A evolução do Ecommerce no Brasil
3 minutos de leitura
12 de dezembro de 2017

A evolução do Ecommerce no Brasil

O ano de 2018 promete avanços para o setor, principalmente para aqueles que se diferenciarem neste acirrado ambiente virtual. Entretanto, antes de falarmos sobre as aspirações para o ano que vem,  vamos falar sobre a evolução do Ecommerce no Brasil.

Levantamento recentes da Consultoria Ebit –responsável por medir a reputação e comportamento das lojas virtuais brasileiras – mostra que no primeiro semestre de 2017 o comércio eletrônico conseguiu aumentar em 4% os seus rendimentos, em relação ao mesmo período do ano passado. O que nos leva a inferir que estamos muito perto da superação da crise econômica que atingiu o ambiente virtual no último ano.

Ao todo, foram firmados mais de 50 milhões de pedidos virtuais, apenas nestes primeiros seis meses do ano, o que resultou em um faturamento de R$21 bilhões – valor esse 7,5% maior do que o apurado em 2016. Esse volume de negociações virtuais foi promovido por 25,5 milhões de consumidores.

O relatório da Ebit também mostrou algumas informações importantes sobre o ecommerce no Brasil, como o crescimento de 40% das compras efetuada via tecnologia mobile, o que mostra a necessidade dos empreendedores virtuais em melhor adaptarem suas lojas virtuais compatíveis a esse tipo de navegação.

Evolução do Ecommerce no Brasil: quais são os itens mais comprados

A consultoria também apurou quais foram os itens mais pesquisados e, consequentemente,mais comprados virtualmente. O ranking identificado foi o seguinte:

  1. Telefones celulares;
  2. Eletrodomésticos;
  3. Aparelhos eletrônicos;
  4. Roupas e acessórios;
  5. Perfumaria e cosméticos;
  6. Itens de saúde e remédios;
  7. Elementos para casa e decoração

O relatório da Ebit aponta ainda para uma expectativa de crescimento este ano entre 12% a 15%, ao levar em consideração as datas relevantes do varejo concentradas no segundo semestre como Dia das Crianças, Black Friday e o Natal.

Planejamento futuro

Diante do potencial de retomada de crescimento do setor, cabe aos empresários virtuais aprimorarem seus negócios, com vistas a atingirem melhores resultados a partir de 2018. Os últimos cinco anos foram fundamentais para a evolução do Ecommerce no Brasil e consolidação do cenário virtual de compras, levando desde grandes redes a pequenos empreendedores a se apropriarem das vantagens oferecidas pelo ambiente virtual. Dentre tais vantagens podemos elencar:

  • Eliminação de custos de uma loja física;
  • Parcerias que permitem reduzir custo tributário e de frete;
  • Ambiente 24 horas propício ao comércio;
  • Baixo custo de manutenção da loja virtual e de organização do estoque.

Investindo nos diferenciais

Muito se evoluiu no quesito tecnologia aplicada ao ecommerce. Tanto que hoje pouco se vê de novidade em termos de softwares e de gestão de páginas comerciais. As ferramentas tecnológicas estão disponíveis a todos os portes de negócios.

Logo, tanto o grande quanto o pequeno empreendedor virtual têm à disposição os seguintes mecanismos para potencializar as vendas:

  • Ferramentas de comparação de produtos;
  • Pesquisa eletrônica de preço;
  • Composição do carrinho de compras;
  • Pagamento facilitado;
  • Ordenamento de produtos por maior ou menor preço;
  • Salvar lista de compras ou objetos de interesse.

Quem vai garantir maior participação nas vendas neste cenário virtual serão aqueles que apresentarem diferenciais competitivos com base em estratégias de vendas e de posicionamento na internet. Como sugestão de diferenciais competitivos podemos indicar as seguintes ações:

  • Investimento no layout da página, transformando a navegação algo atrativo e a compra um ato simples e fácil;
  • Adaptação da página para a tecnologia mobile, que tem ganhado mais adeptos no último ano;
  • Fazer uma pesquisa com seus clientes para levantar pontos fortes e fracos do seu comércio eletrônico. Tentar responder a seguinte pergunta: Por que optaram em comprar na sua loja virtual?
  • Desenvolver parcerias visando oferecer diferenciais na compra como o oferecimento de tickets de descontos em outras lojas, por exemplo;
  • Trabalhar no marketing virtual, ter uma presença de relevância nas redes sociais para conquistar clientes. Usar adwords a seu favor.

Quer aprender mais sobre a evolução dos canais de venda? Clique aqui.

Veja como manter os seus princípios bem definidos no ambiente virtual.


Artigos relacionados

4 carreiras para especialistas em Saúde Pública Foi-se o tempo em que concluir uma graduação era sinônimo de sucesso profissional. Cada vez o mercado de trabalho fica mais exigente e, para acompanhar o ritmo e não ficar de fora, é necessário se manter atualizado e tornar-se especialista em determinado assun...
Danos Morais: o impacto nas organizações e os caminhos para evitá-los Somente nos dois primeiros meses de 2018 (janeiro e fevereiro), a Justiça do Trabalho somava 22.069 processos de Indenização por Danos Morais, segundo levantamento que trata dos assuntos mais recorrentes na JT, divulgado em abril. No Ranking que acompanha o...
Design Thinking: inovação e organização a favor do sucesso Tomar decisões e resolver problemas é um dos principais desafios de um empreendedor. E com o atual cenário competitivo, há uma necessidade crescente de inovação e busca de novas soluções para os problemas enfrentados por clientes e empresas de pequeno, médio e...

Sobre Marcelo Roncato

Doutor em Gestão estratégica em tecnologia pela universidade de Stanford, USA. Mestre Executivo Internacional pela Beulah Heights - Atlanta, USA/IPOG. Possui graduação em Analise de Sistemas e Ciência da Computação. MBA em Marketing, Gestão Empresarial e Métodos e Técnicas de Ensino. Participou de 3 cursos de extensão nos EUA em Stanford University-CA(2) e em New York University-NY(1). Foi professor da UFG por 11 anos, Consultor do SEBRAE-GO, Professor de cursos avançados no SENAC e professor na Cambury de TI, Gestão de Projetos e Marketing Digital. Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Metodologia e Técnicas da Computação, atuando principalmente nos seguintes temas: BI com sistemas ERP, E-learn, Mídias Eletrônicas, criação de sites, Marketing Digital e CRM. Trabalhou na SEFAZ por 9 anos criando 33 sistemas administrativos e o site, atualmente trabalha no Governo no desenvolvimento de Sistemas de processos, convênios, ponto eletrônico e BI. É gestor responsável pelos sistemas de Ouvidoria Geral do Estado de Goiás, Gestão de Controle Interno da Controladora Geral do Estado de Goiás e sistemas internos de GED e Workflow. Atualmente também é professor do IPOG das pós-graduações (MBA) na área de projetos, BI, Gestão do Conhecimento e Tecnologia.

Comentários