Empresas: é preciso muita cautela para se adequar à Reforma Trabalhista
3 minutos de leitura
10 de novembro de 2017

Empresas: é preciso muita cautela para se adequar à Reforma Trabalhista

Uma das mudanças mais profundas e polêmicas feitas no governo Temer passa a vigorar nesse próximo sábado, 11 de novembro: a Reforma Trabalhista. Trata-se da Lei nº 13.467, que altera mais de 100 pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e modifica as relações laborais em todo o País.

Sancionada em julho passado, o texto passa a valer exatos 120 dias após a aprovação do presidente Michel Temer. A questão é: será que as empresas estão totalmente preparadas para encarar e aplicar essas novas mudanças?

É difícil responder à essa questão, pois existem aqueles que, durante o tempo percorrido desde a sanção, já estudam as novas regras para se adequarem à legislação que entra em vigor. Por outro lado, muitas empresas ainda não compreenderam o texto da reforma e a falta de preparação pode acarretar muitas complicações.

De acordo com o professor Rodrigo Dias da Fonseca, Juiz do Trabalho e coordenador do curso de pós-graduação em Ciências e Legislação do Trabalho do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG), muitas mudanças afetarão a rotina das empresas, as quais devem ser cautelosas para não agirem de forma enganosa, até mesmo para não burlarem os princípios mais básicos do Direito do Trabalho.

Reforma Trabalhista: Compreender é necessário!

Para o professor esse período de 120 dias foi de extrema importância para que as empresas se adaptassem e discutissem as mudanças. No entanto ainda há tempo para compreender as novas regras e a dica principal de Rodrigo é: estude! “É preciso estudar. Sozinho é até possível, com convém contar com algum auxílio técnico”. Uma das alternativas citadas pelo professor, inclusive, são os cursos sobre a reforma trabalhista, ministrados por juízes do trabalho e oferecidos pelo IPOG.

É imprescindível que os profissionais de recursos humanos, da advocacia, procuradores, dentre outros, compreendam profundamente o conteúdo da reforma. “Conhecer o texto para aplicá-lo corretamente depois é a dica mais valiosa eu posso dar”, cita Rodrigo. “Caso contrário, empresas e profissionais podem agir e sofrer sanções e condenações em juízos, caso haja problemas.”

Resistências

Como já foi dito, Reforma Trabalhista é um tema muito polêmico e há fortes recepções negativas. Isso porque existem muitos pontos que não são bem vistos por empregadores, e mais ainda pelos empregados. Rodrigo diz que é natural toda essa reação, uma vez que as novas regras implicam em alterações profundas na legislação e modificam rotinas, geram desconfortos, ferem interesses e modificam situações consolidadas, o que provoca diversas reações.

Desta forma, existem resistências em todos as esferas. “Para os juízes e procuradores, acredito que haja resistência por exemplo quanto à regulamentação do dano extrapatrimonial, mais conhecido como danos morais. Para os sindicatos, é a alteração da contribuição sindical, que deixa de ser obrigatória”, exemplifica Rodrigo. Apesar da conturbação, o professor acredita que as mudanças podem melhorar o cenário enfrentado na atualidade.

Os impactos nas empresas

De forma geral, os empregadores têm visto as mudanças com bons olhos. Como justificativa, o professor cita alguns pontos para essa reação positiva:

  • A reforma implica em flexibilidade contratual;
  • Maior desburocratização (o que facilita a vida do empreendimento).

Segundo Rodrigo, a reforma trabalhista também aumenta as possibilidades de compensar jornada e acordar banco de horas de forma individual. “Em juízo, nos processos, acredito que terá uma maior necessidade de responsabilidade de ajuizar ação trabalhista, tendo em vista que, a partir da reforma, o fato de algum pedido postulado em juízo ser rejeitado acarretará consequências financeiras”.

Essa nova realidade pode influenciar no ajuizamento de ações trabalhistas e o que se espera, segundo Rodrigo, é um impacto positivo, no sentido dessas ações serem mais razoáveis, coerentes e responsáveis.


Artigos relacionados

Saiba mais sobre as sanções políticas tributárias As sanções políticas tributárias, também conhecidas como meios indiretos coercitivos de cobrança, são quaisquer imposições ou limitações de ordem administrativa, ainda que estabelecidas em lei, que obstem o exercício de direitos das pessoas físicas ou jurídica...
Professores do IPOG lançarão livro que explica todas as alterações da Reforma Trabalhista Falta pouco tempo para a Reforma Trabalhista entrar em vigor no Brasil, o que acontecerá já na segunda semana de novembro, exatamente 120 dias após ser sancionada pelo presidente Michel Temer.Tal fato representa uma ampla mudança nas leis trabalhistas, são...
A judicialização pelo direito à saúde: por que os processos podem demorar tanto? Para garantir o direito à saúde, a solução para milhares de pessoas é recorrer à justiça. A chamada judicialização da saúde ganhou destaque a partir de 2003 nos debates relacionados à negação de tratamentos e medicamentos no Brasil. É uma questão que envolve o...

Sobre Rodrigo Dias da Fonseca

Juiz do trabalho do TRT - 18 e coordenador do curso de pós-graduação em Ciências e Legislação do Trabalho do IPOG.

Comentários