Neuroiluminação: a técnica que considera a relação entre luz e indivíduo
5 minutos de leitura

Neuroiluminação: a técnica que considera a relação entre luz e indivíduo

A neuroiluminação é uma prática cada vez mais presente em projetos arquitetônicos corporativos e residenciais. Na prática, essa frente da neuroarquitetura considera a relação entre luz e indivíduo, de modo a explorar a iluminação para estimular determinadas sensações ou destacar aspectos de uma obra.

Em ambientes corporativos, o uso da luz busca limitar a serotonina para gerar mais produtividade entre os colaboradores. Por outro lado, a iluminação em residências pode ser responsável por criar um espaço acolhedor e confortável aos moradores.

Esses são apenas alguns exemplos básicos sobre o tema. Para entender melhor, o IPOG preparou este artigo com tudo o que você precisa saber sobre neuroiluminação, desde o conceito até a aplicação prática em projetos.

O que é neuroiluminação?

A neuroiluminação é um aspecto da neuroarquitetura que explora o ciclo circadiano, que leva em conta o impacto da luz no cérebro.

O ciclo circadiano considera os diferentes tipos de iluminação que o sol apresenta durante os dias. A partir disso, sabe-se que os dias se iniciam com luzes com traços mais amarelados no começo da manhã e ao entardecer, gerando conforto ao indivíduo.

Por outro lado, ao alcançar o ápice da iluminação natural, as luzes ganham força e ficam mais azuladas. Ao contrário das cores mais amareladas, o azul deixa o corpo em alerta e limita a produção de serotonina, hormônio relacionado ao bem-estar e ao sono.

Assim, em termos práticos, os períodos da manhã e do fim de tarde têm 2.700 k a 4.000 k, enquanto o sol quando alcança o seu período mais forte chega a 6.500 k.

Dessa forma, o profissional que tem conhecimento em neuroiluminação explora essa mudança do ambiente de acordo com o projeto arquitetônico. Ele consegue trabalhar com a temperatura das luzes para gerar estímulos naturais sem implicar aumentos de orçamento.

Características da neuroiluminação

A neuroiluminação é baseada em saber aproveitar a luz natural e em usar outras soluções digitais, como as lâmpadas inteligentes, que acompanham a iluminação de acordo com o horário do dia.

Os projetos que utilizam a neuroiluminação têm alta procura, tanto para projetos corporativos quanto residenciais. As principais características da técnica são:

  • uso de janelas e envidraçamento de ambientes;
  • economia de recursos;
  • uso de estímulos naturais;
  • exploração de aspectos visuais, emocionais e biológicos;
  • promoção do bem-estar;
  • oferecer leitura cognitiva condizente com a experiência desejada para o ambiente.

Visualmente, a iluminação consegue evidenciar certos espaços dentro de um ambiente. Por exemplo, é possível destacar o logo da empresa, sendo a primeira coisa a ser vista ao entrar em um ambiente. Para isso, basta contrastar a iluminação principal do ambiente.

Por outro lado, há também os aspectos subjetivos da iluminação. Por meio da psicologia das cores é possível provocar sentimentos, enfatizando espaços e detalhes de um cômodo.

Já o aspecto biológico da neuroiluminação explora as características hormonais do corpo humano. Por meio das luzes, o arquiteto ou o designer de interiores consegue gerar estímulos específicos que exploram o ciclo circadiano, tendo em mente o objetivo do projeto.

Quais são os benefícios da iluminação biologicamente eficaz?

A iluminação usada corretamente dentro do projeto arquitetônico torna a entrega melhor, gerando benefícios naturais a quem frequenta o ambiente.

Sendo assim, vale destacar as vantagens nas perspectivas corporativas e residenciais.

A iluminação no ambiente de trabalho pode ser uma aliada e gerar benefícios entre os colaboradores, como:

  • aumento da concentração;
  • melhoria da saúde do trabalhador;
  • menor índice de distração durante o expediente;
  • redução da sensação de sonolência;
  • melhoria da acuidade visual;
  • geração de ergonomia durante o período de trabalho.

Por outro lado, o uso da neuroiluminação em casas e apartamentos proporciona mais qualidade de vida por respeitar o ciclo circadiano. Entre as vantagens, vale destacar:

  • diminuição da sensação de cansaço;
  • redução do estresse;
  • mais facilidade na hora de dormir;
  • melhoria da concentração;
  • redução da fadiga ocular;
  • criação de ambientes personalizados para fins diversos.

Neuroarquitetura e neuroiluminação na prática

A neuroiluminação reúne as diferentes técnicas da arquitetura com o propósito de criar projetos únicos e gerar estímulos naturais aos residentes de acordo com o objetivo do projeto.

Juntas, neuroarquitetura e neuroiluminação garantem projetos arquitetônicos com mais valor de entrega. Confira as razões pelas quais o profissional pode aplicar essas técnicas em projetos:

Harmoniza a disposição do ambiente

Trabalhar a harmonização do ambiente é uma tarefa difícil, que fica ainda mais complexa ao não considerar o papel e as vantagens que a iluminação pode proporcionar.

Por esse motivo, a neuroiluminação se torna um acréscimo útil para criar ambientes funcionais e com sinergia em cada mobiliário. É possível criar espaços confortáveis, funcionais e personalizados de acordo com os aspectos que deseja destacar na obra.

Gera economia

Em projetos de arquitetura, a iluminação pode ser usada de forma natural, dando espaço para grandes vãos ou envidraçando ambientes. Além disso, é possível trabalhar com lâmpadas inteligentes que acompanham a luz de acordo com o período do dia.

Ambos os casos proporcionam um ótimo custo-benefício. Isso porque o investimento é relativamente pequeno para a aplicação, além de cooperar com a redução dos gastos com energia elétrica.

Torna o ambiente mais funcional

O ciclo circadiano considera os diferentes tipos de luzes e seus respectivos impactos no corpo humano. Sendo assim, é possível criar ambientes mais funcionais e gerar estímulos naturais de acordo com a proposta de determinado espaço.

Logo, é possível usar a temperatura das luzes para criar tanto ambientes onde é necessária a concentração quanto proporcionar o relaxamento. Tudo de acordo com o objetivo do projeto e a necessidade de cada cômodo.

Aumenta a sensação de bem-estar

Tanto em ambientes corporativos quanto residenciais, a neuroiluminação reforça a acuidade visual. Esse efeito melhora a capacidade de ver objetos e evita as cores que possam gerar desconforto aos olhos.

Indo além disso, a escolha assertiva da iluminação de acordo com o ambiente pode promover a sensação de descanso quando necessário ou inibir o cansaço caso seja importante para o ambiente.

As vantagens de conhecer a neuroarquitetura

A neuroarquitetura é a área responsável por considerar o impacto do projeto arquitetônico no corpo humano, mais especificamente no cérebro. Hoje, a neuroiluminação é apenas uma das muitas frentes dessa nova especialização da área.

Para os arquitetos, esse conhecimento não é apenas um conhecimento extra. Trata-se de um saber cada vez mais indispensável para gerar saúde e bem-estar em projetos corporativos ou residenciais.

Portanto, aprofundar-se nesse tema traz mais destaque dentro do mercado de arquitetura e proporciona vantagens indispensáveis para um profissional de sucesso. Conheça mais razões para conhecer a neuroarquitetura a seguir:

Especialização em uma área em expansão

A neuroarquitetura não se limita ao uso da iluminação nos ambientes e conta com diferentes áreas para serem exploradas. De acordo com o seu próprio interesse, você atua em projetos de percepção multissensorial aplicada à arquitetura, de design thinking, de design biofílico e, claro, de neuroiluminação.

Acompanhar as tendências da área

A arquitetura conta com cada vez mais profissionais, e muitos deles atuam como profissionais liberais, captando e entregando projetos por conta própria. Nesse sentido, a disputa por demandas de trabalho se torna mais concorrida.

Por isso, acompanhar as tendências do mercado e se destacar com conhecimentos mais especializados são diferenciais que devem ser consolidados por arquitetos recém-formados e até mesmo veteranos.

Aumentar os ganhos por projetos entregues

Muitas vezes, os ganhos estão relacionados com o grau de especialização dos arquitetos. Na prática, projetos que pagam mais requerem conhecimentos mais específicos.

Tendo isso em mente, conhecer a neuroarquitetura faz com que a média de ganhos com os projetos entregues aumente. Quanto mais conhecimento especializado você tiver, mais valor poderá agregar ao seu nome e ao seu trabalho.

Esses são apenas alguns exemplos da neuroiluminação aplicada em projetos de arquitetura. Ao longo do dia a dia, é possível encontrar vantagens ainda melhores levando em consideração os objetivos de cada projeto.

Justamente por isso, ficar atualizado e estar atento às novas tendências da área de arquitetura se torna um diferencial essencial. Com o mercado cada vez mais competitivo e individual, uma especialização desse nível não se limita à capacitação profissional.

A formação extra garante diferencial competitivo que o coloca entre os principais arquitetos na hora de disputar grandes projetos, especialmente ao se aprofundar em novos assuntos, como a relação entre iluminação e cérebro.

Por isso, leia, estude e busque sempre se aprofundar em novos assuntos. Escolher a pós-graduação em neuroarquitetura é um ótimo começo!

Conheça mais sobre o IPOG e busque os benefícios que a especialização pode oferecer ao seu sucesso profissional.

Gostou de conhecer mais sobre a neuroiluminação? Leia também outros artigos em nosso blog:

Artigos relacionados

Por que o projeto luminotécnico é tão importante? Em um passado não muito distante, acreditava-se que o projeto luminotécnico era o último a ser contemplado nas etapas de idealização de um projeto arquitetônico. Primeiro se concebia o layout da obra por completo, para só depois se pensar na aplicação da luz. ...
O Desafio da humanização dos espaços Fazer um projeto é um quebra-cabeças. Tem que unir criatividade, estética e também o lado humano. Além de garantir que o espaço seja bem aproveitado, que seja funcional, é preciso pensar na experiência das pessoas que passarão por ali. Nesse sentido, a Arquite...
Acessibilidade no Design de Interiores A acessibilidade tem sido um preocupação crescente na arquitetura, principalmente a acessibilidade no design de interiores. Afinal, ao tornar um ambiente acessível, isso permite que as pessoas com necessidades especiais ou até mesmo com mobilidade reduzida pos...

Sobre Assessoria de Comunicação

Equipe de produção de conteúdo IPOG. Responsável : Bruno Azambuja - Gerente de Marketing - bruno.azambuja@ipog.edu.br