a compartilhar conhecimento e não a repassar dinâmicas e determinadas práticas de uma maneira automatizada para atuar no mercado.

“No caso do IPOG, por exemplo, nossos professores têm o compromisso de personificar o conhecimento de acordo com as realidades de cada região. Sendo assim, o conteúdo atende diretamente às necessidades dos profissionais presentes em sala de aula”, explica Lorí.

Isso sim gera cases de sucesso, como vários que você pode conhecer aqui no Blog IPOG.

É preciso estar preparado!

De acordo com Lorí, o profissional que procura uma pós-graduação em arquitetura, precisa estar preparado em todos os sentidos. Precisa saber que terá que se dedicar, pois a pós-graduação entrega ao aluno, módulos que retratam o universo da profissão.

Portanto, são módulos diversos e profundos, com temas que inclusive poderiam se tornar uma nova pós-graduação em arquitetura. Uma ótima oportunidade para quem busca conhecer as diferentes possibilidades de atuação na área ou, até mesmo, definir um nicho para atuar.

Também é preciso estar preparado para uma busca constante de informações. O bom arquiteto sempre está se atualizando. E as tendências vão evoluindo inclusive ao longo da pós-graduação em arquitetura, por isso é tão importante estar preparado.

A pós-graduação em arquitetura entrega conteúdo de qualidade para o mercado nos dias de hoje, mas a busca por mais conhecimento deve ser constante”.

Por que buscar uma pós-graduação em arquitetura?

Para Lorí, se especializar é uma necessidade hoje em dia. Com o mercado de trabalho a cada dia recebendo mais profissionais, o melhor modo de se destacar e se posicionar é através do conhecimento e de práticas diferenciadas.

Lorí também destaca a importância do zelo profissional. O coordenador explica que o profissional deve demonstrar, inclusive para o cliente, que está em constante aprimoramento e crescimento. Todas as áreas da arquitetura hoje evoluem e se modificam muito rápido e para seguir essa dinâmica do mercado, também é necessário se atualizar sempre.

Ou você se aprimora e se dedica a isso, a buscar conhecimento em instituições e com profissionais qualificados, ou facilmente um cliente seu terá acesso às mesmas informações que você por alguma fonte popularizada, como a internet, por exemplo.

Para concluir, Lorí ainda destaca: “Fazer uma pós-graduação em arquitetura hoje é uma questão de permanência no mercado”.


Artigos relacionados

Arquiteta definiu área de atuação a partir da Pós-Graduação Apesar de só ter 27 anos, a arquiteta Natalia Borges já conta com uma vantagem que a coloca a frente de diversos colegas de profissão: tem convicção sobre o que ama fazer e sobre qual a sua área de atuação dentro da Arquitetura.  Ela é aluna da Pós-Graduação d...

Sobre Lorí Crízel

Arquiteto e Urbanista graduado pela Universidade Católica/RS; Mestre em Conforto Ambiental pela UFRJ; Membro do Comitê Especial Europeu de Pós-Graduação tendo atuado em: Inglaterra, Escócia, País de Gales e França; HA e Concept Designer – País de Gales, Inglaterra e França; Professor, Coordenador de Cursos e do Programa de Viagens de Estudos Internacionais do IPOG; Sócio-Proprietário do Escritório Crízel & Uren Arquitetos Associados detentor do Selo CREA/PR de Excelência em Projeto Arquitetônico; Atividades de imersão nos escritórios de Norman Foster (Londres), Zaha Hadid (Londres), Christian de Portzamparc (Paris), BIG (Copenhague), Hassell Studio (Cingapura), AEDAS Architecture (Cingapura), Architects 61 (Cingapura), Design Link Architects (Cingapura), Tandem Architects (Bangkok), DBALP Jam Factory (Bangkok) e X Architects (Dubai); Atividades Institucionais junto ao POLI.Design do Instituto Politécnico de Milão (Itália), McGill University (Canadá) e Universidade do Porto (Portugal).

Comentários