MASTER BIM: conheça a metodologia que veio para inovar projetos
4 minutos de leitura
15 de Janeiro de 2018

MASTER BIM: conheça a metodologia que veio para inovar os projetos de arquitetura e engenharia!

Se você, caro leitor, é um profissional da indústria AEC (Arquitetura, Engenharia e Construção Civil), provavelmente já deve ter ouvido falar da metodologia BIM. Mas a conhece realmente e compreende a extensão de sua funcionalidade e importância para o planejamento e execução de obras atualmente? Se muitas são as dúvidas, esta leitura é indispensável para você.

Isto, porque o Instituto de Pós-Graduação e Graduação (IPOG) está trazendo para os seus potenciais alunos um curso inovador que vai preparar arquitetos, engenheiros e demais profissionais da Construção Civil para as novidades do mercado. Trata-se do MBA Master BIM: Ferramentas de Gestão e Projeto, que está prestes a abrir a sua primeira turma e preparar profissionais para as evoluções da indústria AEC.

Este novo conceito advém do inglês Building Information Modeling (BIM) e significa “Modelagem Informativa da Construção”. O BIM, portanto, surge como uma alternativa tecnológica mais avançada para a construção de edifícios virtualmente. Em outras palavras, é construir toda a obra em 3D na tela do computador, projeto que é capaz de oferecer todas as informações possíveis, desde a espessura da parede ao tipo de material a ser utilizado.

BIM x CAD

Sim, o BIM tem conquistado espaço pois ele é o conjunto de ferramentas que substituirá o tão tradicional CAD, softwares que também possuem a sua importância e que substituíram os projetos feitos à mão, com lápis e papel. Contudo, o BIM chega para ser mais inovador ainda e oferecer projetos mais completos, a partir de tecnologias que permitem toda a construção da obra virtualmente.

O CAD proporcionou mais agilidade e eficiência para a modelagem, mas manteve-se para fim de representação, como ocorre no projeto feito à mão. O BIM, por sua vez, prevê a construção em ambiente 3D virtual de objetos e da sua representação. E, além das três dimensões da modelagem geométrica, é possível atribuir aos objetos novas dimensões, como “tempo” (4D) e “custo” (5D).

De forma resumida, as diferenças entre os dois é mais em avanço de projeto, em nível de detalhamento e em nível de informação atrelada à geometria 3D, o que deixa para trás apenas aquele conjunto de linhas oferecido pelo CAD.

As contribuições do BIM para Engenharia, Arquitetura e Gestão

Construir o edifício virtualmente é garantir a execução da obra em 100% praticamente antes de a construção ser iniciada de fato no espaço real. Desta forma, é possível integrar todos os projetos de arquitetura, os projetos hidrossanitários, projetos elétricos, orçamentos e planejamentos, o que ajuda a evitar desperdícios de tempo e dinheiro durante a construção real da obra.

De forma específica, entenda como o BIM contribui para as seguintes áreas:

  • Gestão e Negócios

No BIM existem softwares que facilitam a gestão do processo de projetos, tanto em relação ao desenvolvimento de projeto, como da gestão, operação, logística, e manutenção da obra. Como se trata de um modelo inteligente, as informações dadas não se restringem apenas em termos de materiais, mas também em termos de tipo de objetos, suas funcionalidades e como devem ser operados.

Os pontos positivos para quem faz uso do BIM são muitos, principalmente quando se fala em economia de tempo e recursos, uma vez que as ferramentas oferecem todo um planejamento inicial e o mais assertivo possível. Desta forma, até o processo de construção é facilitado e ocorre de maneira mais rápida.

  • Projetos Arquitetônicos

Hoje o BIM é mais utilizado para projetos arquitetônicos. Agora que os engenheiros estão começando a utilizar as ferramentas e perceber os ganhos com as potencialidades delas. Em relação aos arquitetos, eles utilizam o BIM para acelerar o processo de projetos, cuja produtividade pode aumentar em até 75%.

Desta forma, quando se opta pelo modelo 3D, ele já gera cortes, fachadas, planta baixa, planta de forro, gera todos os desenhos de forma automática, já de acordo com as normas exigidas pelas legislações municipais e pelo corpo de bombeiros, por exemplo.

  • Engenharia

Nesta área o BIM também desempenha um papel muito importante porque os projetos na engenharia precisam ser bem detalhados. E o volume desses projetos é maior em relação ao arquitetônico, porque existem os de elétrica, hidrossanitário, de infraestrutura, estrutura, planejamento, orçamento, ar condicionado, combate ao incêndio, entre outros.

Da mesma forma como no item anterior, as ferramentas aceleram a produção do desenho, mas, principalmente, integram e compatibilizam todos os projetos, o que resulta em uma visão mais completa da obra. Assim, deixam de ser apenas projetos só de engenharia ou só de arquitetura, mas sim projetos completos, integrados e compatibilizados que funcionam como uma obra real, considerando inclusive os processos de operação e manutenção.

O mercado de trabalho

Como já foi dito anteriormente, os processos tradicionais do CAD vão ser substituídos, cada vez mais, pelo BIM. Nesse sentido, tanto a iniciativa privada quanto a pública estão começando a sentir isso e perceber a importância dessa substituição. Ainda mais quando o cenário econômico ainda convive com problemas relacionados à crise e é preciso economizar nas obras.

E existem também algumas licitações e concursos que já exigem conhecimentos em BIM para realizar as entregas. Algumas faculdades têm começado a lecionar algumas ferramentas Brasil à fora e também há cursos mais específicos, separados por software ou área.

Master BIM: o novo investimento do IPOG

Direcionado aos graduados nas áreas de Arquitetura, Engenharias e demais profissionais ligados a área da construção civil, o MBA em Master BIM: Ferramentas de Gestão e Projeto, do IPOG, tem como base os seguintes agrupamentos de módulos: Conceito e Introdução ao Bim; Ferramentas de Projeto; e Ferramentas de Gestão (planejamento, orçamento e análises).

Mesmo que seja uma área recente, o mercado já demanda por profissionais capacitados de forma significativa. Nesse sentido, estar na vanguarda do conhecimento e da aplicação prática do método é poder desenvolver um novo nicho de atuação e liderar o segmento no mercado de trabalho.

O qualificado em BIM poderá atuar nos campos de projetos e gerenciamentos em equipes de escritórios de arquitetura, engenharia e design, podendo ainda atuar em construtoras, incorporadoras e nas empresas do segmento de gerenciamento e manutenção de obras. Fique de olho no site do IPOG para mais novidades e invista na sua formação!

Por fim, conheça quais softwares serão utilizados ao longo do desenvolvimento do curso:

  • Adobe After Effects
  • Adobe Photoshop
  • Adobe Premiere
  • ARCHIBUS
  • ARCHICAD
  • ARQUIMEDES
  • Augment
  • Autodesk AutoCAD
  • Aautodesk AutoCAD Civil 3D
  • Autodesk AutoCAD/TQS
  • Autodesk BIM 360
  • Autodesk Dynamo Studio
  • Autodesk Formlt
  • Autdodesk Infraworks
  • Autodesk NavisWorks
  • Autodesk Revit
  • Autodesk Revlt MEP
  • Autodesk Robot Structural Analysis – RSAP
  • BIM eXplorer
  • BIMx Desktop Viewer
  • DIALux
  • io Desktop
  • Enscape
  • Graphisoft BIMx

Artigos relacionados

A Engenharia não está em crise, afirma professor do IPOG O objetivo do Webinar Diferenciais críticos do profissional de Engenharia em tempos de mercado desafiador, realizado pelo IPOG no dia 25 de junho, foi mostrar como os diferenciais que o profissional apresenta e a sua preparação são cruciais para o seu desempen...
Qual a relação entre Geociências, Arte e Ambiente? Workshop Internacional organizado por professor d... Geociências, Arte e Ambiente: é possível pensar uma interação entre estas áreas? Para o II Workshop Internacional Arte & Ciência – História e Resiliência da Paisagem, sim. Este é justamente o seu objetivo, promover um fórum de discussão que tenha como foco...
LCC: Ferramenta para Gestão da Qualidade em Obras Constantemente, a gente tem falado aqui no Blog IPOG sobre a importância dos processos para o controle e qualidade da obra, não é mesmo? Isso porque a realização de uma obra envolve uma série de fatores como prazo, custos, recursos, etc. Para que tudo corra...

Sobre Alan Araújo

Arquiteto e Urbanista pela UFPB. Mestre em BIM e Realidade Virtual/Realidade Aumentada. Técnico em Edificações pelo ETFPB (2002). Membro do Comitê ABNT para criação da CIE-134 – BIM. Elaborador do template ABNT para Revit. BIM Manager e diretor/sócio no Grupo Bloco e na ProjetoAcg. Trabalha com Projetos em BIM, treinamentos e palestras por todo o Brasil. Certificado Autodesk – Profissional e proprietário da ProjetoAcg como Centro Autorizado Autodesk.

Comentários