2018: o ano de superação da crise
3 minutos de leitura
31 de outubro de 2017

2018: o ano de superação da crise

Quanto mais perto nos aproximamos do final de 2017 sentimos a necessidade de deixar para trás todas as dificuldades que este ano propiciou ao setor produtivo. Pois venho trazer boas notícias: quem sobreviveu a 2017 está preparado para iniciar um ciclo de prosperidade em seus negócios, garantido por um novo cenário macroeconômico que se descortina num horizonte bem próximo. Apesar de duras, a crise ofereceu uma série de lições a serem aprendidas. E durante todo 2017, para sobreviver foi preciso ser criativo e aplicar uma boa dose de resiliência. Mas fortes indícios nos fazem constatar a mudança neste cenário. Vejam só:

  • Finalmente tivemos o descolamento da crise política e econômica. Novas delações não impactam imediatamente a bolsa de valores, por exemplo;
  • Aumento na geração de emprego. Estamos voltando a ver contratações, estimuladas pela retomada da construção civil e da indústria automobilística;
  • Anúncio de parcerias público privadas para diferentes obras de infraestrutura.

Saída da crise: Como se preparar para a retomada do crescimento?

  1. Antecipação das tomadas de decisões:
    Para entrar em 2018 preparado para se recuperar das perdas deste ano é preciso começar o planejamento agora, neste exato momento. Isso significa que está nahora de se dedicar ao planejamento estratégico de seu negócio, definindo metas mensais a serem alcançadas. Para quem é do setor varejista, montar o calendário de metas com as principais datas auxilia a visualizar momentos-chave para recomposição do estoque, por exemplo.
  2. Organizar o cadastro de clientes:
    Uma das lições que a crise nos deixou: investir na sistematização de um cadastro organizado de clientes, para lhe auxiliar a identificar características de perfil de consumo de cada um deles. Esse cadastro deve ser composto de forma estratégica e de fácil acesso. Imagina se em meio a crise você tivesse em mãos os contatos de cada um dos seus clientes que buscam o produto que você precisou colocar na promoção? Não teria sido mais fácil impulsionar as vendas? Pois bem, para 2018 esse detalhe tão importante não pode ficar de fora. Organize-se!
  3. Habilidades negociais:
    Outra lição deixada pela crise: nossa capacidade de renegociação de dívidas. Mas neste caso, não estamos pensando em te orientar a negociar dívidas, mas prazos e descontos junto aos seus fornecedores no ato da composição do estoque. Com o planejamento estratégico em mãos, fica mais fácil se antecipar às negociações para aquisição de novos produtos e materiais.
  4. Investir em diferentes canais de venda:
    Faça com que o seu cliente te encontre tanto no plano físico quanto virtual. Esteja atuante nos dois segmentos, e compartilhe as informações de um meio com o outro. Dessa forma, você sempre será lembrado como referência no seu serviço.
  5. Foco do cliente:
    Quando se conhece o cliente fica mais fácil surpreendê-lo. Organize seu serviço de forma a superar as expectativas dele. Ofereça um atendimento personalizado, que o ajude no processo decisório. Faça a diferença para cada potencial cliente que você estabelece contato. Isso vai garantir que ele, não só retorne ao seu estabelecimento, mas o indique ao seu ciclo de convívio.
  6. Presença virtual:
    As redes sociais são fortes meios para se marcar presença e ser lembrado pelo cliente. Atualmente, 30% da população mundial marca presença nas redes sociais e utilizam as referências que encontram por lá como opções de consumo. Mas faça uma inserção de forma profissional, que se mensure a sua presença, que gere interação com o público. Estar em uma rede social sem apresentar relevância não contribui em nada para sua imagem corporativa.
  7. Desenvolva uma visão disruptiva:
    Nunca se esqueça de responder a seguinte pergunta: por que estou investindo nesse segmento? Manter o seu propósito vai ajudá-lo a enxergar maneiras diferentes de fazer a mesma coisa, e de agregar valor e diferenciais àquilo que os seus concorrentes se propõem a fazer. Resumindo: fazer o mesmo, de forma diferenciada. Como exemplo vemos cafés que oferecem consulta gratuita de livros e revistas aos seus clientes; barbearias dotadas com uma série de ações para entreter seus clientes como mesa de bilhar e chopp. Faça a diferença para ser lembrado sempre.

Se interessou pelo assunto? Que tal conhecer mais dicas para melhor se preparar para o cenário de recuperação econômica, ao clicar aqui.

 


Artigos relacionados

20 erros que devem ser evitados na condução de uma empresa No desempenhar da minha profissão, tenho tido oportunidade de aprender com grandes mestres da gestão empresarial, que em proveitosos bate-papos, me transmitem a imensa sabedoria adquirida por anos de prática, somados a estudos sobre a excelência administrativa...
#MulheresNoComando: as arquitetas que encontraram no empreendedorismo uma forma de emocionar as pess... Em 2015, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), divulgou um estudo o qual constatava a presença de 7,3 milhões de mulheres empreendedoras no Brasil. Isto representa uma crescente autonomia da mulher brasileira, a qual tem conquist...
Mudança de visão: como o MBA em Gestão de Projetos transformou a carreira de um engenheiro Dentro do leque de cursos de pós-graduação oferecidos pelo IPOG está o MBA Gestão de Projetos. É uma especialização muito procurada, pois ela atende as necessidades de profissionais que trabalham ou pretendem trabalhar com o gerenciamento eficiente de recursos...

Sobre Wanderley Villarinho

Graduado em Administração de Empresas com MBA em Administração Pública, Gestão de Pessoas, Psicopedagogia e Política e Estratégia. Especialização em Consultoria Organizacional pelo IBCO, Gerenciamento de Stress e Incidentes Críticos pela ONU, Mentor Talks pela Creative Initiative e Personal & Professional Coaching pela AIC. Atualmente, é Diretor da WV Consultoria, com foco em Governança Corporativa e Compliance; Planejamento Estratégico; Gestão de Riscos; Liderança, Relações Interpessoais; Tomada de Decisão e Negociação. Atua como professor de Pós-Graduação no IPOG.

Comentários