Brasil: um país com DNA empreendedor
3 minutos de leitura
13 de setembro de 2017

Brasil: um país com DNA empreendedor

Seja em momentos de crise, ou mesmo de prosperidade econômica, o brasileiro possui em seu DNA um elemento empreendedor, que o destaca do restante da população mundial. Para se ter uma ideia, na comparação mundial, o Brasil apresenta a maior taxa de empreendedorismo abrangendo 34,5% da população, e abrindo uma margem de quase 8 pontos percentuais à frente da China (26,5%), o segundo colocado. O número de empreendedores na fase adulta no Brasil é superior ao dos Estados Unidos (20%), Reino Unido (17%) e Japão (10,5%).

Os dados são da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), que identificou um crescimento de 20% no número de empresas abertas em solo brasileiro no ano passado, em comparação a 2015. O mapeamento do perfil empreendedor nacional é coordenado anualmente pelo Sebrae, em parceria com o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade, desde 1999.

A pesquisa também identificou que três em cada dez brasileiros na faixa dos 18 aos 64 anos possuem uma empresa, ou estão desenvolvendo a criação de um negócio próprio. O sonho de ser o próprio patrão ocupa a terceira colocação na lista de desejos da população, que almeja primeiramente a casa própria e realizar viagens, em segundo lugar. O número de pessoas que almeja ter o negócio próprio (31%) supera o de profissionais que desejam construir uma carreira sólida em uma corporação (16%).

Estímulo tributário para o empreendedor

Para contribuir com as iniciativas empreendedoras em sua fase inicial, o governo criou o sistema Super Simples, que reúne de forma facilitada a cobrança de oito tributos federais, estaduais e municipais em um único boleto. Esse formato é voltado para empresas com faturamento anual de até R$3,6 milhões. Na maioria dos casos, a carga tributária chega a ser 40% menos do que no regime tributário convencional.

A consultoria Unitfour identificou que o número de empresas abertas em 2016 aumentou 20% em comparação ao ano passado. Segundo o estudo, o caráter empreendedor do momento foi evidenciado pela necessidade de se ter uma fonte de renda ativa após a demissão.

Atualmente, com 12 milhões de desempregados no país, o Brasil vive uma fase de fomento ao empreendedorismo, ampliando a cadeia geradora de empregos. As pequenas e microempresas são responsáveis por gerar 52% dos empregos no país. Portanto, essas iniciativas empreendedoras alimentam uma cadeia salutar da economia nacional.

Cenário de melhorias à vista

A pesquisa GEM identificou que o empresariado está otimista com o cenário de melhorias para a macroeconomia brasileira:

  • 82% acreditam na retomada do crescimento da economia a partir de 2018;
  • 63% estão verificando melhoria nas vendas em 2017
  • 71% dos empreendedores são motivados pela oportunidade de negócio e não pela necessidade

Quais negócios estão em alta

Para melhor orientá-lo neste cenário empreendedor, fizemos um apanhado das áreas mais promissoras para se investir na atualidade.

1. E-commerce

Se você precisa de um estímulo para se interessar pelo assunto, apenas no primeiro semestre de 2016, o ecommerce movimentou R$20 bilhões, segundo dados do portal Ebit. Uma forma desburocratizada de investir na abertura de uma loja, por se tratar de um comércio virtual, que poupa recursos na constituição e manutenção da loja física. Além disso, a legistação é simplificada e não há barreiras para se atingir o público alvo.

2. Consultoria virtual

A tecnologia encurtou a distância entre os profissionais e seus clientes. Hoje é possível oferecer consultoria virtual, funcionando plenamente em home offices ou em pequenas equipes. Um formato dinâmico, que requer pouco investimento na estrutura física de um escritório, por exemplo. Mas requer habilidade para conquistar clientes.

3. Franquias

O segmento de franquias é muito interessante porque permite que se invista em um negócio já consolidado entre o público, tornando-se um representante de uma marca bem aceita no mercado. O formato de quiosque, além de mais enxuto, se torna uma oportunidade ideal para quem quer iniciar fazendo um investimento mais baixo.

4. Alimentação saudável

Uma tendência no mercado, e que veio com força total para conquistar cada dia mais adeptos, o segmento da alimentação saudável movimenta bilhões ao redor do mundo anualmente. Foque em um tipo específico de alimentação para ter o resultado almejado se tornando referência naquele produto.

5. Desenvolvimento de aplicativos

O mundo virtual tem aberto portas incríveis para quem está alinhado com programação. O desenvolvimento de softwares e de aplicativos se mostrou uma promissora área para os empreendedores que querem apresentar soluções tecnológicas para uma gama infinita de empresas.

Se você é um aluno IPOG, clique aqui e veja como participar gratuitamente do módulo de empreendedorismo.

Agora se você quer saber como gerenciar sua carreira com maior assertividade, veja esse conteúdo.

 


Artigos relacionados

Conheça as vantagens da Logística Reversa Você sabe o que é Logística Reversa e reconhece a sua importância para o meio ambiente? Diariamente, toneladas de lixos são descartadas de forma incorreta nos lixões ou aterros, que não são preparados para a proteção à saúde pública e meio ambiente.E é pen...
Como encontrar uma ideia inovadora para empreender Nada como o primeiro passo. Quantas vezes na sua vida você tomou uma decisão muito importante sobre o que acreditava ser um caminho a ser seguido, mas logo se deparava com a visão da nova jornada e tomava um choque de não saber como percorre-la? Muitas vezes p...
Plantio sustentável: estratégia de controle do aquecimento global Uma das principais estratégias utilizadas por nosso país no controle do efeito estufa é a utilização da agricultura conservacionista. O Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Ca...

Sobre Joe Weider

Joe Weider - Mestre em Administração; Coordenador do MBA Empreendedorismo e Inovação do IPOG; e Professor de Cenários, Estratégia Competitiva e Inteligência, do Instituto de Pós-Graduação e Graduação do IPOG.

Comentários