Lean Construction: benefícios, exemplos e 5 princípios fundamentais
5 minutos de leitura
30 de setembro de 2019

Lean Construction: benefícios, exemplos e cinco princípios fundamentais

Lean Construction: benefícios, exemplos e cinco princípios fundamentais

Diante do enorme crescimento do setor da construção civil, as pequenas, médias e grandes empresas buscam se modernizar para se manter competitivas no cenário atual do mercado. 

Pensando em melhorias em relação a atrasos, desperdícios e até mesmo a logística de uma obra, muitos gestores, no mundo todo, estão aplicando o método Lean Construction ou, simplesmente, construção enxuta.

Em uma metodologia que visa planejamento e controle, o canteiro de obras e o processo de produção tornam-se organizados e producentes por meio do método Lean Construction.

O que é Lean Construction?

Lean Construction é a otimização de processos que consiste na entrega de um produto final de qualidade. Eliminam-se, também, desperdícios e busca-se um prazo rígido para a execução da obra.

Lean Construction: benefícios, exemplos e cinco princípios fundamentais

Para entender como surgiu este modelo de produção, vamos voltar alguns anos na história. 

Ainda no século 20, o início da produção moderna teve como princípio o “modelo T”, de Henry Ford. Logo após a 2ª Guerra Mundial, com a fragilização japonesa e a falta de recursos, a Toyota criou um modelo de sistema de produção baseado na eliminação de desperdícios e no uso consciente da matéria-prima.

O Sistema Toyota de Produção (STP) foi desenvolvido na década de 1940, mas somente em 1990 tornou-se base para o que viria a ser conhecido como Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta), do livro “A máquina que mudou o mundo”, de James P. Womack, Daniel Roos e Daniel T. Jones. 

O pensamento Lean começa a ser utilizado fora do ambiente de fábrica, influenciando outros ramos da indústria.

A abordagem do Lean Construction inclui ainda a aplicação dos princípios do pensamento clean para o ambiente de construção. Engloba desde a gestão da produção até a finalização do projeto.

E dentro dessa metodologia surgem cinco princípios fundamentais para aplicação e manutenção do método durante o processo de construção. Veja a seguir.

Cinco princípios fundamentais do Lean Construction

Pensando em projetos de alta produtividade e aderência da equipe na realização de prazos e metas, os cinco princípios que norteiam a metodologia Lean Construction servem como guia para essa transformação na forma de executar o andamento de projetos de construção.

1 – Agregar valor à construção

Esse princípio está relacionado ao conceito de processo como gerador de valor. Com base nesse princípio fica estabelecido que devem ser claramente identificadas as necessidades dos clientes internos e externos, e esta informação deve ser considerada no projeto do produto e na gestão da produção.

Confira também: diferenciais críticos do profissional de Engenharia em tempos de mercado desafiador

Conhecer o público-alvo a fundo é uma das maneiras mais inteligentes de proporcionar experiências únicas e significativas ao cliente. Assim, você adquire diferencial realmente competitivo frente ao mercado.

Na prática, significa fazer pesquisas de mercado antes, durante e após a entrega das chaves. Assim, é indicado que você considere tudo: a área da construção, os costumes, a faixa etária e as preferências dos moradores locais para aumentar o valor do produto, de acordo com o que esperam.

É importante comunicar as descobertas a todos os profissionais, para que essas pessoas estejam na mesma página e caminhem rumo a um objetivo comum.

2 – Eliminar o que não acrescenta

 


Este certamente é o passo mais importante da metodologia Lean Construction. A eficiência dos processos pode ser melhorada e suas perdas, reduzidas por meio da eliminação de algumas das atividades de fluxo.

A máxima da metodologia da construção enxuta é, de fato, eliminar aquilo que está a mais. Ao adotar o Lean Construction, os gestores desejam otimizar o passo a passo, tornando o fluxo de trabalho mais direto.

Assim, a eficiência construtiva dos processos pode ser melhorada, principalmente pela redução ou eliminação de atividades como transporte, espera, processamento e inspeção.

Um exemplo bem simples é a utilização de caminhões maiores para o transporte de materiais, diminuindo o número de viagens necessárias e, consequentemente, o valor gasto com essa atividade.

3 – Otimizar tempo

A falta de um cronograma na obra pode levar à perda de material, em especial o concreto. E, dentro da metodologia Lean Construction, tornar a construção mais enxuta significa fazer mais em menos tempo.

É isso, aliás, o que prega o modelo JIT (ou Just in Time). O propósito é criar um ambiente mais produtivo, sem desperdícios. O sistema JIT foi desenvolvido na década de 1970 com o intuito de produzir somente conforme a demanda, reduzindo custos de estoque e derivados deste processo.

O Just in Time também inclui aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade, projeto do produto e organização do trabalho como o uso do 5S (Seiri, Seiton, Seiketsu, Shitsuke e Seisou).

O tempo de ciclo é composto de todas as atividades de transporte, espera, processamento e inspeção para a produção de um determinado produto.

Ao reduzir esse tempo, a empresa acaba obtendo outras vantagens, como entrega mais rápida ao cliente, facilidade na gestão fragmentada dos projetos e precisão na estimativa de futuros projetos, com um sistema de produção mais estável e adequado equivalente ao que prega a metodologia Lean Construction.

4 – Reduzir a variabilidade

No ramo da construção civil, as taxas de imprevistos e incertezas são recorrentes. Cada projeto é único e tem seu próprio ritmo de construção.

Seja na construção de edifícios ou estruturas, as variações envolvidas são geralmente relacionadas a fornecedores, métodos construtivos, tempo de execução e, até mesmo, à própria demanda do cliente.

Reduzir essa variabilidade, dentro da metodologia Lean Construction, é fundamental para que seja mantido um padrão tanto financeiro quanto da execução das obras, conforme o planejamento, garantindo a qualidade e uniformidade do produto final.

5 – Tornar processos transparentes

Evitar ruídos na comunicação durante o processo de construção é um dos princípios da metodologia Lean Construction. A transparência da gestão em todas as etapas do projeto deve ser simples e direta, evitando falhas e retrabalhos.

Aplicar transparência nas ações significa uma busca constante de melhorias e aperfeiçoamento.

 

Essa transparência é também no sentido real, quando envolve, por exemplo, a remoção de obstáculos visuais do canteiro de obras, como divisórias e tapumes.

A utilização de cartazes e sinalização com informações relevantes, além de indicadores de desempenho e de programas de organização e limpeza no campo, pode ser repensada para que traga a mínima poluição visual.

Construção enxuta: como otimizar obras com o método Lean 

Aplicar a metodologia Lean Construction demanda muita disciplina e organização de toda a equipe. É uma busca contínua de melhorias para todo o processo, e todos os envolvidos precisam estar engajados em alcançar bons resultados.

Realizar treinamento dos colaboradores, escolher maquinário mais eficiente e ter um planejamento eficaz do processo de produção traz, sem dúvida, excelentes resultados.

A maximização do valor, a eliminação dos desperdícios e a criação de um fluxo de trabalho mais suave e confiável fazem do Lean Construction um método repleto de vantagens para a empresa.

Aumenta as margens de lucro e, simultaneamente, contribui para a reputação social que a empresa poderá nutrir, visto que é uma iniciativa mais sustentável e ecológica.

Conheça o MBA em Projeto, Dimensionamento e Modelagem de Estruturas e Fundações do IPOG 

O MBA em Projeto, Dimensionamento e Modelagem de Estruturas e Fundações, do IPOG, propõe a atuação nos quatro pilares básicos do campo estrutural: concepção (modelagem), dimensionamento, projeto e execução, apresentando princípios teóricos e práticos voltados para um desempenho estrutural adequado.

É uma especialização que permite ao profissional uma ampla visão da área de estruturas, que vai desde a concepção e projeto, passando pelo controle de execução e desempenho em uso.

Este MBA propõe ainda uma visão sistêmica da obra, para que o especialista da área de Estruturas e Fundações apresente a melhor solução, com foco na racionalização aliada ao desempenho (bom e barato).

Artigos relacionados

Por que se tornar um Perito em Engenharia? Você sabe o que faz um perito em Engenharia? Perícia (do termo latino perìtia, tem por significado a habilidade, o saber, derivado por sua vez de perìtus, "experto") é a análise técnica de uma situação, fato ou estado, redigida, relatada por um especialista nu...
Tudo sobre Pós-graduação em Gerenciamento de Obras: em 7 min! A realização de uma obra, seja ela de engenharia civil ou arquitetônica, exige não apenas um estudo da viabilidade do projeto, mas também um esforço para garantir que tudo se materialize no tempo proposto e dentro do orçamento que foi estipulado, de modo a alc...
Quer atrair mais clientes para a loja física? Descubra os segredos da Pós-graduação em Arquitetura C... Você já conhece o Retail Design? Traduzindo, nada mais é que o Design de Varejo. É uma área específica da Pós-graduação em Arquitetura Comercial e do Design. Com foco exclusivo em projetos de lojas (de qualquer porte), esse trabalho consegue unir as marca...

Sobre Nilson Carvalho

É engenheiro civil há mais de 20 anos e atuante desde 1997 em obras de rodovias, pavimentação urbana, saneamento, conjuntos habitacionais, edifícios residenciais e comerciais, pequenas centrais hidroelétricas, barragens e shopping centers. É professor de pós-graduação a nível Brasil das melhores instituições de ensino e escritor de vários livros sobre gerenciamento na construção civil. Consultoria em dezenas de construtoras no Brasil, tais como: Gafisa, Brookfield, Tenda, Fuad Rassi, Rodrigues da Cunha, Louly Caixe, dentre outras. Entusiasta do gerenciamento na construção civil e com bagagem de muita experiência no assunto, palestrante no Brasil e realização de mais de 250 obras como gerenciador, supervisor e consultor de construtoras. Seu portfólio de gestão chega a mais de R$ 2,5 bilhões.

Comentários