Design Thinking: inovação e organização a favor do sucesso
2 minutos de leitura
05 de dezembro de 2016

Design Thinking: inovação e organização a favor do sucesso

IPOG, Design Thinking

Tomar decisões e resolver problemas é um dos principais desafios de um empreendedor. E com o atual cenário competitivo, há uma necessidade crescente de inovação e busca de novas soluções para os problemas enfrentados por clientes e empresas de pequeno, médio e grande porte. Para facilitar a tomada de decisão e encontrar a chave inovadora para os negócios de sucesso, muitos estão buscando a ajuda do design thinking.

Mas o que é o design thinking?

“Ele é um conjunto de métodos, processos e ferramentas desenvolvido para entender e solucionar problemas. Sua origem está relacionada ao entendimento dos métodos e processos que designers usam ao criar soluções. O design thinking proporciona aos indivíduos e organizações mais capacidade de se conectar e desenvolver seus processos de criação, com foco em inovação”, afirma o coordenador, professor do MBA Empreendedorismo & Inovaçãodo do IPOG e especialista em Empreendedorismo, Estratégia, Cenários e Inteligência Competitiva, Joe Weider.

Como utilizar o design thinking nas empresas?

Após constatar por meio de estudos que cerca de 4% dos produtos lançados nos Estados Unidos obtiveram sucesso no mercado, as empresas passaram a aplicar a metodologia de design thinking, com a intenção de humanizar o relacionamento entre cliente e empresa. A implementação das técnicas é capaz de desenvolver diferenciais competitivos a partir de um modelo estruturado para implantação e execução contínua do processo de inovação nas organizações.

Para saber como executar esse modelo, o especialista Joe Weider enumerou alguns passos:

1) Crie empatia / compreenda a necessidade

Esta fase tem o objetivo de entender quais são as necessidades das pessoas e ou organizações envolvidas no problema (consumidores, funcionários etc.), do que necessitam, do que gostam, o que desejam.

2) Definir

A partir das informações e conclusões advindas da fase anterior, delimitar qual é o problema, o que precisa ser resolvido ou criado.

3) Ideação

É a fase de proposição de ideias (soluções) em grande quantidade, em que as propostas e sugestões devem fluir sem censura, sem a obrigação de acerto neste momento.

4) Prototipar

Seleção de algumas das ideias geradas na fase anterior (geralmente utilizando métodos de visualização – post its, projeções, desenhos, etc.) e criar protótipos. Pode ser um desenho, uma maquete feita com materiais de baixo custo, simulando o produto final.

5) Testar

Esta é a fase de teste dos protótipos construídos e escolha dos que apresentarem melhores resultados. é hora de colocar a mão na massa!

Achou interessante o poder do design thinking? Bons estudos e boa sorte na sua trajetória profissional.

Artigos relacionados

#MulheresNoComando: quando empreender torna-se uma consequência Empreender é um trabalho árduo, requer planejamento, requer investimentos. É preciso conhecer onde se pisa em cada etapa do processo. Mas, e quando apenas o coração e a intuição movem alguém a empreender? Mesmo que esse alguém não entenda nada sobre finanças, ...
Conheça as vantagens da Logística Reversa Você sabe o que é Logística Reversa e reconhece a sua importância para o meio ambiente? Diariamente, toneladas de lixos são descartadas de forma incorreta nos lixões ou aterros, que não são preparados para a proteção à saúde pública e meio ambiente. E é pen...
Jovens assumem o comando das empresas Grande domínio das novas tecnologias, criatividade, proatividade e objetividade. Essas são características altamente valorizadas pelas empresas atualmente. São também típicas qualidades dos jovens de hoje, que mesmo com pouca idade, já chegam ao mercado de tra...

Sobre Joe Weider

Mestre em Administração; Coordenador do MBA Empreendedorismo e Inovação do IPOG; e Professor de Cenários, Estratégia Competitiva e Inteligência, do Instituto de Pós-Graduação e Graduação do IPOG.

Comentários