Procrastinação nos estudos: entenda como combater
3 minutos de leitura
13 de setembro de 2017

Aprenda como combater a procrastinação nos estudos

procrastinação nos estudos

A palavra procrastinar tem origem latina, sendo que “pro” significa para, diante, adiante, ou em favor de, e “crastinus”, quer dizer do amanhã. Há muitos sinônimos para esse fenômeno: adiar, tardar, demorar, enrolar, espaçar, transferir para outro dia, ou seja, é algo que ocorre na tomada de decisão do indivíduo em deixar para depois algo que poderia ser realizado naquele momento.

Procrastinamos em várias áreas das nossas vidas. Pessoal, profissional, familiar. A gente vive reclamando que quer mudar um móvel de lugar na casa, por exemplo, mas passam anos e ele continua lá, no mesmo lugar.

O pior é quando isso também ocorre no trabalho. Quem nunca? Quer ver? Basta lembrar daquele dia em que você acordou sabendo que tinha um compromisso importantíssimo para cumprir… Aquele projeto, sabe? Se não fizesse naquele dia, perderia o fim de semana de folga.

Mas aí, você resolve checar as redes sociais, os e-mails, vê um vídeo engraçado e quer compartilhar com os amigos. Alguém responde e uma rápida conversa acontece. Um dos seus colegas de trabalho lembra que você precisa ligar para um fornecedor.

Depois de três tentativas, ele finalmente atende. 10 minutinhos de conversa não vão te atrapalhar. Você envia o que ele pediu por e-mail. Hora de começar a trabalhar finalmente, afinal, você acordou cedo para cumprir sua meta!

Mas antes, só um cafezinho na copa… Quando volta para a mesa já são 11h, você se lembra que aquele projeto só poderia ser enviado até o meio-dia porque quem o recebe vai embora neste horário.

Não dá mais tempo! O jeito agora é perder o fim de semana de folga, já que na segunda-feira cedo você tem reunião.

E é assim, sem percebermos que a procrastinação surge nas nossas vidas, nos atrasa e o pior, sabota nosso futuro!

Porque, se procrastinamos até mesmo obrigações, o que dizer daquilo que pode mudar o rumo das nossas vidas, mas que depende apenas da nossa força de vontade?

A educação tem sido um caminho escolhido por muitos que reconhecem a importância dela para se destacar na carreira. Só que o acúmulo de atividades, principalmente para quem trabalha e estuda, acaba abrindo espaço para a procrastinação.

Por isso, convidamos Taís Alvim, professora do IPOG, que pesquisa sobre procrastinação, para falar sobre como combater essa prática na vida acadêmica.

Afinal, o que é procrastinação?

A procrastinação não é o mesmo que não fazer nada, não sendo sinônimo de ócio ou de preguiça (Schouwenburg, 2004; Costa, 2007).

Os procrastinadores costumam dar prioridade para tarefas que não são tão importantes, de acordo com as suas percepções.

Como perceber a procrastinação?

A procrastinação é um fenômeno que tem despertado a atenção da comunidade científica, pois tem causado efeitos adversos nos trabalhos acadêmicos.

As atividades procrastinadas podem ser diversas, desde comprar presentes, preencher formulários ou fazer telefonemas. Esse tipo de comportamento atinge 95% da população mundial, ou seja, a maioria das pessoas procrastinam algum tipo de atividade.

Os períodos de transição da vida do indivíduo, como por exemplo a entrada na universidade, podem contribuir para a procrastinação. Isso porque, durante estes momentos da vida, normalmente, ocorre um aumento das atribuições pessoais e uma nova configuração das atividades acadêmicas.

Além disso, a percepção do grau de dificuldade da tarefa pelo aluno pode ser outro fator relevante que pode contribuir para a geração de comportamentos procrastinatórios.

Como combater a procrastinação nos estudos?

1) Foco no que você irá alcançar 

O estudante poderá ter mais autonomia e menos comportamentos procrastinatórios se associar significado ao conteúdo que aprende.

Este processo é denominado aprendizagem significativa que pode influenciar no processo de realização de tarefas, contribuindo para o seu processo de aprendizagem.

Estudos indicam que os alunos só são capazes de efetuar novas aprendizagens quando fazem conexão com experiências anteriores, conhecimentos adquiridos, crenças e representações (Lemos, 2005; Rosário & Almeida, 2005).

2) Prefira pequenas ações do que grandes tarefas

Outro fator importante para a evitar a procrastinação seria dividir grandes tarefas ou metas em pequenas ações diárias que poderão tornar a execução mais palpável e mais fácil.

Portanto, é muito importante encontrar o porquê de todas as tarefas que muitas vezes são procrastinadas, já que o sentido ou propósito das ações geram a motivação necessária para que o estudante possa avançar na jornada acadêmica.

 

 

 

Artigos relacionados

Como fazer um currículo de excelência Sempre que nos perguntam como fazer um currículo, nos deparamos com aquela velha história: o que preciso colocar? O que não pode faltar? Por mais que existam vários modelos sempre bate aquela dúvida, não é mesmo. Por isso convidamos a professora do IPOG, Cy...
Dia da Consciência Negra: o que a data significa? No dia 20 de novembro de 2011, foi determinado o dia Nacional de Zumbi e também o Dia da Consciência Negra, instituído pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. O objetivo da data é promover uma reflexão sobre a introdução dos negros na sociedade brasilei...
Construa uma carreira de sucesso na Docência Nos últimos anos, por conta das enormes mudanças ocorridas na sociedade, o conhecimento e o modo de conceder informação também tem sido alterado. E como fica o mediador de aprendizagens? Hoje, torna-se fundamental que o profissional da educação se atente para ...

Sobre Taís Guedes

Mentora e Trainer em Liderança e Cultura Organizacional; Professora em MBA`s IPOG; Facilitadora do Programa de Desenvolvimento Integral do Potencial Humano; Expertise nas áreas de Liderança, Cultura Organizacional, Desenvolvimento Integral do Potencial Humano; Coordenadora da Pós-graduação em Psicologia Organizacional e do Trabalho no IPOG; Líder Programa Cultura Plena - Caminhos Vida Integral; Doutoranda em Psicologia pela PUC-GO – Bolsista Capes; Mestrado em Psicologia pela PUC-GO – Bolsista CNPQ; Pós-graduada em Liderança, Consultoria e Coaching pela Condor Blanco International (Chile); Graduada em Administração pela PUC – Pontifícia Universidade Católica; Formação em Autoliderança e Consultoria de Projetos de Vida; Análise Transacional 101 pela UNAT-Brasil – União Nacional de Analistas Transacionais; Practitioner em PNL pelo Conselho Brasileiro de Coaching e PNL; Coaching com base em Neurociência - Conversas Brain-based pela Mindmax Instituto de Desenvolvimento Humano e Organizacional / IPOG; Qualificação do Indicador de Preferências Psicológicas - Instrumento MBTI® Step I e MBTI® Step II Myers Briggs Type Indicator® pela Fellipelli; Formação em CTT Practitioner – Certificação internacional no Método Barrett® de Gestão de Cultura Organizacional; Leader Mentoring Business & Inovation Imersion no Vale do Silício, Califórnia, EUA; Path Inovation & Desing Thinking em Stanford University; Formação em Integral Leadership and Advanced of Human Values pelo Richard Barrett.

Comentários