Design Thinking: inovação e organização a favor do sucesso
2 minutos de leitura
05 de dezembro de 2016

Design Thinking: inovação e organização a favor do sucesso

IPOG, Design Thinking

Tomar decisões e resolver problemas é um dos principais desafios de um empreendedor. E com o atual cenário competitivo, há uma necessidade crescente de inovação e busca de novas soluções para os problemas enfrentados por clientes e empresas de pequeno, médio e grande porte. Para facilitar a tomada de decisão e encontrar a chave inovadora para os negócios de sucesso, muitos estão buscando a ajuda do design thinking.

Mas o que é o design thinking?

“Ele é um conjunto de métodos, processos e ferramentas desenvolvido para entender e solucionar problemas. Sua origem está relacionada ao entendimento dos métodos e processos que designers usam ao criar soluções. O design thinking proporciona aos indivíduos e organizações mais capacidade de se conectar e desenvolver seus processos de criação, com foco em inovação”, afirma o coordenador, professor do MBA Empreendedorismo & Inovaçãodo do IPOG e especialista em Empreendedorismo, Estratégia, Cenários e Inteligência Competitiva, Joe Weider.

Como utilizar o design thinking nas empresas?

Após constatar por meio de estudos que cerca de 4% dos produtos lançados nos Estados Unidos obtiveram sucesso no mercado, as empresas passaram a aplicar a metodologia de design thinking, com a intenção de humanizar o relacionamento entre cliente e empresa. A implementação das técnicas é capaz de desenvolver diferenciais competitivos a partir de um modelo estruturado para implantação e execução contínua do processo de inovação nas organizações.

Para saber como executar esse modelo, o especialista Joe Weider enumerou alguns passos:

1) Crie empatia / compreenda a necessidade

Esta fase tem o objetivo de entender quais são as necessidades das pessoas e ou organizações envolvidas no problema (consumidores, funcionários etc.), do que necessitam, do que gostam, o que desejam.

2) Definir

A partir das informações e conclusões advindas da fase anterior, delimitar qual é o problema, o que precisa ser resolvido ou criado.

3) Ideação

É a fase de proposição de ideias (soluções) em grande quantidade, em que as propostas e sugestões devem fluir sem censura, sem a obrigação de acerto neste momento.

4) Prototipar

Seleção de algumas das ideias geradas na fase anterior (geralmente utilizando métodos de visualização – post its, projeções, desenhos, etc.) e criar protótipos. Pode ser um desenho, uma maquete feita com materiais de baixo custo, simulando o produto final.

5) Testar

Esta é a fase de teste dos protótipos construídos e escolha dos que apresentarem melhores resultados. é hora de colocar a mão na massa!

Achou interessante o poder do design thinking? Bons estudos e boa sorte na sua trajetória profissional.

Artigos relacionados

5 dicas super práticas para motivar pessoas e gerenciar equipes Ser capaz estar atento às suas necessidades, motivar pessoas e gerenciar equipes é uma regra essencial para o crescimento de uma organização. Mesmo sabendo que muitas vezes as pessoas trabalham pelo dinheiro, mas não é apenas o incentivo financeiro que vai gar...
A experiência de Wagner Felício com o Coaching no contexto organizacional "O coaching foi um divisor de águas na minha vida profissional". A afirmação é de Wagner Paschoalim Felício, 45 anos, gerente industrial do grupo Piracanjuba. Prestes a alcançar uma nova ascensão profissional na mesma empresa, ele compartilhou neste artigo a t...
Os ganhos da aplicação da Metodologia 5 S Originária do Japão, a Metodologia 5 S propõe uma série de atitudes necessárias para conferir eficiência aos processos do dia a dia das organizações, podendo ser aplicada nas mais diferentes áreas de atuação. Baseada em fundamentos de fácil compreensão, a meto...

Sobre Joe Weider

Mestre em Administração; Coordenador do MBA Empreendedorismo e Inovação do IPOG; e Professor de Cenários, Estratégia Competitiva e Inteligência, do Instituto de Pós-Graduação e Graduação do IPOG.

Comentários