Infraestrutura de transportes e rodovias pode ajudar no crescimento do Brasil
2 minutos de leitura
21 de fevereiro de 2018

Como a infraestrutura de transportes e rodovias pode ajudar na retomada do crescimento do Brasil

Um dos principais desafios hoje no Brasil está centrado nos gargalos apresentados pela falta de infraestrutura de transportes e rodovias. Sempre procuro estabelecer um comparativo da eficiência dos modais brasileiros com a de países de mesmo porte territorial como Estados Unidos, China e Austrália, e fica nítido o quanto estamos atrasados neste sentido.

Nos Estados Unidos, por exemplo, todos os estados são interligados por rodovias duplicadas. Se isso fosse uma realidade por aqui, seria possível sair de Belém e chegar ao Rio Grande do Sul trafegando exclusivamente por vias duplicadas.

Essa carência de infraestrutura adequada gera altos custos para o transporte de mercadorias e commodities, causando a ineficiência dos planos logísticos traçados, e da diminuição da circulação de riquezas em solo nacional.

 Infraestrutura de transportes e rodovias: desafios logísticos

O grande desafio da atualidade é melhorar o nosso principal modal, que são as rodovias, sendo que a grande maioria não apresenta sequer pavimentação. Segundo levantamentos sobre a utilização dos modais no Brasil temos o seguinte cenário:

  1. 65% rodoviário
  2. 15% ferroviário
  3. 11% cabotagem
  4. 4% dutoviário
  5. 5% hidroviário
  6. 0,6% aeroviário

* Fonte Empresa de Planejamento e Logística (EPL) 2015

Raio X dos modais brasileiros

  • O Brasil possui cerca de 2 milhões de quilômetros de rodovias. Deste total, aproximadamente 90% não está pavimentada;
  • As hidrovias não são exploradas em todo o seu potencial;
  • Os portos são ineficientes e apresentam problemas estruturais como profundidade inadequada e acesso complexo;
  • Contamos com poucos aeroportos considerado o tamanho do país. A grande maioria é de pequeno porte.

O Brasil é uma folha em branco no quesito infraestrutura, tem muito a ser edificado para conseguir dar vazão e eficiência a toda riqueza produzida por aqui. Portanto, vi a necessidade de oferecer junto ao IPOG o MBA Infraestrutura de Transportes e Rodovias

Essa carência de Infraestrutura de transportes e rodovias faz o custo logístico brasileiro ser exorbitante. Um dos caminhos para resolver esse grande gargalo seriam as parcerias público privadas (PPP), estabelecidas entre o governo e a iniciativa privada. Só assim conseguiremos dinamizar e dar eficiência aos planos logísticos traçados pelos gestores das cadeias de suprimentos.

Clique aqui e entenda melhor sobre a Supply Chain (cadeia de suprimentos)

Artigos relacionados

Os ganhos da aplicação da Metodologia 5 S Originária do Japão, a Metodologia 5 S propõe uma série de atitudes necessárias para conferir eficiência aos processos do dia a dia das organizações, podendo ser aplicada nas mais diferentes áreas de atuação. Baseada em fundamentos de fácil compreensão, a meto...
Indicadores de RH: O caminho para a gestão estratégica No texto sobre o webinar RH: Equilíbrio entre o Humano e o Estratégico, falamos sobre um dos maiores desafios dos profissionais de Recursos Humanos (RH) que ainda é conquistar espaço dentro das organizações provando a força estratégica que essa área possui. Um...
O que as ferrovias têm a ver com a economia de um país? Nos últimos 50 anos, as ferrovias brasileiras vem sofrendo com a falta de investimento na construção de novas linhas férreas, em detrimento do desenvolvimento do modal rodoviário, haja vista que poucas obras foram iniciadas pelo governo federal e, dessas pouca...

Sobre Edésio Lopes

Doutor engenharia civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na área de Infraestrutura Viária, onde também obteve o seu mestrado, graduado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É coordenador do MBA de Infraestrutura de Transporte e rodovias do IPOG; MBA Geociências e Geotecnologias; MBA Planejamento Urbano Sustentável; MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção. É colaborador na IDP engenharia (empresa sediada na Espanha) em projetos voltados para infraestrutura de transportes, logística e mobilidade urbana. Atuou por 9 anos como pesquisador no LabTrans/UFSC em projetos relacionados a infraestrutura de transporte em órgão federias e estaduais. Atuou como professor no setor de Geodésia no departamento de engenharia civil da UFSC e trabalhou no Laboratório de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto em projetos de auxílio à execução de planos diretores municipais.

Comentários