Gamificação e seu poder de atração para as empresas
6 minutos de leitura
10 de janeiro de 2018

Gamificação e seu poder de atração para as empresas

Desde que foram criados, os jogos eletrônicos têm cativado a atenção de um grande público, independentemente da idade. Algumas pesquisas apontam que, semanalmente são gastos 3 bilhões de horas com atividades relacionadas a jogos. Diante desse cenário, a pergunta que nos resta responder é a seguinte: O que faz os jogos serem tão atrativos? Conforme Gabe Zichermann, estudioso do tema e co-autor da obra Gamification by Design, a gamificação é “75% Psicologia e 25% Tecnologia”. Isso explica os principais fatores motivadores da gamificação: competição, recompensa e status.

Dessa forma, podemos apontar algumas condições estimuladoras no processo:

  • Atividades associadas à diversão;
  • Estimula a competitividade;
  • Propõe desafios e recompensas;
  • Libera endorfinas;

Mas ao contrário dos jogos que visam “especialmente” a diversão, a Gamification está em busca de alcançar resultados que interessem a organização. Todavia, pode ser considerada um modelo contemporâneo para modificar comportamentos de forma voluntária e divertida, visto que se baseia em elementos de games, para que sua mecânica ocorra de forma prazerosa.

Alguns autores intitulam-na como sendo, “uma espécie de caixa de ferramentas compostas por partes e pedaços de games”.

Contudo, para Nicolle Lazzaro (autora da obra 4 Chaves para a Diversão), os jogos se tornam tão atraentes, porque permitem aos jogadores vivenciarem experiências de “emoções que movem o ser humano”, por exemplo:

  • frustração,
  • tristeza,
  • admiração,
  • curiosidade,
  • exploração,
  • curiosidade,
  • gratidão,
  • orgulho,
  • sentimento de triunfo.

Ela ainda acrescenta que, a maneira mais fácil de mudar o comportamento das pessoas, para melhor, é por meio da diversão.

Outros fatores motivacionais presentes em sistemas gamificados, pode ser atribuído por “Motivação Extrínseca e Motivação Intrínseca”.

O primeiro é movido por fatores externos que oferecem recompensas, tais como: cartão fidelidade – placar de pontuação; troca; descontos; premiações; dinheiro; troféus; medalhas; dinheiros virtuais etc.

Já o segundo, é movido por fatores internos e apelam para o prazer do cumprimento da tarefa em si, por exemplo: status; reconhecimento; progresso (avançar fases do jogo); entretenimento. Sendo que neste fator, é importante considerar a Experiência Autotélica de Mihaly Csikszentmihalyi que, afirma o comportamento não tendo relação alguma com fatores externos de recompensa, e sim o prazer durante o processo da atividade.

Em atividades gamificadas é possível perceber as pessoas em estado alterado da consciência, e este estado é definido por Mihaly de Estado de “Flow”. Traduzido é “fluir” e também considerado por “alegria psíquica”. As características presentes no estado de flow, são: motivação intrínseca; concentração profunda; sensação de controle; foco no presente; distorção do tempo e transcendência. Isso justifica o fato de alguns jogadores passarem horas jogando, sem perceber o tempo passar e ainda assim se manterem engajados.

Após tentar responder à questão “O que faz os jogos serem tão atrativos? ”, vale tentar entender a sua relação com a gamificação, e a aplicabilidade desta, no ambiente organizacional.

Há no mínimo quatro décadas, os jogos têm sido vistos como forma de atrair a atenção das pessoas, de forma lúdica. O que tem sido aperfeiçoado desde então é a sua utilização aplicada ao aprimoramento pessoal e profissional, nas mais diferentes áreas do desenvolvimento humano. Hoje, há estudiosos dedicados a pensar em meios de utilizar das premissas dos games para auxiliar no desempenho de atividades cotidianas e no despertar de interesse do público para determinado produto ou serviço.

Por exemplo, os “serious games” (jogos de treinamento – aprendizagem), possuem a vantagem de transportar o aprendiz para um ambiente desenvolvido exclusivamente para ele testar os seus conhecimentos na prática e obter as suas próprias experiências. Assim, o comportamento pode ser treinado e moldado conforme as necessidades da empresa para construir um padrão de ações programadas mentalmente.

Mas, o que é exatamente Gamification?

Gamification ou gamificação NÃO É JOGO. Mas, é a aplicação da lógica dos jogos para despertar o interesse das pessoas em realizar tais tarefas, ou conhecer determinados produtos. Sua aplicação consiste no uso de técnicas, estratégias e de design de games em contextos reais como ambientes de trabalho, universidades, entre outros, tendo em vista levar ao engajamento, aumento da produtividade, foco, determinação e perseguição de metas.

A mecânica envolve a definição de tarefas que estejam de acordo com o objetivo da empresa, a criação de regras e a aplicação de sistemas de monitoramento.

As recompensas pelas interações dos participantes podem variar desde incentivos virtuais, como medalhas, até prêmios físicos

Estudos apontam que em 2018 o mercado de gamification vai movimentar mais de 5 bilhões de dólares, em todo o mundo. A previsão é de que até 2020, 70% das maiores empresas globais terão ao menos uma de suas soluções corporativas baseadas nesta técnica.

Por meio do gamification, é possível transformar rotinas de trabalho ou de estudo, e fazer com que as pessoas se sintam mais inclinadas a se dedicarem às tarefas e desafios que cada situação exige.

No ambiente de negócios, existem muitas possibilidades de aplicação da mecânica e estratégias de jogos para apoiar o alcance dos resultados organizacionais. Por exemplo:

  • No ambiente de trabalho (estimular cumprimento de metas, estimular a realização de tarefas e etc);
  • No marketing (aumentar a visibilidade das marcas e conquistar a fidelidade dos clientes);
  • Mudança de hábitos – Estilo de Vida (hábitos saudáveis, limite de velocidade, reduzir uso de escadas rolantes, impulsionar o uso de transporte coletivo).
  • Em Recursos Humanos (treinamento e desenvolvimento, recrutamento e seleção);
  • Gestão do conhecimento e Inovação.

Para Zicherman:

“Se você pode fazer algo mais divertido, e inclui técnicas de jogos, você pode conseguir que as pessoas executem ações que normalmente elas não executariam.”

O que podemos aprender com os jogos?

Especialistas das mais variadas academias no mundo têm se dedicado a desvendar o poder de atração dos jogos eletrônicos, afim de apropriarem-se de suas técnicas de concentração e de despertar a dedicação extrema aos seus objetivos propostos em cada fase, para promover mudança de comportamento nas pessoas. A seguir, algumas características importantes a serem despertadas nos jogadores:

  1. Necessidade de competição;
  2. Interesse por feedbacks instantâneos;
  3. Possibilidade de rápida evolução;
  4. Oferecimento de recompensas;
  5. Criação de comunidades;
  6. Perseguição de metas (passar para próxima fase);
  7. Desejo de romper barreiras, de melhorar o desempenho.

Aprendendo com os jogos

Normalmente o que se ensina nas organizações é o uso racional das funções cerebrais para evitar falhas e erros.

No jogo, as regras são outras, coloca-se em funcionamento o hemisfério direito do cérebro, que é a parte que estimula a criatividade, assim, essa maneira descontraída e livre possibilita atitudes empreendedoras o que reafirma o processo de aprendizagem.

Semelhante à realidade, os games são mestres em oferecer feedbacks aos seus jogadores, mostrando a cada erro como ele pode evoluir na próxima jogada. A cada acerto, há uma recompensa ou mesmo uma congratulação. Tal mecanismo faz com que o jogador fique atento para não repetir os mesmos erros que lhe impedem de evoluir dentro do jogo.

Ao fazermos um paralelo com a realidade, nossos acertos são como molas propulsoras. Aquelas que nos permitem evoluir e alcançar resultados. Enquanto os erros nos deixam estagnados, distantes da meta e nos forçam ao aprimoramento pessoal. Uma técnica eficiente para a gestão de pessoas é o oferecimento de feedbacks de desempenho. De forma objetiva e construtiva, o recebimento de feedbacks permite ao profissional se autoavaliar pela ótica de quem o coordena e espera melhores resultados.

Trazemos a seguir algumas dicas de como as técnicas de gamification podem contribuir com soluções corporativas. Inspire-se!

Direcionamento

Ao adotarmos o conceito dos jogos para as relações corporativas é possível conduzir as equipes por meio da proposta de desafios e compensações a cada etapa concluída. Uma forma de estimular os profissionais a perseguirem coletivamente os mesmos objetivos, auxiliando uns aos outros rumo ao objetivo comum. Estabelecimento de prazos, assim como os jogos delimitam um tempo para cumprimento de cada fase, é importante para se mensurar a evolução da equipe.

Engajamento

Ainda tendo como base o sistema de desafios e recompensas é possível conquistar o engajamento da equipe, interessada em se ver reconhecida perante os demais, e obter vantagens como forma de reconhecimento. Uma competição saudável estimula o potencial de superação natural dos seres humanos. E a empresa só tem a ganhar com isso.

Estimular as pessoas, através dos jogos, exercitam os neurotransmissores que melhoram o humor e o engajamento da equipe!

Estímulos cognitivos

Os feedbacks são essenciais para contribuir com a evolução dos profissionais, sendo fundamentais que sejam apresentados de maneira construtiva e nunca depreciativa. Iniciar um feedback elencando os pontos fortes do profissional faz com que a receptividade às suas fraquezas seja aceita com mais tranquilidade.

As atividades lúdicas também ajudam a memorizar fatos e favorecem o desempenho cognitivo.

Benefícios da Gamificação para as empresas, conforme algumas pesquisas:

  • Aumenta a motivação;
  • Aumenta em cerca de 60% o engajamento;
  • Dá um feedback de performance;
  • Aumenta a produtividade em cerca de 40%;
  • Desenvolve novas habilidades;
  • Melhora a capacidade de resolver problemas;
  • Aumenta em 14% a performance em atividades ligadas a habilidades;
  • Aumenta em 11% a performance em atividades ligadas ao conhecimento;
  • Aumenta em 90% a taxa de retenção de informação;
  • Cria animação graças a endorfina libertadas quando as pessoas conquistam algo no jogo.

Os sistemas gamificados podem ser utilizados como ferramentas importantes para os processos que objetivam influenciar de forma positiva o comportamento do usuário. Alguns cases de sucesso de empresas que utilizam de gamificação: L’Oréal Paris; Ford Canadá; SAP; Samsung; Sales Force; Nike, Nissan, Microsoft, dentre outras.

Fique atento: uma pesquisa realizada pelo Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), ONG norte-americana, prevê que 85% das tarefas do cotidiano até 2020 envolverão algum elemento de jogo.

Descubra como a gamificação pode contribuir para os processos cognitivos ligados ao aprendizado. Clique aqui.

O que você sabe sobre Mapas Mentais? Que tal dar uma conferida?

Se você chegou até aqui, deu para perceber que a gamificação tem muito a oferecer aos ambientes corporativos e de aprendizagem, não é mesmo? Seus benefícios são muitos e a tendência é que sua aplicação cresça cada vez mais nas empresas.

E por que não investir neste conceito? Se você deseja aprofundar os seus conhecimentos na área e aprender as estratégias, a nossa dica é o curso de curta duração Gamification – Mecânica de Jogos para Alavancar Resultados. Acesse o link e conheça melhor esta proposta inovadora!


Artigos relacionados

4 Dicas para se tornar um grande influenciador A internet é responsável por ampliar o alcance das mensagens e propagar informações, se tornando um ambiente muito propício para quem pretende se tornar reconhecido como um influenciador, independente do segmento de mercado em que atua. O enfoque no indivíd...
Inspirando Carreiras: Alunos da Graduação explicam porque escolheram o IPOG Escolher uma graduação pode ser um passo muito difícil para muitas pessoas, fácil para outras, mas importante para todos. Por meio dela é possível caminhar para o tão sonhado sucesso profissional. Além de ser significativo para a ascensão social, o curso super...
As mudanças e desafios no processo de internacionalização das instituições brasileiras de ensino... Pense na sua vida trinta anos atrás. Se você usava computador, ele era pouco potente, tinha uma tela preta com letras verdes. Se você fazia musculação era em uma pequena academia, as compras do dia a dia eram feitas em açougues, mercearias ou padarias, e boa p...

Sobre Nayra Menezes

Professora de Pós-graduação do IPOG e fundadora e Diretora Executiva na WINNER Gamificação, Educação e Negócios. Doutoranda em Psicologia na linha de oncentração OBM Análise de Comportamento pela PUC-GO. Membro associado da Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental.

Comentários