Logística: entenda a diferença entre o planejamento estratégico, tático e operacional
3 minutos de leitura
03 de abril de 2017

Logística: entenda a diferença entre o planejamento estratégico, tático e operacional

planejamento estratégico, tático e operacional

Você sabe qual é a diferença entre o planejamento estratégico, tático e operacional? A área de logística é caracterizada pela responsabilidade de intermediar o produto da origem ao destino. E todos nós sabemos que o planejamento é essencial para alcançar esse sucesso, já que esse processo determina onde a instituição vai chegar e como ela fará para alcançar o seu objetivo.

Para que um planejamento dê certo, é preciso envolver pessoas de vários níveis, se comunicar claramente, garantir que todos conheçam os seus propósitos e coordenar as atividades da organização para que as coisas aconteçam de forma alinhada.

Vale considerar!

O Brasil é um país que vive de commodities, que são produtos baratos, de grandes volumes físicos e pouco valor agregado. A maioria desses produtos é deslocado da região Centro-Oeste até o Sul e o Sudeste. Automaticamente, isso gera o maior custo operacional e um produto muito barato acaba com elevado custo, deixando a atividade pouco viável.

Então, a solução para as empresas, segundo o professor do curso de MBA Logística, Supply Chain & Transportes, Tarcísio Menezes, é entender os principais níveis de planejamento: estratégico, tático e operacional, que se diferenciam no prazo das ações, nos níveis hierárquicos envolvidos e como cada um influencia no resultado geral da organização.

Veja como funciona cada uma dessas etapas:

Planejamento Estratégico

É o começo de tudo, é a visão do futuro da organização, que se estrutura nos fatores ambientais externos, e nos fatores internos, em que são definidos os valores, visões e missão da organização. As decisões tomadas no planejamento estratégico são de responsabilidade da alta administração da empresa.

As ações são criadas pensando em longo prazo, normalmente feitas para o período de 5 a 10 anos. Nesse processo, busca-se uma visão ampla da organização, sem ações detalhadas, já que seria difícil acertar tantos detalhes para um período tão longo.

É importante lembrar que o planejamento deve ser revisado e atualizado continuamente, para que as informações sejam mais reais possíveis e sirvam como fatos e dados para tomada de decisão. Este passo ajuda a evitar grandes variações entre o que foi planejado e o que foi executado.

Planejamento Tático

Enquanto o planejamento estratégico se desdobra para toda a organização, o planejamento tático tem um envolvimento mais limitado, a nível departamental, envolvendo às vezes apenas um processo de ponta a ponta. O planejamento tático é o responsável por criar metas e condições para que as ações estabelecidas no planejamento estratégico sejam atingidas.

Por se tratar de um planejamento mais específico, as decisões podem ser tomadas por pessoas que ocupam os cargos de alta direção, como executivos da diretoria e gerentes.

Outra característica que diferencia o planejamento tático é o tempo que as ações são aplicadas, geralmente no período de 1 a 3 anos, mensurando ações para um futuro mais próximo do que o visado no planejamento estratégico, ou seja, médio prazo.

Aqui os planos começam a ser mais detalhados, funcionando como a decomposição do planejamento estratégico. Ele traduz e interpreta o plano estratégico para transformá-lo em planos concretos, em que é desenvolvido o plano de marketing, produção, pessoal e o financeiro empresarial.

Planejamento Operacional

O planejamento operacional é de onde saem as ações e metas traçadas pelo nível tático para atingir os objetivos das decisões estratégicas. Neste planejamento, os envolvidos são aqueles que executam as ações que são aplicadas em curto prazo, geralmente no período de 3 a 6 meses. Aqui, todos os níveis da organização estão envolvidos e cuidam do acompanhamento da rotina, garantindo que todas as tarefas e operações sejam executadas, de acordo com os procedimentos estabelecidos, preocupando-se em alcançar os resultados específicos.

É importante entender que um planejamento estratégico não vai sair do papel se os planos do nível tático e operacional não forem bem estabelecidos, pois é um processo integrado e interdependente. Todos os níveis são necessários: o estratégico para o orientar a visão, o tático para desdobrar essa visão em planos de ação menores, e o operacional para levar os planos a execução. Por isso, os planejamentos devem envolver todos da empresa e é um incentivo para que as pessoas se comprometam com os resultados.

Tarcísio conclui que um dos grandes desafios do mercado atual é encontrar profissionais especializados para desenvolver a equipe operacional, já que um time bem treinado é o grande segredo do sucesso das instituições.

 


Artigos relacionados

Cinco passos para promover a igualdade da mulher A mulher foi à luta e mostrou à que veio. Têm conquistado cada vez mais o mercado de trabalho e aprendido a conciliar marido, filhos e a profissão. Mesmo assim, elas ainda ganham bem menos que os homens. No entanto, ainda há muito o que ser feito para que ela ...
Qualidade de vida no trabalho: como a logoterapia ajuda a obtê-la? Cada vez mais tem se falado sobre ser feliz no trabalho, sobre propósito e desenvolvimento do potencial humano. Mas será que é realmente possível ter qualidade de vida no trabalho? Afinal, a primeira coisa que nos vem à cabeça quando falamos de trabalho são...
Projeto 21: Engajamento político do setor produtivo Nas eleições de 2016 - momento em que os cidadãos escolheram seus representantes para o legislativo e o executivo municipal - um grupo de lideranças do setor produtivo da capital Goiânia, cansado de se ver como mero coadjuvante de um processo político sem melh...

Sobre Tarcísio Menezes

Professor do curso de MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção do IPOG

Comentários