Business Intelligence: Estratégia a favor de melhores resultados corporativos
3 minutos de leitura
04 de agosto de 2017

Business Intelligence: Estratégia a favor de melhores resultados corporativos

Negócios, IPOG, Business Inteligence

Você sabe qual o segredo que permite aos pilotos de avião fazerem pousos precisos mesmo sem ter o mínimo de visibilidade necessária? Eles são orientados de outras formas, recebendo instruções de operadores de tráfego aéreo e de aparelhos que calculam precisamente o desempenho da aeronave. Assim, um piloto consegue realizar essa complexa manobra, sem contar com o auxílio visual. Essa analogia pode ser transportada para o meio empresarial quando falamos sobre Business Intelligence (BI), ou – como ficou conhecido no Brasil – Inteligência de Mercado.

É perfeitamente possível comandar uma empresa, trabalhando com as oscilações do cenário econômico e com a presença dos concorrentes, desde que você possua informações importantes, e líderes competentes que consigam transformá-las em relevantes mecanismos de direcionamento.

Pensando Estrategicamente

A Inteligência de Mercado preza pela coleta de informações, via formação de um banco de dados, onde estão descritos hábitos, comportamento, expectativas e dores do público-alvo, e dos prospects, que são aqueles que almejamos que se tornem clientes.

Além de desenhar um mapa sobre o público almejado, também é preciso conhecer detalhes da atuação de seus concorrentes. Entender o que sugerem para solucionar os mesmos problemas que você se propõe a resolver, acompanhar estratégias, sem subestimá-los, mas com foco em aprender com quem também se dedica à mesma atividade que você.

E para completar as informações essenciais para a condução de seu negócio, desvendar seus stakeholders, grupo formado pelos seus fornecedores, parceiros, agências governamentais e reguladoras, sindicatos, ou seja, pelo conjunto de pessoas que estão diretamente ligadas ao seu trabalho, para que possa estabelecer relações saudáveis e mais produtivas com tais pessoas. Afinal, estando todos satisfeitos, o resultado tende a ser ainda mais satisfatório.

Como implantar o Business Intelligence em minha empresa?

O profissional habilitado a trabalhar estrategicamente as informações coletadas é da área de marketing. Sua formação voltada para a captação de público, posicionamento, branding e demais aspectos que contribuem com a construção da imagem empresarial perante à sociedade, lhe habilita a obter melhores resultados dos dados coletados.

A partir do momento que ele começa a alimentar esse banco de dados, que pode ser adquirido por meio de softwares projetados especificamente com essa finalidade, o profissional de marketing passa a deter em suas mãos importantes dados para compartilhar com o departamento de vendas da empresa.

Assim, o marketing identifica um lead (prospect que fornece um dado como email ou telefone) e permite com isso que se inicie um processo de aproximação, visando a interação e a conversão desse lead em um cliente efetivo da empresa. Toda aproximação é feita pelo marketing, com estratégias diversas como Inbound Marketing, por exemplo. Ao constatar que o prospect se tornou um lead qualificado, ao corresponder com o processo de aproximação, esse contato é compartilhado com o departamento de vendas para que possa apresentar os produtos e serviços ofertados pela empresa.

Como trabalhar as informações?

Ao adotar o banco de dados, a empresa passa a ter em mãos a coleta de dados sobre seus clientes. Cada perfil de empresa vai definir quais informações são mais importantes a serem coletadas. Em geral, precisa-se saber a frequência com que esse cliente realiza a compra, o que costuma comprar, qual o seu perfil como comprador, sua atividade final, se está satisfeito com o produto ou serviço prestado. São todas informações importantes a serem registradas.

Muitas vezes, as melhorias daquilo que estamos fazendo surgem das sugestões de quem está usufruindo de nossos serviços. Estar atento ao que o público pensa vai lhe ajudar a traçar a evolução da sua empresa, corrigindo importantes arestas e se aprimorando cada dia mais.

Ao conhecer o fluxo de consumo do seu cliente, você pode oferecer a ele vantagens na aquisição daquilo que sempre compra, fidelizando-o. Se você conhece a natureza da aplicação daquilo que ele costuma adquirir, pode oferecer produtos complementares que vão ajudá-lo a obter melhor rendimento.

Ou seja, cada um dos dados coletados vai ajudá-lo a traçar uma estratégia para impactar seu cliente positivamente. É importante que a informação registrada seja clara, precisa e utilizada no tempo certo. Sempre buscando atualizar o banco de informações. Só assim, o líder terá em mãos importantes dados para a tomada de decisão mais assertiva possível.

Sobre o autor:

Alexandre Souza é professor do MBA do IPOG, mentor no SEBRAE, empresário com mais de 15 anos liderando equipes de sucesso, eleito pela Revista Venda Mais um dos melhores treinadores de gestão e vendas do Brasil; e criador do treinamento MMA em Vendas.


Artigos relacionados

Como fidelizar clientes? Em uma época de inúmeros produtos e ofertas é possível fidelizar clientes? O que devo fazer para ter clientes fiéis? Essas são dúvidas recorrentes da atualidade, onde o acesso à informação e o alto nível de exigência protagonizam a disputa por clientes. Par...
Professor do IPOG ministra palestra ao lado do criador do conceito de Gatilhos Mentais Você já imaginou assistir uma palestra presencial do seu maior ídolo? Então, feche os olhos e pense um pouquinho mais além, se veja dividindo o palco com o profissional que você mais admira. Para alguns, tudo isso parece distante, mas para professor do MBA Exe...
Reestruturação financeira: o case que contou com os trabalhos de um professor e de um aluno IPOG No post de hoje vamos falar de um assunto que ainda é muito temido por diversos profissionais: a reestruturação financeira. Administrar uma empresa requer um esforço gigantesco, afinal muitas são as funções e obrigações a serem cumpridas para que ela se manten...

Sobre Assessoria de Comunicação

Equipe de produção de conteúdo.

Comentários